Connect with us

Maranhão

IMPERATRIZ: II Concurso Gastronômico de Comida de Rua acontece entre dias 4 e 13 de setembro

Publicado

em

Os organizadores estimam que cerca de 135 mil pessoas passarão pelo local durante os 10 dias de evento. (Foto: Rafael Pestana)

Na manhã desta terça-feira, 01, a Prefeitura de Imperatriz, por intermédio da Fundação Cultural, em parceria com a Academia Imperatrizense de Letras, AIL, realizou reunião com os cozinheiros que participarão do II Concurso Gastronômico de Comida de Rua. Na ocasião foram esclarecidas dúvidas sobre o evento, que contará com 12 participantes e será realizado durante a 17° edição do Salão do Livro de Imperatriz, Salimp, entre os 04 e 13 desse mês, das 11h às 23h.

Na ocasião, os participantes puderam analisar o local cedido para alocarem suas tendas, carrinhos ou foodtruckers. Também foi uma oportunidade para os cozinheiros socializarem, contando suas experiências e retirando as últimas dúvidas antes do evento. Entre elas, informações sobre a caracterização dos espaços, que além de identificação visual, devem conter banners com nome do chefe, do prato concorrente e um breve histórico do alimento vendido.

O presidente da Fundação Cultural de Imperatriz, José Carneiro Buzuca, destaca que “a expectativa é que o evento supere os 2 mil votantes da edição anterior. A gestão Assis Ramos tem se empenhado em dar continuidade a esse projeto pela proporção e impacto que ele gera na ampliação do incentivo à culinária local. Realizando ações como essas, incentivamos também os grandes nomes da gastronomia imperatrizense”. De acordo com a organização, cerca de 135 mil pessoas devem passar pelo Salimp e pela praça de alimentações do concurso durante os 10 dias de evento.

O evento tem premiação total de dois mil reais para o prato mais votado, visando estimular a divulgação dos chefes de cozinha e potencializar o consumo de comidas tradicionais locais, trará pratos típicos da cidade, como a panelada, o bode no leite de coco, a galinhada e o cachorro-quente. Assim como novos alimentos, que estão se tornando populares em Imperatriz, hambúrgueres artesanais e a pipoca gourmet.

A dinâmica do concurso funcionará de maneira que todos os chefes culinários devem inscrever obrigatoriamente um prato principal, que concorrerá ao prêmio, e deve ser servido em todos os dias do evento, e uma segunda opção de alimento, que pode ser alternada durante todo o concurso gastronômico. Essa metodologia permite que cada cozinheiro tenha a possibilidade de garantir a exclusividade em relação ao seu prato, igualando assim a disputa entre todos.

Outra novidade é a mudança no sistema de avaliação. No último concurso, a votação popular era feita de acordo com a quantidade de alimentos vendidos, logo, alimentos que possuíam maior saída, levaram vantagem. Para garantir que todos os concorrentes sejam julgados de forma justa, esse ano a nota atribuída à cada prato será feita de acordo com a média das notas dadas pelo público consumidor. Desse modo, independentemente da quantidade de alimentos vendidos, as notas serão correspondentes à aprovação do prato e não à sua popularidade.

Também nessa edição, os organizadores fecharam parceria com a empresa Júpiter Telecomunicações para realizar a computação dos votos. “Cada vendedor ficará responsável por entregar aos consumidores fichas com seu nome e o nome do prato, e de posse dessa ficha, o público deve se dirigir ao totem de internet da Júpiter para que a pessoa encarregada efetue o registro do voto”, esclarece o coordenador de difusão cultural da FCI, Axel Britto. 

Além do voto popular, o concurso gastronômico contará com cinco críticos convidados pela organização do evento para realizar a degustação e avaliação dos pratos concorrentes. A nota dada pelos convidados levará em consideração quatro fatores: sabor, aroma, criatividade e apresentação do prato. (Rafael Pestana)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Maranhão

Deputado do Maranhão Júnior Lourenço e mais 24 pessoas são denunciadas por fraudes em licitações

Publicado

em

O Ministério Público do Maranhão ofereceu, na última sexta-feira, 18, denúncia contra o deputado federal José Lourenço Bomfim Júnior, conhecido como Júnior Lourenço, um dos alvos da Operação Laços de Família, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) no dia 15 de abril. Na ocasião, foram cumpridos 32 mandados de busca e apreensão em São Luís, Paço do Lumiar, São José de Ribamar, Miranda do Norte e Bom Jardim.

Com base nos elementos e provas coletados, o Ministério Público do Maranhão requer que seja autuada a denúncia e proferida sentença condenatória pelos crimes de fraude em procedimento licitatório, peculato e organização criminosa, com perda de cargo ou mandado eletivo dos denunciados, além de pagamento do valor de R$ 22.061.477,53 como forma de reparação dos danos ao erário.

Além de Júnior Lourenço, também foram denunciados Carlos Eduardo Fonseca Belfort, conhecido como Negão, ex-prefeito de Miranda do Norte; os empresários Tiago Val Quintan Pinto Frazão, Bruno Val Quintan de Menezes, Paulo Ricardo Nogueira Ayres Val Quintan e mais 20 pessoas, inclusive pessoas que ocupavam cargos na prefeitura até o período atual e que foram afastadas do exercício de suas funções por deferimento de medida cautelar. 

Segundo as investigações, iniciadas a partir de denúncia do Tribunal de Contas da União (TCU), foram identificados desvios de recursos na Prefeitura de Miranda do Norte, no período de 2017 a 2020, durante a gestão do ex-prefeito Carlos Eduardo Fonseca Belfort. O mesmo esquema teria sido usado pelo também ex-prefeito e atual deputado federal Júnior Lourenço, que esteve à frente da gestão do município no período de 2009 a 2016, apontando para a existência de uma organização criminosa.

A denúncia foi assinada pelos promotores de justiça Luís Samarone Batalha Carvalho, titular da 1ª Promotoria de Justiça de Itapecuru-Mirim; Ana Carolina Cordeiro de Mendonça Leite e Fernando Antonio Berniz Aragão, integrantes do Gaeco; e Marco Aurélio Ramos Fonseca, que responde atualmente pelas 1ª e 2ª Promotorias Criminais do Termo Judiciário de São Luís.

De acordo com o documento, encaminhado ao titular da 1ª Vara Criminal do Termo Judiciário de São Luís, as investigações apontam a existência de três núcleos de agentes classificados com base na atuação de cada um: político, composto pelos ex-gestores Carlos Eduardo Fonseca Belfort e Júnior Lourenço; empresarial, comandado por Tiago Val Quintan Pinto Frazão, que está presente no município de Miranda do Norte desde a gestão de Júnior Lourenço; e administrativo, formado pelos secretários municipais Antônio da Conceição Sanches, Alysson Rogério Mesquita de Oliveira – atualmente vice-prefeito do município – e Adson Mendonça Mendes, além de outros servidores da prefeitura de Miranda do Norte, inclusive membros da Comissão Permanente de Licitação (CPL).

Ainda segundo a denúncia, desde 2009, primeiro ano do mandato do ex-prefeito Júnior Lourenço, foi constituída, de modo permanente e ordenado, uma organização criminosa com ramificações dentro do município de Miranda do Norte com o objetivo de obter, direta e indiretamente, vantagens indevidas por meio das práticas de crimes licitatórios e crimes contra a Administração Pública.

Continue lendo

Maranhão

PORTO FRANCO: Catadores recebem auxílio

Publicado

em

Esta semana a Associação dos Catadores de Resíduos de Porto Franco (ACAPORTO), recebeu da Secretaria do Trabalho do Maranhão, equipamentos de proteção individual (EPI) e o cartão do auxílio emergencial aos trabalhadores associados.

Na ocasião, houve também a associação de novos catadores.

Continue lendo

Maranhão

EMBRAPA do Maranhão apresenta tecnologias de processamento de coco babaçu na Agrotins 2021

Publicado

em

Entre os dias 15 e 18 de junho, acontece mais uma edição da Agrotins, a Feira Agrotecnológica do Tocantins, cujo tema deste ano é “Agro 4.0 – Tecnologia no campo”. É a 21ª edição, que, assim como no ano passado, será totalmente virtual. A Embrapa Cocais é uma das Unidades da Empresa que participa do evento mostrando novidades e resultados de pesquisa. O pesquisador da Embrapa Cocais José Mário Ferro Frazão irá apresentar palestra de tema “Tecnologias de processamento de coco babaçu em escala familiar”, com destaque para ferramenta de quebra do coco, em processo de validação pelas quebradeiras do Maranhão e já com resultados promissores. 

No estado, atualmente cerca 75 mil famílias estão envolvidas no extrativismo do coco babaçu, sendo a remuneração das mulheres muito aquém de suas necessidades básicas de sobrevivência e o trabalho bastante penoso e insalubre. Para mudar essa realidade, a Unidade da Embrapa no Maranhão tem desenvolvido processos e produtos tecnológicos com parceiros institucionais e participação das quebradeiras de coco, que contribuem com o conhecimento tradicional. 

Segundo adiantou José Mário Ferro Frazão, em sua fala será analisada a evolução do extrativismo no Maranhão e seus principais gargalos, bem como as estratégias da Embrapa Cocais para melhoras as condições de trabalho e de renda das quebradeiras de coco, por meio de tecnologia para agregar valor aos subprodutos do coco. A ferramenta de quebra do coco babaçu é fruto desse esforço. É uma tecnologia social, ou seja, desenvolvida em interação com a comunidade, representando efetiva solução inovadora para resolver problemas sociais. O protótipo é resultado dessa criação conjunta entre inventores e quebradeiras. “Juntos, fizemos adaptações de acordo com as necessidades e contribuições das quebradeiras de coco. O resultado foi uma ferramenta de uso individual, ergométrica que propicia que a extração da amêndoa seja feita com a pessoa sentada em uma cadeira, sem uso do machado e com uma força menor que a empregada anteriormente para quebrar o coco”, explicou Frazão. 

Entre os parceiros envolvidos em projetos voltados para a cadeia do babaçu no Maranhão, destacam-se: Projeto Bem Diverso, Fundo Amazônia, Fundo Global do Ambiente – GEF, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD, Federação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão – Fapema, Universidade Federal do Maranhão – UFMA, Universidade Estadual do Maranhão – UEMA, Instituto Federal do Maranhão – IFMA, Associação Maranhense de Artesãos Culinários – AMAC, Secretaria de Agricultura Familiar – SAF e Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação – Secti do Governo do Maranhão e Banco da Amazônia. Na Embrapa são parceiras a Embrapa Agroenergia, Embrapa Agroindústria de Alimentos, Embrapa Agroindústria Tropical, Embrapa Amazônia Oriental, Embrapa Meio Norte e Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. 

Embrapa na Agrotins 

Neste ano, são ao todo 23 centros de pesquisa da Embrapa que compartilham  na Agrotins os resultados de seus trabalhos em diferentes formatos: soluções tecnológicas; publicações; programas de vídeo e de áudio. No site https://www.embrapa.br/agrotins-2021, O site oficial da feira, por onde poderá ser acompanhada toda a programação ao vivo dos quatro dias do evento, é https://agrotins.to.gov.br/. (Flávia Bessa)

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze