Connect with us

Maranhão

IMPERATRIZ: Hospital de Campanha registra menor taxa de ocupação dos últimos 12 meses

Publicado

em

Com 49 leitos de enfermaria e 10 de UTI, Hospital Municipal de Campanha completa um ano e três meses de portas abertas, de forma ininterrupta em Imperatriz, mesmo atendendo uma baixíssima demanda. Com taxa de ocupação em queda (apenas 8,4%), unidade registra um número de pacientes cada vez menor nas enfermarias e UTI´s. 

Nesta terça feira, 20, apenas cinco pessoas estão internadas. Destas, uma de Imperatriz e as demais são de Cidelândia, Buriticupu, Bom Jesus das Selvas e Açailândia. No sistema de Regulação de Leitos, que recebe pedidos de diversas partes do estado, para os quatro hospitais referência da Covid-19 (Macro, Regional Materno Infantil, HMC e Hospital de Campanha do Estado) há somente três solicitações de hoje, sendo uma de Imperatriz, e duas dos municípios de Porto Franco e Açailândia. 


Segundo a secretária Mariana Jales, a tendência é que os números continuem em queda na cidade de Imperatriz, devido às estratégias de controle da doença adotadas pelo município, bem como o avanço da vacinação, que chega nos próximos dias na faixa etária dos 20 anos. Ela ressalta que para manter o HMC aberto, com a estrutura que se tem hoje, os custos são altos.

“Só para manter os plantões do hospital temos um custo de folha com 22 profissionais por dia na escala. Mantivemos o HMC aberto desde abril do ano passado por entendermos a necessidade da população. Mesmo quando diversas cidades fecharam os seus, nós continuamos atendendo, porque tínhamos uma demanda e ainda não existia a vacina. Agora o cenário mudou, graças a Deus temos uma decrescente e cada vez menos pessoas precisando dessa unidade”, comentou.

Com a diminuição drástica da taxa de ocupação e o crescente aumento da cobertura vacinal contra a Covid-19, a Prefeitura já esquematiza um remanejamento de leitos. “Se continuarmos com os índices em queda, podemos desativar o Hospital de Campanha e realocar leitos em outras unidades de acordo com a demanda”, informou Mariana.

Inaugurado em 26 de abril de 2020, o Hospital Municipal de Campanha de Imperatriz, HMC, foi o primeiro inaugurado no Maranhão, e é um dos mais completos da região com 49 leitos de enfermagem e 10 de UTI, equipados com respiradores, aparelhos de gasometria e raio X portátil. Além disso, a unidade conta com rede de oxigênio para os leitos de UTI e fornecimento de balões de oxigênio para os leitos de enfermaria.  (Maria Almeida / Foto: Edmara Silva)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Maranhão

Navio é colocado em quarentena após tripulante testar para a Covid-19 no Maranhão

Publicado

em

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou nesta quinta-feira (29) que monitora a tripulação a tripulação do navio ‘MV Pipit Arrow’, após um dos tripulantes testar positivo para a Covid-19. A embarcação está atracada em uma área de fundeio na Baía de São Marcos, no litoral de São Luís.

O navio, que tem bandeira do Panamá, saiu da Bahia e chegou a São Luís em 19 de julho. Após a notificação suspeita do caso, a Anvisa foi notificada e determinou o isolamento do tripulante e a embarcação foi colocada em quarentena.

O nome e a nacionalidade do homem não foi identificada. Até o momento, não foi confirmado se o tripulante foi infectado com algum tipo de variante do novo coronavírus.

Continue lendo

Maranhão

ITINGA DO MARANHÃO: Conselho Tutelar precisa passar por melhorias

Publicado

em

O promotor de justiça Tiago Quintanilha Nogueira, que responde pela Promotoria de Justiça de Itinga do Maranhão, inspecionou, na terça-feira, 27, o Conselho Tutelar da cidade. Acompanharam a vistoria secretária de Assistência Social de Açailândia, Arly Brenda Lima Franco Jardim, conselheiros tutelares, integrantes do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, incluindo a presidente Maria Valdirene Fernandes da Costa.

Na ocasião, foi constatado que o prédio do Conselho necessita de algumas melhorias, assim como o veículo pertencente ao referido órgão.

Foi discutida também a efetivação do Plano Municipal da Primeira Infância no Município, plano intersetorial que visa ao atendimento aos direitos das crianças na primeira infância (até os seis anos de idade) no âmbito do município, cuja elaboração é recomendada pelo Marco Legal da Primeira Infância (Lei 13.257/2016).

Outro tema tratado foi a implantação do Sipia no Conselho Tutelar, sistema nacional de registro e tratamento de informações sobre a garantia e defesa dos direitos fundamentais preconizados no Estatuto da Criança e do Adolescente.

Igualmente foi abordado o treinamento dos integrantes da rede de proteção acerca da escuta especializada, procedimento de entrevista previsto na Lei Federal n. 13.431/17, sobre possível situação de violência contra criança ou adolescente, no intuito de garantir a proteção e o cuidado da vítima.

Continue lendo

Maranhão

AÇAILÂNDIA: Instalada sala de depoimento especial para crianças e adolescentes

Publicado

em

Após procedimento do Ministério Público do Maranhão, por meio do titular da 2ª Promotoria de Justiça Cível de Açailândia, com atribuição na Infância e Juventude, Tiago Quintanilha Nogueira, foi instalado no Fórum da Comarca de Açailândia uma sala de depoimento especial para crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violência.

A sala está apta para uso. Um curso sobre depoimento especial para as servidoras do setor psicossocial (psicóloga e assistente social) está agendado para o próximo mês de setembro, conforme ofício enviado ao promotor de justiça Tiago Quintanilha Nogueira pelo juiz Frederico Feitosa de Oliveira, diretor do Fórum de Açailândia.

De acordo com o promotor de justiça, a Lei Federal nº 13.431/2017 alterou a dinâmica da forma de colheita da prova testemunhal junto a crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violência, por reconhecer que estes não podem sofrer a denominada “vitimização secundária” ou “revitimização”, decorrente de entraves ou falta de profissionalismo no atendimento prestado por órgãos de proteção. “O depoimento especial procura imprimir maior qualidade e celeridade na tramitação dos feitos, quer perante a autoridade policial, quer perante a autoridade judiciária”, completou Tiago Quintanilha.

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze