Connect with us

Pará

Mais de 3 mil beneficiários do Bolsa Família no PA abriram sua própria empresa

Publicado

em

Cerca de 9% dos paraenses beneficiários do Programa Bolsa Família (PBF), do governo federal,  (3.457 pessoas) já possuem o próprio negócio, revela pesquisa divulgada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e produzida pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae).

O estudo, que levou em consideração dados do Cadastro Único, gerido pelo Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) e o registro de microempreendedores individuais, fornecido pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), revelou que a região Norte tem 7% de microempreendedores em sua população total, 12% de pessoas que recebem o PBF e 10% da parcela incluída no programa governamental dirigindo a própria empresa.

O levantamento alia esses resultados ao sucesso do Programa Microempreendedor Individual, desenvolvido e organizado pelo Sebrae e pelo governo federal, e à criação da Lei Complementar (LC) nº 128/2008, que criou a figura do microempreendedor individual.

Hoje, o pequeno empresário pode formalizar sua participação no mercado, online, gratuitamente, em menos de 10 minutos, com direito à cobertura previdenciária e a um curso mínimo de 5% do salário mínimo. Os impostos, simbólicos, vão de R$ 1 a R$ 5 por mês. Esse empreendedor também pode contratar um funcionário de maneira mais fácil e ter controles contábeis mais simplificados.

Em quantidade de pessoas, o Pará é a 11ª Unidade da Federação com mais microempreendedores com Bolsa Família. O Amazonas, estado nortista que mais se aproxima do Pará em número de empresários que recebem o benefício, tem 2.233 microempreendedores. A Bahia é o Estado brasileiro com mais destaque nesse quesito, 15.717 pessoas.

Isto parece estar ligado, segundo o estudo, ao simples fato de a Bahia ser o maior estado com participação expressiva do PBF – 43% de sua população recebe o benefício –, além de ser o maior estado do Nordeste em número de microempreendedores. Em seguida, vêm São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Pernambuco, com 12.543, 10.330, 7.759 e 6.626, respectivamente.

É possível perceber a importância desse público, de acordo com o estudo, analisando-se a participação dos beneficiários do PBF no total de microempreendedores individuais nas Unidades da Federação.  Os beneficiários do Bolsa Família representam, em todo o País, 7% do total de microempreendedores individuais. E, em todos os estados do Norte e Nordeste, esta porcentagem é maior que 7%.

Em Roraima e Alagoas, por exemplo, 16% dos microempreendedores recebem Bolsa Família. No Maranhão, esta porcentagem é de 15%, enquanto na Paraíba, Ceará, Piauí e Pernambuco é de 14%. Apesar de, aparentemente, haver algumas diferenças entre um e outro estado (Pará e Roraima têm presença parecida de PBF na população, mas diferente participação dos PBF no total de microempreendedores), há forte correlação (com significância próxima de 0%) entre porcentagem de PBF na população e no total de microempreendedores. Ou seja, não parece haver diferenças significativas entre uma Unidade da Federação e outra.

Em relação ao percentual empreendedores dentro do universo total de beneficiários do Bolsa Família, o Pará cai para a 14ª posição no ranking que avalia todos as Unidades da Federação. Os quase 9% dos 38.542 assistidos pelo programa, no Estado,  ainda representam um percentual pequeno, visto que quase todos os Estados da região Norte superam essa proporção. No entanto, o Estado tem um quadro melhor do que o observado na média nacional. Em todo o País, apenas 7,3% dos 1,3 milhão de beneficiários do Bolsa Família são microempreendedores.

O responsável pela pesquisa, Rafael de Farias, analista de gestão estratégia do Sebrae, explica que os baixos percentuais, apresentados em todo o País, podem ser reflexo do período em que foram coletadas as informações. “Foram todas coletadas no ano retrasado, em 2011. Hoje o contexto pode ser totalmente diferente”, comentou.

Os dados dos 1.396.404 microempreendedores que participaram da pesquisa foram registrados até 31 de julho de 2011, associados aos registros das 12.748.580 famílias constantes no Cadastro Único em julho de 2011. Para isto, foram utilizadas como variáveis chave o Cadastro de Pessoas Físicas (CPF), o nome da pessoa inscrita e a data de nascimento.

Para aqueles indivíduos sem CPF no Cadastro Único, foram cruzados nome da pessoa, nome da mãe e nascimento. Com estas bases consolidadas, e como forma de complementar a análise, procedeu-se um recorte dos empreendedores que haviam respondido que recebiam Bolsa Família na pesquisa do Sebrae em comparação aos que responderam e não recebiam a bolsa.

Quanto ao meio onde residem os microempreendedores do Bolsa Família, 92% encontram-se em ambientes urbanos, ante os 8% que vivem no meio rural. Esta porcentagem é compatível tanto com o perfil geral dos beneficiários do PBF, que estão predominantemente em áreas urbanas, quanto com o dos microempreendedores individuais, que têm suas atividades econômicas restritas a 361, de caráter predominantemente urbano. Vale ressaltar, porém, que, apesar de esse público estar concentrado em grandes centros urbanos, ele se  distribui em 4.821 municípios brasileiros (87% do total).

Com relação ao perfil, percebe-se que esse público é, na média, jovem, pouco escolarizado, chefe de família, está no Nordeste, nos grandes centros urbanos, já era um empreendedor informal ou estava desempregado antes de se formalizar, está em atividades de baixo valor agregado, mas pretende expandir seus negócios.

Política Pública

Tido como uma das ferramentas para se combater a pobreza extrema por meio da inclusão produtiva, o empreendedorismo é um dos focos do Plano Brasil Sem Miséria, do governo federal, para a inclusão produtiva, de acordo com o MDS.

Mais especificamente, o plano visa formalizar, por meio da figura do microempreendedor individual, trabalhadores autônomos que recebem benefícios do Programa Bolsa Família e apoiar aqueles beneficiários do programa já formalizados como microempreendedores.

Para além dos microempreendedores atendidos pelo PBF já formalizados, há indícios de que ainda há muitos empreendedores na informalidade entre os beneficiários do PBF. Enquanto 38% dos chefes de família elegíveis para o programa trabalham por conta própria, de acordo com o estudo e os microempreendedores com PBF representam cerca de 0,2% da população de beneficiários. Logo, talvez seja necessária uma campanha de esclarecimento voltada para os mais pobres e menos escolarizados e que apresente os benefícios de se formalizar. (Portal ORM)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

TUCURUÍ: Independente fica no empate com Tuna Luso em Belém

Publicado

em

Tuna Luso e Independente Tucuruí empataram em 2 a 2 na manhã deste sábado, 6. O confronto aconteceu no Estádio do Souza, em Belém, pela segunda rodada do Campeonato Paraense 2021. No primeiro tempo, a Lusa saiu na frente com Pedrinho, aos 34, mas sofreu o empate do Galo Elétrico um minuto depois, através do artilheiro Danrlei. Na volta do intervalo, Railson, aos 14, se aproveitando de uma falha do goleiro Evandro Gigante, virou o resultado a favor do time tucuruiense. Aos 20, entretanto, Neto, em um bonito gol de fora da área, deixou tudo igual. No geral, a Cruz de Malta foi melhor, mas errou demais diante de um Galo eficiente.

A Tuna – que ainda não venceu – somou o primeiro ponto no Grupo B, está na segunda colocação, mas corre o risco de ficar na lanterna ao final da rodada. No Grupo C, o Independente, com quatro pontos, só pode perder a liderança para o Águia de Marabá, que tem três e enfrenta o Tapajós, em Belém, neste domingo – clique e confira a tabela de classificação e os jogos do Parazão.

Na quarta-feira, dia 10, a Tuna mede forças com o Castanhal no Modelão, a partir das 10h. O Independente Tucuruí só volta a campo no dia 14, um domingo, contra o Gavião Kyikatejê, no Zinho Oliveira, às 16h.

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Distrito Industrial prepara terreno para atrair mais empresas

Publicado

em

Com o emprego em alta e um grande plano de investimentos públicos a caminho, Parauapebas tende a registrar, neste ano, uma grande procura de empresários pelo Distrito Industrial do município. “O espaço que temos hoje vai ficar pequeno para tudo o que vai acontecer este ano no distrito”, prevê o secretário municipal de Desenvolvimento, Edmar Milhomem.

Neste ano, sete empresas já manifestaram interesse em se instalar no polo, sendo que um oitavo empreendimento está de “malas e cuias” preparadas para aportar na cidade, depois de receber a concessão do título do terreno. É a Semerc, fábrica de móveis de aço para hospitais – a única do sul e sudeste do Pará.

A empresa vai gerar mais de 130 empregos diretos e indiretos, pois também fabrica outros produtos de metal e trabalha com montagem industrial, serviço de usinagem, tornearia e solda. O proprietário Márcio Viana informa que a Semerc ainda faz montagem de central de distribuição de oxigênio hospitalar e a prestação de serviços de engenharia.

Para tornar o Distrito Industrial mais atraente, desde 2019 a prefeitura conta com o apoio técnico da Companhia de Desenvolvimento Econômico do Pará (Codec), responsável pelo plano de trabalho que começou a ser executado nas áreas de infraestrutura e logística para garantir, inclusive, segurança jurídica às empresas.

“O Distrito Industrial já recebeu várias melhorias da prefeitura, como o asfaltamento da área, instalação de internet, energia, cercamento e agora vamos partir para garantir o pleno fornecimento e abastecimento de água naquela área”, informa Edmar Milhomem.

Além disso, acrescenta o secretário de Desenvolvimento, a frente do distrito será revitalizada, com seguranças na portaria e instalação de portões eletrônicos, para maior controle da entrada e saída de veículos. Outra preocupação é com a manutenção constante da área, a fim de manter o local limpo e organizado.  

Outra providência tomada pela Seden foi conversar com uma rede de combustível para instalação de um posto às proximidades do polo. “Nós precisamos pensar em tudo, do menor ao maior detalhe, para convencer as empresas de que vale a pena se instalar em Parauapebas”, diz Milhomem. (Hanny Amoras)

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Idosos com 80 anos começam a ser vacinados

Publicado

em

Com a chegada de mais 890 doses da vacina Covishield, referente à 4ª remessa da 1ª fase de imunização, Parauapebas dá seguimento ao plano de vacinação. 15% deste quantitativo atenderá os profissionais de saúde, entre eles, os que trabalham no presídio.

As demais doses serão destinadas aos idosos. Além das pessoas com mais de 90 anos, o município começou a imunizar esta semana idosos a partir de 80 anos. A secretaria municipal de Saúde (Semsa) reforça que a vacinação segue normalmente, de acordo com disponibilidade das vacinas.

A vacinação pode ocorrer em domicílio, caso o idoso tenha dificuldade de locomoção. Para isso, um familiar e/ou responsável deverá solicitar o atendimento preferencial na secretaria de saúde, localizada na rua E, nº 481 – bairro Cidade Nova, das 7h às 11h e das 13h às 17h.  

“Pedimos a compreensão da população, principalmente para o público prioritário. Conforme Nota Técnica nº 013, emitida pelo Ministério da Saúde, devemos antecipar a imunização dos idosos, paralelamente a vacinação dos profissionais de saúde”, explicou Michele Ferreira, Diretora da Vigilância em Saúde.

“No atual cenário, a quantidade de doses disponibilizada para os estados e municípios ainda não é suficiente para alcançar todo o esquema vacinal da primeira fase. Assim, à medida em que as doses forem chegando, os calendário será devidamente seguido para cada grupo populacional”, conclui Gilberto Laranjeiras, secretário de saúde. (Nívea Lima / Foto: Elienai Araújo)

Continue lendo
publicidade Bronze