Connect with us

Maranhão

IMPERATRIZ: Mais de 180 toneladas de detritos já foram removidos das “bocas de lobos”

Publicado

em

Desde a implementação do serviço das equipes de hidrojato, que consiste na aplicação de jato de água de alta pressão sobre superfície para limpá-la ou desobstruí-la, já foram recolhidos mais de 180 toneladas de entulhos de galerias e bueiros, mais conhecidos como “bocas de lobos”, das ruas e avenidas de Imperatriz. O resultado é a diminuição dos pontos de alagamentos, facilitando o escoamento de águas pluviais.

De acordo com o engenheiro civil, Carlos Elpídio, da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos, Sinfra, trabalho realizado pela Prefeitura registra ainda mais de 600 metros de tubulação pluvial desobstruídas pelas equipes que realizam serviços mecanizados do hidrojato.

“É um grande avanço e conquista para cidade a utilização desse serviço de hidrojateamento para desobstrução das bocas de lobos e tubulações pluviais dos bairros de Imperatriz”, pontua ele.

O secretário de Infraestrutura, Zigomar Filho, assinala que o equipamento utiliza alta velocidade da água que acaba gerando uma pressão e destrói os objetos que estão impedindo o fluxo dentro de uma tubulação e redes de incrustações de difícil remoção. “Os aspiradores de alto vácuo completam o serviço com a função de sugar e/ou recolher a sujidade em grandes quantidades nestas bocas de lobo”, explica.

O encarregado de obras, José Francisco, o Zé Mototáxi, ressalta que nessa terça-feira, 30, equipes atuam na desobstrução de bocas de lobos no cruzamento das ruas Monte Castelo com Sergipe, setor da antiga rodoviária de Imperatriz. “Nós estamos fazendo a remoção de entulhos e a limpeza com jateamento de alta pressão para melhorar o escoamento de água pluviais neste setor”, frisa.

Ele destaca ainda a execução dos serviços de limpeza e desobstrução de boca de lobo na Rua Leôncio Pires Dourado, cruzamento com a Rua João Pessoa, no Bacuri. “Essa é uma ação permanente do município que visa realizar a limpeza de todo sistema de drenagem profunda e superficial”, concluiu. (Gil Carvalho)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Maranhão

IMPERATRIZ: Ladrão atrapalhado tenta roubar celular e levar porretada

Publicado

em

Um ladrão usando uma motocicleta e demonstrando ter algo, tipo uma arma de fogo, na cintura, tentou roubar uma mulher, em um bairro da cidade de Imperatriz, no sul do Maranhão, nesta quarta, 21, mas acabou tento seu intento frustrado pela ação da mulher e depois de um homem, que jogou um porrete no marginal, assista a cena captada por câmeras de segurança.

Continue lendo

Maranhão

IMPERATRIZ: Temporal causa alagamentos

Publicado

em

A chuva que caiu na cidade de Imperatriz, no sul do Maranhão, causou alagamentos e transbordou a moradores na tarde desta quinta, 22, deixando a maior cidade da região em estado de atenção, sendo monitorada pela Defesa Civil e outros órgãos de Segurança.

A água invadiu diversos estabelecimentos comerciais, veículos e bloqueou totalmente o trânsito, principalmente do centro da cidade. Os bairros da periferia também tiveram restrições.

Continue lendo

Maranhão

AÇAILÂNDIA: Ex-prefeito Juscelino têm bens bloqueados por direcionamento e superfaturamento em obra

Publicado

em

Atendendo a pedido formulado pelo Ministério Público, em Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público do Maranhão, em 30 de julho de 2019, a Justiça determinou a indisponibilidade dos bens do prefeito Juscelino Oliveira e Silva e de outras quatro pessoas. A indisponibilidade de bens deve se dar até o montante suficiente para garantir o ressarcimento dos danos ao erário e o pagamento de multa, com valor mínimo de R$ 302.098, 31.

Também tiveram os bens bloqueados o secretário de Infraestrutura e Urbanismo de Açailândia, Divaldo Farias da Costa; o engenheiro Rogério Rosa Lopes, da equipe da Secretaria de Infraestrutura; o então secretário de Infraestrutura de Imperatriz, Francisco de Assis Amaro Pinheiro; a Terramata Ltda e o sócio-administrador da empresa, Ricardo Barroso del Castilho.

ENTENDA O CASO

De acordo com a promotora de justiça Glauce Mara Lima Malheiros, titular da 2ª Promotoria de Justiça Especializada de Açailândia, a contratação da empresa ocorreu por meio da adesão à Ata de Registro de Preços da Concorrência Pública 006/2017, presidida pela Comissão Permanente de Licitação (CPL) de Imperatriz.

Entre as irregularidades constatadas no inquérito, estão: direcionamento do procedimento licitatório em favor da Terramata, superfaturamento das obras, favorecimento a empresas ligadas ao prefeito para execução de alguns serviços. “São diversos fatos que, analisados em conjunto, evidenciam o cometimento de atos ímprobos por agentes públicos municipais e particulares envolvidos na execução das obras”, relatou, na Ação, a promotora de justiça.

O Ministério Público constatou que as irregularidades aconteceram desde o pedido de adesão pelo Município de Açailândia à Secretaria de Infraestrutura de Imperatriz. Conforme o edital do certame, órgãos ou entidades que desejassem fazer uso da ata de registro de preços deveriam encaminhar solicitação para a Superintendência da CPL de Imperatriz, que teria a competência para permitir ou não o ingresso do solicitante.

“A Administração Municipal de Açailândia, atropelando as regras do processo de adesão e objetivando direcionar o procedimento licitatório, resolveu buscar a autorização diretamente junto ao secretário municipal de Infraestrutura, Transportes e Serviços Públicos de Imperatriz”, observou a promotora Glauce Malheiros.

Outras irregularidades na execução dos serviços foram identificadas por meio de vistorias do Núcleo de Assessoria Técnica do Ministério Público, Instituto de Criminalística de Imperatriz e Delegacia de Polícia Civil de Açailândia.

As investigações verificaram que os bloquetes utilizados na pavimentação das ruas pela Terramata teriam sido fornecidas por empresas vinculadas ao próprio prefeito de Açailândia. “Um dos imóveis destinados ao armazenamento dos bloquetes está vinculado à empresa Steel Estruturas e Metais, a qual consta como sócio- administrador o prefeito Juscelino Oliveira e Silva e seu filho Giuliano Gregory Santos Oliveira e Silva”, relata o texto da Ação Civil.

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze