Connect with us

Pará

Mãe que morreu ao levar chute do filho é enterrada

Publicado

em

073135capa_policia_23_09Emoção e revolta no enterro da lavadeira Maria Edir Moraes, 55 anos, que morreu minutos após ter levado um chute no peito dado pelo próprio filho, Fábio Luiz Moraes Botelho, 33 anos, lutador de jui-jitsu. O fato aconteceu na casa da vítima na rua dos Profetas, entre as ruas Olaria e Tucunduba, bairro do Guamá, em Belém. O crime ocorreu no último domingo, depois de uma discussão entre mãe e filho, por conta de uma música em volume exagerado, dentro da casa.

O enterro foi realizado ontem quarta-feira, às 11h, no Cemitério Municipal do Tapanã, no bairro de mesmo nome, em Belém.

“Ela era uma boa vizinha, muito prestativa”, disse uma amiga de Maria Edir. Segundo ela, Fábio era um homem aparentemente calmo, não era de criar confusões, mas gostava de beber. Outros, porém, diziam o contrário, isto é, que ele era um homem muito violento e autoritário. “Desde esse crime ele desapareceu do mapa, ninguém sabe onde ele está”, afirmaram. A esposa e a filha de Fábio, que moravam em casa nos fundos, também foram embora, mas parecem não estar com ele.

Alguns cartazes diziam “Queremos justiça”, “Golpe só no ringue, não na mãe” e “Fábio Moraes, o monstro do Riacho-Doce”, refletiam a revolta dos moradores da comunidade quanto ao crime cometido pelo lutador. O enterro foi simples, mas muito emocionante, principalmente para Andrea Moraes, filha de Maria Edir. Durante as homenagens, os familiares jogaram um punhado de terra sobre o caixão, além de flores e presentes. (Diário do Pará)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

MARABÁ: Famílias ficam ilhadas em pontos altos de bairros

Publicado

em

No bairro mais atingido pela cheia dos rios em Marabá, o Santa Rosa, na Marabá Pioneira, dezenas de famílias ficam ilhadas em pontos mais altos do local. O bairro teve todas as ruas atingidas pela enchente, desabrigando, só no local, mais de 800 famílias, a maior parte delas está em abrigos da Prefeitura, construídos pela Defesa Civil Municipal.

As famílias que ainda permanecem precisam se deslocar de barcos até os locais mais altos do núcleo Marabá Pioneira, para seguir ao trabalho ou escola. A Defesa Civil disponibiliza barcos para a população gratuitamente em dois pontos, no bairro de Santa Rosa e no porto da praça do Pescador, nas proximidades do Flutuante na Marechal Deodoro.

Valdeir de Moura Marques, canoeiro, trabalha no transporte das famílias na área alagada. “Esse trabalho aqui é temporário e é uma fonte de renda e trabalhamos mesmo com a casa alagada e assim vamos ajudando as pessoas”, disse.

“A viagem é tranquila, moro perto do postinho da Santa Rosa e a viagem é bem tranquila e todo ano é a mesma coisa”, disse a dona de casa Vilaní Menezes, que mora no bairro de Santa Rosa.

A Defesa Civil lembra que os barcos alugados pela Prefeitura estão identificados. “Orientamos a população que busque os barcos oficiais, que são gratuitos, e estão transportando com segurança as pessoas, porém os barqueiros estão orientados a não fazer turismo com as pessoas, transportar apenas quem realmente precisa”, informou Jairo Milhomem, Coordenador da Defesa Civil.

Na manhã desta sexta-feira (14), o nível do rio amanheceu em 12 metros e 56 centímetros, uma elevação de 8 centímetros nas últimas 12 horas e já atinge 2011 famílias nos bairros da Marabá Pioneira, Liberdade, Independência, Bairro da Paz, Novo Planalto, Amapá, Folha 33, Folhas, 6, 8, 14 e 25 e núcleo de São Félix. Dessas famílias, 527 estão nos abrigos, 879 em casas de parentes e amigos, e o restante são ribeirinhos ou estão ilhadas, que ficam no segundo piso dos imóveis e resistem em sair das residências.

A Prefeitura enfatiza ainda que, além da Secretaria Municipal de Viação e Obras Públicas, a Prefeitura de Marabá contratou uma empresa que trabalha na construção de novos abrigos. A Prefeitura declara que nenhuma família desabrigada ficará sem realocação nos abrigos e ainda orienta que as pessoas não fiquem nas casas alagadas e procure a Defesa Civil para fazer o cadastro. A Defesa Civil está em novo endereço na Rua 7 de Junho, nº 1020, Marabá Pioneira.

A Defesa Civil continua a construção de espaços para atender as famílias, já somam 15 abrigos preparados para receber as famílias onde estão sendo realizados, diariamente, serviços de limpeza e distribuição de água, bem como a retirada de lixo nas áreas próximas aos abrigos e instalação de banheiros químicos. A Secretaria de Assistência Social continua a entrega das cestas básicas de alimentos, doadas pelo Governo do Estado.

Os abrigos são um frente a Obra Kolping, na antiga Borges Informática, no bairro Francisco Coelho, Rua 05 de abril, Praça Paulo Marabá, Folhas 14, 31 e 32, na Avenida Sororó, dois no bairro São Félix, sendo um no Ginásio, Curral, Laje da Yamada, Galpão do Opção Calçados, e na Transmangueira.  Há três abrigos não oficiais, sendo dois no bairro Santa Rosa/Z-30, Associação do Santa Rosa e na Rua das Cacimbas. 

De acordo com a Defesa Civil, o Plano de Contingência está sendo executado para atender todas as famílias atingidas pela enchente. Ainda de acordo com o órgão, o nível do rio Tocantins vem subindo rapidamente. “Tivemos que seguir na construção de abrigos para atender o mais rapidamente as famílias, somente em uma semana, devido à rápida elevação do nível da água, o número de famílias atingidas, saiu de 130 para 1700 famílias atingidas, em razão disso foi disponibilizado mais caminhões e mais abrigos foram construídos em vários pontos em Marabá”, destacou Jairo Milhomem.

Quem desejar ajudar as famílias com doações, os pontos oficiais da Prefeitura para arrecadação são a sede da Secretaria de Assistência Social, Proteção e Assuntos Comunitários – SEASPAC, que fica na Travessa da Fonte, bairro Amapá, Marabá – em frente ao CAP e ao lado do Ministério Público Estadual, e na sede da Defesa Civil Municipal, que está em novo endereço, na Rua 7 de Junho, nº 1020, Marabá Pioneira. A arrecadação é das 8 às 16 horas. Os itens prioritários são alimentos não-perecíveis, itens de higiene pessoal, roupas e artigos de cama, mesa e banho.

Continue lendo

Pará

Helder Barbalho, testa positivo para Covid-19 pela 2ª vez

Publicado

em

O governador no Pará, Helder Barbalho, testou positivo para Covid-19, de acordo com o resultado do exame que ele mesmo publicou nas redes sociais nesta quinta-feira (13). Esta é a segunda vez que o governador é diagnosticado com a doença, a primeira ocorreu em 2020.

Helder Barbalho também anunciou o resultado do exame da esposa, Daniela Barbalho, que testou positivo para o novo coronavírus.

Além deles, na quarta-feira (12), os três filhos também foram positivados para a Covid-19 e a informação também foi dada por meio das redes sociais do governador.

Desta vez, na publicação, Helder Barbalho comunicou que a esposa e ele estão bem e que irão permanecer em isolamento, seguindo as recomendações médicas e trabalhando de casa.

Continue lendo

Pará

Caveira diz que ALEPA “passa pano” para suposta corrupção de Helder

Publicado

em

Indignado. Assim foi o pronunciamento do deputado estadual, Delegado Caveira (PP), na tribuna da Assembleia Legislativa do Pará (ALEPA). Ele criticou a postura dos parlamentares, que segundo ele, não estão cumprindo seu papel de fiscal.

Para Caveira, a ALEPA “passa pano” e faz “cara de paisagem” para as diversas denúncias e escândalos de corrupção no Governo do Estado.

O parlamentar também lamentou a não apreciação dos pedidos de impeachment e CPI apresentados.

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze