Connect with us

Tocantins

IML do Tocantins desenvolve software que auxilia na identificação de cadáveres por meio do confronto de dados

Publicado

em

Uma aplicação web que foi desenvolvida pela Polícia Científica do Tocantins em parceria com equipe de tecnologia da Secretaria da Segurança Pública do Tocantins entrou em operação essa semana. A ferramenta tecnológica Idforense é inédita no Tocantins, irá inserir dados antropológicos e forenses colhidos por peritos durante as análises cadavéricas de pessoas não identificadas, com as informações  serão gerados marcadores característicos para cada indivíduo o que facilitará a resposta durante a busca de desaparecidos por familiares.

Com o software será possível restringir o universo de suposições  direcionando as investigações de pessoas desaparecidas versus cadáveres não identificados no IML. Segundo a Superintendente da Polícia Científica Dunya  Wieczorek Spricigo, a aplicação web vai dar agilidade nas identificações de cadáveres e ao mesmo tempo possibilitar a busca por pessoas desaparecidas. “Os  dados de pessoas desaparecidas serão confrontados com exames realizados em cadáveres não identificados pelos peritos do IML, esse procedimento que era feito de forma manual agora está sendo realizado de maneira totalmente informatizada”, explica.

O primeiro cadáver identificado após iniciar a busca no programa Idforense  foi   o de Wisledy Rodrigues da Silva, de 32 anos, que se encontrava desaparecido desde o dia 25 de maio deste ano. Com o programa foi verificado que um desaparecido possuia as mesmas características biotipológicas de um cadáver examinado (sexo, idade, ancestralidade e estatura), além de marcas e sinais particulares como tatuagens. 

Após essa informação, a equipe do Núcleo Especializado em Antropologia Forense e Odontologia Legal,  responsável pela operacionalidade do programa,  procurou a suposta família para obtenção de prontuários odontológicos da vítima. Segundo a família, a vítima  foi atendida no Centro de Especialidades Odontológicas de Palmas (CEO) para tratamento. Com esses prontuários, os  peritos odontolegistas puderam então realizar o exame comparativo entre as informações contidas na ficha de atendimento clínico com o exame realizado do cadáver.

Para facilitar esse procedimento, o Diretor do IML Luciano Fleury, explica que é importante a atualização e preenchimento completo do prontuário de saúde do paciente. “Os profissionais de Saúde precisam  nos auxiliar nesse processo mantendo completo o prontuário do paciente nos consultórios, já que muitas vezes a análise antropológica e da arcada dentária é o único material passível de análise imediata e os registros  contribuem para a rápida solução do caso”, explicou.

Idforense

Segundo a perita oficial odontolegista, Georgiana Ferreira Ramos, idealizadora e coordenadora do projeto, há dois anos essa aplicação web Idforense está em desenvolvimento para atendimento das demandas do Núcleo Especializado em Antropologia Forense e Odontologia Legal do IML (TO). “O software irá facilitar a identificação de pessoas desaparecidas as quais familiares  buscam constantemente informações, e também será muito útil nas investigações sobre os cadáveres não identificados e desaparecidos”, destacou.

De acordo com o analista de sistemas da SSP, Paulo de Souza  Lima, responsável pela criação do Idforense,  o software  banco de dados escolhido foi o MySQL por ser um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD). Este banco de dados é conhecido por sua facilidade de uso, e também sua capacidade de rodar em vários sistemas operacionais. “A nossa pretensão foi criar algo simples, de fácil utilização e que pudesse dar respostas rápidas aos familiares de pessoas. (Geórgia Milhomem)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Tocantins

No Tocantins, homem de 42 anos é suspeito de estuprar a própria filha de 13

Publicado

em

Um homem de 42 anos, investigado por estuprar a própria filha, de 13 anos, foi preso pela Polícia Civil do Tocantins (PC-TO), durante ação realizada na manhã desta terça-feira, 21, em Rio Sono. A operação que resultou no cumprimento do mandado de prisão preventiva em desfavor do indivíduo foi coordenada pelo delegado Anderson Casé, e contou com apoio de policiais civis da 4ª Delegacia de Polícia Civil de Palmas, e também do delegado Ricardo Real.

De acordo com delegado Anderson Casé, o estupro teria ocorrido no último mês de agosto e passou a ser investigado pela Polícia Civil, após o registro de um Boletim de Ocorrência onde os fatos foram denunciados. A partir daí, os policiais civis da DP de Rio Sono passaram a diligenciar e, com o aprofundamento das investigações, foi possível efetuar o levantamento de fortes indícios de que o pai teria, de fato, estuprado a própria filha.

As investigações da Polícia Civil foram confirmadas com os laudos emitidos por psicólogos e assistentes sociais que fizeram o acompanhamento da adolescente.

Com base nas investigações, o delegado responsável pelo caso representou, junto ao Poder Judiciário, pela prisão do homem. De posse da ordem judicial, os agentes foram até a residência do indivíduo e efetuaram a captura do mesmo.

Preso, o suspeito foi encaminhado à 1ª Central de Atendimento da Polícia Civil de Palmas, onde foram realizados os procedimentos de praxe. Em seguida, o indivíduo foi recolhido à Unidade Penal de Palmas, onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário.

Continue lendo

Tocantins

Operação prende sonegadores no Tocantins que causaram prejuízos de R$ 57 milhões

Publicado

em

A Polícia Civil do Tocantins (PC-TO), por intermédio da Divisão de Repressão a Crimes contra a Ordem Tributária (DRCOT), de Palmas, deflagrou nas primeiras horas da manhã desta terça-feira, 21, uma operação de combate à sonegação fiscal.  Os ilícitos supostamente praticados já teriam resultado em um prejuízo na ordem de R $57 milhões de reais aos cofres do Estado do Tocantins.

Segundo o delegado responsável, a operação teve como objetivo dar cumprimento a mandados de busca e apreensão e também de prisão, no Tocantins e também no Estado de Minas Gerais. A ação também visa instruir inquérito policial instaurado para apuração de crimes contra a ordem tributária e outros crimes conexos envolvendo pessoas ligadas a uma empresa sediada no Tocantins. Ainda conforme a autoridade policial, as investigações tiveram início após auditoria realizada pela Delegacia Regional Tributária de Palmas. Durante os trabalhos, que contaram com apoio de agentes do Fisco dos estados do Pará, Maranhão e Bahia, foram constatadas inúmeras irregularidades fiscais que confirmam a prática de ilícitos que estariam sendo praticados já há algum tempo. 

Diante dos fatos apurados, a PC-TO, por meio da DRCOT, representou pelos mandados judiciais que foram cumpridos na manhã de hoje, em endereços ligados a pessoas supostamente envolvidas nos crimes de sonegação fiscal. No decorrer das diligências, os policiais civis encontraram em uma das residências, uma arma de fogo, que foi apreendida. Também houve o cumprimento do mandado de prisão temporária, em desfavor de um dos investigados, que após os procedimentos legais adotados, será recolhido à Unidade Penal de Palmas, onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário.

Além dos agentes da DRCOT, a operação desta terça-feira também contou com apoio efetivo de policiais civis da Divisão de Repressão a Corrupção e ao Crime Organizado (DRACCO) e suas divisões de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), e 8ª Divisão de Combate ao Crime Organizado (8ª DEIC) de Gurupi, e Divisão Especializada de Repressão  Corrupção (DECOR), Palmas. A operação também contou com a participação da Perícia Oficial, por meio dos Núcleos de Crime Financeiro e Computação Forense.

Continue lendo

Tocantins

13ª edição da Festa da Colheita do Capim Dourado mantém tradição local

Publicado

em

Trazendo um novo olhar sobre a forma de apresentar a comunidade Mumbuca para turistas e visitantes, encerrou no domingo, 19, a Festa da Colheita do Capim Dourado, a festividade mais marcante do povoado. Mais de duas mil pessoas participaram das atrações durante os três dias de evento, que contou com maratonas, desfiles, futebol, cavalgada, peças teatrais e premiações. A 13ª edição teve o apoio do Sebrae Tocantins e da Energisa.

O evento também teve um papel social fundamental, em que a Energisa Tocantins levou o projeto “Energia para Crescer”, em parceria com o Sebrae. Segundo o gerente da Assessoria de Gestão de Projetos da Energisa, Leandro Fernandes, foi possível resgatar a cultura do Capim Dourado, além de fazer o recadastramento de famílias de baixa renda.


“O Energia para Crescer é um projeto que tem o objetivo de desenvolver três comunidades quilombolas da região do Jalapão: Mumbuca, Prata e Rio Novo. Nesse final de semana, tivemos a oportunidade de estar na Festa da Colheita, onde resgatamos um pouco da cultura do povoado Mumbuca, junto aos moradores. A Energisa entende que o seu papel vai além de distribuir energia; é por isso que estão sendo desenvolvidas ações sociais em todo o Estado”, destacou.

De acordo com a analista do Sebrae, Admary Barbosa, a Festa envolveu todos, seja na organização, nas atividades realizadas ou na programação de um modo geral. “Foi um evento excelente. Nós do Sebrae, em parceria com a Energisa, contribuímos com estrutura, iluminação, material de comunicação, a fim de ter um ambiente que pudesse receber os visitantes, e que eles pudessem participar das atrações e conhecer a comunidade, trazendo esse novo olhar sobre a vida e trabalho do povoado”, pontuou.

Railane Ribeiro, diretora executiva e presidente da Associação dos Artesãos do Povoado Mumbuca, afirmou que o evento superou as expectativas. “Terminamos a nossa Festa e foi surpreendentemente bom. Contribuiu para integrar ainda mais a comunidade e nos unir para continuarmos levando nossa cultura por todo o País”, celebrou.

Povoado Mumbuca
O povoado está localizado próximo à rodovia TO-110, no trecho entre as cidades de Mateiros e São Félix do Tocantins. A comunidade é formada, em sua maioria, por descendentes indígenas e negros, vindos da Bahia em 1909, em busca de melhores condições de vida. Já a Festa da Colheita do Capim Dourado já faz parte da tradição e é promovida pela Associação dos Artesãos do Povoado Mumbuca. O período é uma oportunidade para conhecer cultura, tradições e saber como se dá o processo artesanal do capim dourado. (Assessoria de Imprensa do Sebrae Tocantins)

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze