Connect with us

Pará

Justiça solta 9 policiais envolvidos na chacina de Pau D’Arco-PA

Publicado

em

Tribunal de Justiça do Pará concedeu nesta segunda-feira (18) a liberdade a nove dos 17 policiais civis e militares acusados de envolvimento na morte de 10 trabalhadores rurais na fazenda Santa Lúcia, no município de Pau D’Arco, sudeste do Pará, em maio deste ano.

A Justiça aceitou pedidos de habeas corpus feitos pela defesa dos acusados. A decisão foi por 4 votos a 3 – a maioria dos magistrados entendeu que não estão mais presentes os requisitos que sustentavam as prisões preventivas.

Os magistrados que votaram pela liberdade alegaram que a fase inquérito policial já foi superada e que os indiciados já haviam sido soltos anteriormente – eles foram presos novamente a pedido do Ministério Público quando a denúncia foi recebida, em setembro, mesmo sem o acréscimo de nenhum fato novo ao processo.

A Vara Criminal de Redenção, onde tramita o processo, vai determinar agora quais serão as medidas cautelares que os libertados deverão obedecer para não retornarem à prisão.

Os policiais foram denunciados pelo Ministério Público em setembro por prática de homicídio consumado, homicídio tentado, tortura, associação criminosa e fraude processual.

Segundo a denúncia, no dia 24 de maio um grupo de policiais civis e militares seguiu até a fazenda Santa Lúcia para dar cumprimento a 14 mandados de prisão contra trabalhadores suspeitos de envolvimento na morte de um segurança da fazenda em abril. Dez agricultores acabaram mortos na ação.

A principal linha de investigação é de que não houve confronto – e sim execução. Os policiais teriam atirado contra os trabalhadores rurais em uma ação planejada.

Treze policiais cumpriram prisão temporária por 30 dias após a chacina. Eles foram soltos em agosto porque a Justiça entendeu que não havia necessidade de manutenção da prisão. Em setembro, 17 policiais civis e militares foram denunciados pelo MP – 15 tiveram a prisão preventiva decretada.

A chacina

De acordo com a investigação da Polícia Federal, os policiais foram à fazenda divididos em grupos: um seguiu a pé e o outro em carros. Ao perceber a presença da polícia, os posseiros fugiram para um ponto no interior da fazenda.

Os policiais encontraram os posseiros abrigados em baixo de uma lona – chovia no local – e dispararam. Quatro pessoas foram atingidas. Os demais trabalhadores rurais foram rendidos e em seguida houve outra sequência de disparos. Dez agricultores morreram – nenhum policial foi atingido.

Seis das armas dos 29 policiais civis e militares que participaram da ação efetuaram disparos. De acordo com a perícia, não há indícios de que os trabalhadores rurais tenham atirado. Embora cápsulas de armas dos agricultores tenham sido encontradas no local, há depoimentos de testemunhas que indicam que elas foram usadas pelos policiais contra as vítimas.

A perícia feita nos corpos concluiu que nove posseiros foram baleados no peito e uma mulher foi atingida na cabeça com um tiro à queima-roupa. Ainda segundo os peritos, não havia marcas de bala nos coletes dos policiais.

“Tudo indica que houve uma execução sumária”, disse em agosto Jeannot Jansen, secretário da Segurança Pública e da Defesa Social do Pará.

Versões

De acordo com a polícia, os assentados tinham um arsenal de armas de fogo e reagiram à presença dos policiais. Houve troca de tiros, que resultou nas mortes. Familiares das vítimas e sobreviventes alegam que a ocupação da fazenda era pacífica e que os policiais chegaram de forma truculenta e atiraram sem provocação.

Segundo a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa), policiais envolvidos na operação retiraram os corpos dos posseiros do local antes que a perícia fosse realizada.

Dias após a chacina, a Segup, que inicialmente divulgou que o caso fora um confronto com troca de tiros, retificou a informação. No dia 12 de julho, o secretário Jeannot Jansen confirmou que as mortes dos dez trabalhadores rurais tinham características de execução. (G1)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

MARABÁ: Águia pega o Tapajós neste domingo

Publicado

em

Neste domingo, 7, o Águia de Marabá, vai até Belém, enfrentar o Tapajós, da cidade de Santarém, pela segunda rodada do Campeonato paraense 2021. A partida será realizada no estádio Luiz Omar Pinheiro, o Mamazão, no distrito de Outeiro, região metropolitana de Belém, às 10h, por conta da pandemia do novo coronavírus, o Boto não vai mandar nenhuma partida em Santarém, no estádio Colosso do Tapajós.

Segundo a comissão técnica, o Boto deve mandar outras partidas do Parazão no mesmo local.

O Águia estreou na competição, vencendo a Tuna luso, no Zinho de Oliveira, em Marabá, por 3 a 2. Já o Tapajós, perdeu para o Independente em Tucuruí por 1 a 0.

Continue lendo

Pará

TUCURUÍ: Independente fica no empate com Tuna Luso em Belém

Publicado

em

Tuna Luso e Independente Tucuruí empataram em 2 a 2 na manhã deste sábado, 6. O confronto aconteceu no Estádio do Souza, em Belém, pela segunda rodada do Campeonato Paraense 2021. No primeiro tempo, a Lusa saiu na frente com Pedrinho, aos 34, mas sofreu o empate do Galo Elétrico um minuto depois, através do artilheiro Danrlei. Na volta do intervalo, Railson, aos 14, se aproveitando de uma falha do goleiro Evandro Gigante, virou o resultado a favor do time tucuruiense. Aos 20, entretanto, Neto, em um bonito gol de fora da área, deixou tudo igual. No geral, a Cruz de Malta foi melhor, mas errou demais diante de um Galo eficiente.

A Tuna – que ainda não venceu – somou o primeiro ponto no Grupo B, está na segunda colocação, mas corre o risco de ficar na lanterna ao final da rodada. No Grupo C, o Independente, com quatro pontos, só pode perder a liderança para o Águia de Marabá, que tem três e enfrenta o Tapajós, em Belém, neste domingo – clique e confira a tabela de classificação e os jogos do Parazão.

Na quarta-feira, dia 10, a Tuna mede forças com o Castanhal no Modelão, a partir das 10h. O Independente Tucuruí só volta a campo no dia 14, um domingo, contra o Gavião Kyikatejê, no Zinho Oliveira, às 16h.

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Idosos com 80 anos começam a ser vacinados

Publicado

em

Com a chegada de mais 890 doses da vacina Covishield, referente à 4ª remessa da 1ª fase de imunização, Parauapebas dá seguimento ao plano de vacinação. 15% deste quantitativo atenderá os profissionais de saúde, entre eles, os que trabalham no presídio.

As demais doses serão destinadas aos idosos. Além das pessoas com mais de 90 anos, o município começou a imunizar esta semana idosos a partir de 80 anos. A secretaria municipal de Saúde (Semsa) reforça que a vacinação segue normalmente, de acordo com disponibilidade das vacinas.

A vacinação pode ocorrer em domicílio, caso o idoso tenha dificuldade de locomoção. Para isso, um familiar e/ou responsável deverá solicitar o atendimento preferencial na secretaria de saúde, localizada na rua E, nº 481 – bairro Cidade Nova, das 7h às 11h e das 13h às 17h.  

“Pedimos a compreensão da população, principalmente para o público prioritário. Conforme Nota Técnica nº 013, emitida pelo Ministério da Saúde, devemos antecipar a imunização dos idosos, paralelamente a vacinação dos profissionais de saúde”, explicou Michele Ferreira, Diretora da Vigilância em Saúde.

“No atual cenário, a quantidade de doses disponibilizada para os estados e municípios ainda não é suficiente para alcançar todo o esquema vacinal da primeira fase. Assim, à medida em que as doses forem chegando, os calendário será devidamente seguido para cada grupo populacional”, conclui Gilberto Laranjeiras, secretário de saúde. (Nívea Lima / Foto: Elienai Araújo)

Continue lendo
publicidade Bronze