Connect with us

Bico do Papagaio

Inquérito sobre Peste Suína Clássica em municípios do Bico terminou nesta terça, 29

Publicado

em

Enceram nesta terça-feira, 29, as colheitas do inquérito soroepidemiológico da Peste Suína Clássica (PSC). Os testes ocorreram em 11 municípios limítrofes aos estados que fazem parte da zona não livre da PSC. Também está sendo finalizado o monitoramento da doença em animais de granjas comerciais. O inquérito teve início no último dia 9.

A responsável técnica pelo Programa Estadual de Sanidade Suídea, Regina Gonçalves Barbosa, disse que os trabalhos de colheitas nos animais foram concluídos dentro do prazo previsto. “Durante estes 20 dias as equipes de campo estiveram nas propriedades realizando colheitas para a PSC e também monitorando as granjas comerciais. E embora tivéssemos um número alto de amostras foi possível realizar o trabalho dentro do calendário previsto pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa)” destacou.

O próximo passo do inquérito é o envio das amostras para um laboratório oficial do Mapa que fará a análise e posteriormente o envio dos resultados aos estados que participam do inquérito, sendo eles: Tocantins, Acre, Bahia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia e Sergipe.

Participaram do inquérito os municípios de: Aguiarnópolis, Araguatins, Augustinópolis, Buriti, Esperantina, Itaguatins, Praia Norte, São Miguel, São Sebastião, Tocantinópolis e Xambioá.

PSC na pauta do Fórum

Com o objetivo de controlar a PSC em estados onde houve o surgimento da doença e proteger os estados limítrofes, o Fórum Nacional de Executores de Sanidade Agropecuária (Fonesa) reúne extraordinariamente nesta quinta-feira, 31, na sede da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (ADAB), em Salvador (BA) para debater medidas de controle da doença.

O presidente da Agência de Defesa Agropecuaria do Tocantins (Adapec), Alberto Mendes da Rocha que representará o Estado na reunião, ressaltou que o encontro demonstra o compromisso dos órgãos de defesa, no controle da doença no país e com o segmento comercial de suínos que movimenta boa parte da economia dos estados. “Na reunião vamos também apresentar as ações de monitoramento da PSC que estamos realizando nas fronteiras do nosso estado,” pontuou Alberto.

Na pauta da reunião estão temas como: Epidemiologia da PSC; situação da doença no país; plano de erradicação da PSC; metodologia e resultados das forças tarefa que atuaram no controle da doença nos estados do Ceará, Piuaí e Alagoas; ações dos estados da zona livre limítrofes a zona não livre da PSC, caso do Tocantins e a elaboração de ata propositiva do Fonesa estabelecendo compromissos para o auxílio aos estados afetados ou sob risco.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Bico do Papagaio

Prorrogado estado de calamidade pública por Covid-19 e cheias do Rio Tocantins em municípios do Bico

Publicado

em

O recesso parlamentar regimentalmente previsto para o mês de janeiro foi interrompido com a realização de sessões extraordinárias não remuneradas realizadas ao longo desta terça-feira, 25. 

O motivo é a urgência para aprovar a prorrogação, por 180 dias, de decretos que reconhecem a ocorrência do estado de calamidade pública no Estado do Tocantins e em mais nove municípios, todos em razão da pandemia de Covid-19.

Os municípios contemplados com a prorrogação são Augustinópolis, Cachoeirinha, Carrasco Bonito, Nazaré, Sampaio e Santa Terezinha. Com o reconhecimento, as prefeituras estão dispensadas de fazer licitação para contratar serviços emergenciais de assistência pública.

Outra ocorrência de calamidade pública reconhecia pela Assembleia, mas por motivo diverso, é direcionado ao município de São Miguel, em razão do transbordamento do Rio Tocantins. 

De acordo com o decreto do prefeito Alberto Moreira, as cheias prejudicaram famílias ribeirinhas e no distrito de Bela Vista. Os efeitos deste decreto são válidos por 90 dias.

Continue lendo

Bico do Papagaio

AUGUSTINÓPOLIS: Começa vacinação de crianças de 5 à 11 anos contra Covid-19

Publicado

em

Nesta terça-feira, 25, a Secretaria Municipal de Saúde de Augustinópolis iniciou a vacinação de crianças de 05 à 11 anos de idade com comorbidade em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS). O município recebeu 260 vacinas para a primeira dose da vacina contra a Covid-19.

A campanha de vacinação segue o Plano Nacional de Imunização (PNI) e acontecerá das 08h às 20h e segue até dia 28 de janeiro.

As crianças devem estar acompanhadas de pais e/ou responsáveis, apresentar laudo comprovando a comorbidade, documento de identificação, carteira de vacinação e comprovante de endereço.

Continue lendo

Bico do Papagaio

ARAGUATINS: Populares consideram reajuste do SEMUSA abusivo e acionam MP e PROCON

Publicado

em

Em Araguatins, no Bico do Papagaio, moradores estão questionando o aumento das tarifas de água e serviços determinadas pelo prefeito, Aquiles da Areia (PP), junto ao Serviço Municipal de Saneamento (SEMUSA).

O reajuste atingiu todas as tarifas e serviços, variando em até 171%.

As cobranças com os novos valores, já estão sendo feitas pelo SEMUSA, e os consumidores acabaram sentindo no bolso, pois os valores mais que dobraram. Existe também a alegação que os clientes foram pegos de surpresa, sem que o SEMUSA e o prefeito dessem prazo ou parcelassem o reajuste, considerado abusivo.

Um grupo de moradores vem organizando um abaixo-assinado para entregar ao Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (PROCON), solicitando medidas e também já procuraram o Ministério Público.

“Não podemos permitir este reajuste arbitrário que impacta de forma abusiva no bolso do contribuinte, lembrando que o que consideramos abusivo, não é o preço das taxas tarifárias em si, mas a forma elevada de até 171%, que deveriam no mínimo serem parceladas e, não reajustadas de uma só vez ao bolso do contribuinte. Atitude esta, que além de ser um abuso ao senso do contribuinte, é também uma ação arbitrária e abusiva que deve ser considerada pelo Código de Proteção e Defesa do Consumidor”, explica o líder comunitário Marcelo Coelho, um dos que está à frente as ações.

Já Juliana Helmer, ressalta que o decreto assinado pelo prefeito Aquiles, não possui embasamento moderado e muito menos social e político, visto que há anos a comunidade vem sofrendo com os problemas da água, mesmo tendo contribuído mensalmente com as tarifas que eram para terem sido investidas em melhorias e benefícios.

Marcelo e Juliana ainda ressaltaram que o prefeito Aquiles, sequer apresentou um projeto ou cronograma, se comprometendo a promover melhorias no sistema e na qualidade da água levada a população. Apenas determinou o reajuste abusivo sem nenhum comprometimento com melhorias.

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze