Connect with us

Geral

Manaus investe R$ 20 milhões para enfrentar cheia do Rio Negro

Publicado

em

Além dos desafios da pandemia da Covid-19, que já dura mais de um ano em todo o Brasil, municípios da Região Norte enfrentam outro obstáculo: a cheia dos rios e o impacto do fenômeno natural na vida da população e também nas atividades econômicas.

Em Manaus, a prefeitura criou a força-tarefa ‘Cheia 2021’, ainda no mês de janeiro, para enfrentar a elevação do nível das águas do Rio Negro, que no mês de abril começou a alagar as ruas do centro da cidade. No último fim de semana, as águas chegaram a um dos pontos turísticos do Centro Histórico: o Relógio Municipal, instalado em 1927. O prédio da antiga Alfândega também está cercado pelas águas.

Segundo a Defesa Civil, 1.600 áreas de risco foram identificadas na cidade e até 5 mil famílias poderão ser afetadas, até o final do mês de maio, pela cheia. O investimento na operação, que inclui desde o mapeamento de áreas de risco até a construção de pontes, pagamento de auxílios e distribuição de cestas básicas para a população, é de cerca de R﹩ 20 milhões, segundo a Casa Militar.

Segunda maior cheia

De acordo com o Serviço Geológico do Brasil (CPRM), a expectativa era que a cota máxima do Rio Negro ficasse entre 28,55m e 30,35m neste ano. Porém, nesta quarta-feira (19), o nível do rio atingiu 29,77 metros, caracterizando a segunda maior cheia dos últimos 100 anos. Manaus trabalha com a previsão de que a cheia supere 30 metros, conforme a estimativa do CPRM.

Para minimizar possíveis danos, a prefeitura se dedicou a fazer um levantamento fluvial e terrestre completo da cidade já no início de 2021. “Verificamos, tanto na zona urbana quanto na zona rural, um total de 1.600 áreas críticas e entre 4 e 5 mil lares a serem afetados”, declara o secretário chefe da Casa Militar de Manaus, tenente William Dias.

No início de maio, os pontos alagados se multiplicaram e logo a prefeitura deu início à construção de pontes e passarelas em 15 bairros diferentes. Para evitar prejuízos aos comerciantes e à população como um todo, a prefeitura entregou, na última terça-feira (18), uma feira flutuante na área da Manaus Moderna, a primeira desse tipo no país, para onde estão sendo realocados 221 permissionários que comercializam itens como carnes e peixes, e passarão a trabalhar sobre as águas. Além disso, a prefeitura instalou banheiros químicos e uma rede de tratamento de água para garantir que nenhum dejeto seja lançado no rio.

“A iniciativa foi tomada para que a população possa transitar de forma mais tranquila. Assim, os feirantes poderão continuar trabalhando e os consumidores vão poder visitar a feira com segurança. Estamos entregando uma obra bonita, confortável e digna. Nosso secretário de Agricultura, Abastecimento, Centro e Comércio Informal é de uma família de feirantes. Eu também sou de família de feirantes e cresci dentro dos mercados. Então, não poderia perder a oportunidade, como prefeito, de resgatar a dignidade desses trabalhadores da cidade de Manaus”, declarou David Almeida.

Quatro mil metros de pontes

Também na última terça-feira (18), a Prefeitura de Manaus iniciou a construção de 200 metros de pontes metálicas na avenida Floriano Peixoto, uma das mais importantes da cidade, localizada no Centro.

“Como o nível do rio já causou um espelho d’àgua, nós iremos avaliar a necessidade de interditar a parte que mais sofre os impactos, desviando o tráfego de veículos por outras vias de acesso e fazendo passarelas centrais para viabilizar a circulação de pedestres na área comercial”, explicou o secretário chefe da Casa Militar, tenente William Dias.

Na área, está o antigo prédio da Alfândega, há décadas divulgado como um dos cartões postais da cidade. “Nesta primeira etapa da Operação Cheia, iremos construir pontes metálicas para não retirar a característica histórica do local e permitir que as pessoas continuem transitando normalmente. Vale ressaltar que já construímos mais de 4 mil metros de pontes e temos sete frentes de trabalho para atender a população da melhor forma possível”, ressaltou o secretário.

Outras cinco estruturas de pontes, que somam mais de 600 metros construídos, foram erguidas em ruas do Centro e dos bairros de Aparecida e Educandos. “Por determinação do prefeito, vamos minimizar os danos causados pela cheia e assegurar o deslocamento das pessoas nos locais atingidos”, enfatizou Dias.

“A cheia é inerente à nossa região. Todos os anos acontece. Este ano, apesar de dar mostras de que será ainda maior, a população pode ficar despreocupada. Por determinação do prefeito David Almeida, a Defesa Civil está atuando para diminuir os danos causados aos manauaras. Estamos diariamente neste trabalho de apoio às famílias”, destaca.

Assistência às famílias afetadas

Segundo informações da Secretaria da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc), mais de 3 mil famílias já foram cadastradas para receber o Auxílio Aluguel no valor de R﹩ 300, que é pago durante dois meses para famílias atingidas pela cheia.

O prefeito de Manaus, David Almeida, enviou uma mensagem à Câmara Municipal para criar o Auxílio Enchente no valor de R﹩ 200 em caráter excepcional neste ano de 2021. Com a aprovação da proposta, até o fim do mês, as famílias atingidas pela cheia terão aporte total de R﹩ 500 no orçamento doméstico. Segundo a Semasc, além dos Auxílios Aluguel e Enchente, as famílias receberão benefícios eventuais: cestas básicas, colchões, lençóis e redes. Pelo menos 10 mil cestas deverão ser distribuídas.

Vacinação antirrábica

Outra ação do poder público municipal no período de cheia foi a vacinação antirrábica de cães e gatos em bairros com risco de enchentes. O Centro de Controle de Zoonoses Dr. Carlos Durand (CCZ) já atendeu comunidades nos bairros Educandos, São Jorge e Centro, com a imunização de 529 animais – 373 cães e 156 gatos até o momento.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Geral

Mortes por Covid-19 no Brasil somam 487,4 mil e casos chegam a 17,4 milhões

Publicado

em

O total de pessoas que contraíram a covid-19 desde o início da pandemia no Brasil subiu para 17.412.766. Em 24 horas, houve 37.948 novas ocorrências da doença notificadas. O país tem 1.130.817 casos de pessoas com a infecção ativa, em acompanhamento. Os dados são do balanço diário do Ministério da Saúde, divulgado neste domingo (13).

O balanço sistematiza as informações coletadas por secretarias estaduais de Saúde sobre casos e mortes.

O número de óbitos da pandemia do novo coronavírus agora é de 487.401. De ontem para hoje, foram confirmadas 1.129 novas mortes.


Ainda há 3.824 falecimentos em investigação. O termo é empregado pelas autoridades de saúde para designar casos em que um paciente morre, mas a causa segue sendo apurada mesmo após a declaração do óbito.

O número de pessoas que foram infectadas, mas se recuperaram desde o início da pandemia, chegou a 15.794.548, o que representa 90,7% dos casos.

Estados

ranking de estados com mais mortes pela covid-19 é liderado por São Paulo (118.121). Em seguida, vêm Rio de Janeiro (52.998), Minas Gerais (43.124), Rio Grande do Sul (29.672) e Paraná (28.135). Já na parte de baixo da lista, com menos vidas perdidas para a pandemia, estão Roraima (1.679), Acre (1.712), Amapá (1.762), Tocantins (3.019) e Alagoas (5.002).

Vacinação

Na última atualização, o governo federal informou que foram enviados a estados e municípios 109,4 milhões de doses de vacinas contra a covid-19. Deste total, 72,1 milhões de doses foram aplicadas, sendo 50,5 milhões da primeira dose (23,7%) e 21,5 milhões da segunda (10,1%). (Rafael Vilela)

Continue lendo

Geral

Após acordo, Azul anuncia novos voos para o Amazonas

Publicado

em

Um acordo com os governos do Amazonas e federal a empresa aérea Azul Linhas Aéreas anunciou a expansão de suas operações no Amazonas. Se tudo correr conforme previsto, a companhia planeja começar a voar para oito cidades amazonenses e retomar as viagens para mais três destinos no estado ainda no segundo semestre.

As oito cidades que a companhia adicionará à sua malha aérea são Apuí, Barcelos, Borba, Eirunepé, Itacoatiara, Humaitá, Novo Aripuaña e São Gabriel da Cachoeira. O início das operações depende da conclusão de melhorias na atual infraestrutura aeroportuária.

O acordo com os governos estadual e federal também prevê a reativação dos voos para Coari, Lábrea e Maués e o aumento do número de assentos disponíveis na rota que passa por Parintins, um dos quatro municípios amazonenses onde a companhia atualmente opera – os outros três são Manaus, Tabatinga e Tefé.

O governador do Amazonas, Wilson Lima, a expansão das operações da empresa para 11 novos destinos do estado. “Estamos muito otimistas”, disse o governador ao explicar que, em contrapartida, o governo estadual ofereceu incentivos à empresa, como, por exemplo, a possibilidade de renovar a redução da alíquota do ICMS cobrado do combustível de aviação.

“Esse acordo foi possível a partir dos incentivos que o governo do estado dá a essa empresa, para fazer com que essas viagens se tornem viáveis para ela e também para o consumidor”, disse Wilson Lima.

Segundo o governo estadual, o acordo inicial vale para o biênio 2021/2022, mas pode vir a ser ampliado mediante a manutenção de voos e criação de novas rotas. O acordo também prevê que a empresa estabeleça voos diretos de Manaus para Belém, Boa Vista, Porto Velho, Recife, Santarém (PA) e Campinas (SP).

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, também comemorou a iniciativa. “Estamos falando de levar a aviação para o interior. De democratizar o serviço de aviação e conectar as pessoas que lá, naquela região, dependem muito do serviço de transporte aéreo”, disse o ministro após se reunir com representantes da Azul, em Brasília, na manhã desta quinta-feira (10). “Essa é uma iniciativa que casa com a dinâmica da nossa economia, cada vez mais voltada para o Norte do Brasil”, acrescentou Freitas.

De acordo com o ministério, o governo federal tem investido em melhorias nos aeroportos regionais operados pela Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) com vistas a expandir a aviação regional em todo o país. Segundo a pasta, mais de R$ 1,4 bilhão já foram investidos desde 2019 para a compra de equipamentos de navegação aérea ou revitalização de aeroportos das cinco regiões brasileiras.

“Muitos dos aeroportos foram construídos nas décadas de 50, 60 e 70 e, aos poucos, foram sendo deixados de lado, sem uma manutenção e operação corretas. Justamente por isso, estamos fazendo esse trabalho de revitalização e colocando esses aeroportos em condições de infraestrutura para atender a operação comercial, adequando ao porte das aeronaves demandadas”, disse o secretário Nacional de Aviação Civil, Ronei Glanzmann, em nota.

O governo federal espera atrair investimentos privados por meio da concessão de aeroportos. O governo já realizou seis rodadas de leilões, e a sétima está prevista para ocorrer em 2022. Há também um projeto que o próprio ministério trata como desestatização de oito aeroportos amazonenses (Barcelos, Carauari, Coari, Eirunepé, Lábrea, Maués, Parintins e São Gabriel da Cachoeira) e que prevê a concessão dos equipamentos por meio de parcerias público-privada. (Alex Rodrigues)

Continue lendo

Geral

Pessoas com mais de 18 anos serão vacinadas contra Covid até dezembro

Publicado

em

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, falou durante coletiva de imprensa, sobre a antecipação de novos lotes de vacina contra a covid-19.

Todos os brasileiros com mais de 18 anos deverão estar vacinados contra a covid-19 até o fim do ano, segundo o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. Ele participou, neste sábado (12), de evento médico, no Rio de Janeiro, sobre o Dia de Conscientização da Cardiopatia Congênita, e reforçou aos profissionais o que já havia adiantado durante sessão no Senado no último dia 8.

“Este ano, a despeito das condições ainda complexas na assistência à saúde, o Ministério da Saúde já contratou 600 milhões de doses de vacina, de tal maneira que a população acima de 18 anos será vacinada até o fim do ano. Isto eu posso assegurar. Somente em junho, nós vamos distribuir mais de 40 milhões de doses de vacina. Nós estamos antecipando doses”, disse Queiroga, que participou do evento por videoconferência.


O ministro da Saúde lembrou também que o acordo de transferência de tecnologia da AstraZeneca para a Fiocruz já foi firmado, o que permitirá, em breve, vacinas produzidas a partir do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) nacional.

“Nós já temos 200 milhões de doses da Pfizer contratadas e 100 milhões dessas doses estarão disponíveis até setembro. Outros 100 milhões de doses estarão disponíveis até dezembro. E avança o contrato para mais 100 milhões de doses da [vacina da empresa] Moderna. Então, isso é a certeza que nós vamos vacinar a nossa população e por fim ao caráter pandêmico dessa doença”, finalizou Queiroga. (Vladimir Platonow / Foto: Marcello Casal Jr)

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze