A Defesa Civil de Marabá divulgou esta semana, o Plano de Contingência de Enchente dos Rios Tocantins e Itacaiunas para 2020. O plano detalha qual a função de cada órgão, instituição e os nove pontos de abrigo que serão utilizados, em caso de enchente, conforme a necessidade.

“O Corpo de Bombeiros ajudará com caminhão, pessoal e confecções de abrigo. O Exército também, inclusive, com a parte fluvial no uso de lanchas. A Secretaria Municipal de Educação (Semed) comunica as escolas na questão de falta de alunos para ser avaliada e reposta as aulas. É um trabalho conjunto com as Secretarias de Meio Ambiente, Obras, Saúde, Segurança (Semma, Sevop, SMS, SMSI), Policial Militar, e a Secretaria de Assistência (Seaspac) ficará responsável pelas cestas básicas”, explica Jairo Milhomem, Coordenador da Defesa Civil do Município.

Na terça-feira, o nível dos rios é de 7,85 metros. “De 7,5 m até o 8,5 m já entramos nesse estado de atenção. Por isso decidimos juntar os órgãos e explicar como está o planejamento para esse ano”, destaca Jairo, ressaltando que o estado de alerta começa a partir dos 8,75 metros. “Normalmente a partir dos 10 metros é quando adentramos mais fundo com a prestação de socorro, resgate e ajuda humanitária”, disse.

Os nove abrigos previstos para serem utilizados são: Posto Montana, localizado na via marginal da Nova Marabá, Orla Sebastião Miranda, na área da escadaria Z-30 e espaço de quadra de esportes, Abrigo do Vale do Itacaiunas, Quadra de Esporte da Obra Kolping, no Bairro Belo Horizonte, Praça do Bairro São Félix, Bom Planalto, na Rua Guarani, e Independência, na Rua Soroso com Avenida Paraíso.

Cada abrigo deve conter água potável, coleta de lixo regular, quatro banheiros, sendo dois masculinos e dois femininos, o mesmo vale para os chuveiros. Além de espaço para lavanderia, secagem de roupas, fornecimento de energia elétrica e reservatório de água com capacidade de 5 mil litros. Os abrigos serão terão quatro metros de comprimento por quatro de largura.

As pessoas serão alocadas para se manterem os mais próximos do seu local de origem. “Em caso de necessidade, o Posto Montana, por exemplo, será composto na maior parte pelo pessoal da Folha 33, mas também podemos levar pessoal da Folha 35. Cidade Nova é um núcleo que está bem assistido de abrigos”, comenta Jairo.

Entre os critérios do planejamento para a ativação de um abrigo estão a confirmação do alerta, necessidade de realocação de pessoas e a verificação das áreas atingidas e ver no cadastro de abrigos qual é o mais adequado. Em seguida é preciso consultar se o número de pessoas atingidas pode ser alocado em um único abrigo ou se será necessário mais de um, identificar o meio de transporte e as rotas a serem utilizadas para a retirada destas pessoas e, depois, acionar os gestores do abrigo a ser mobilizado, conforme cadastro já existente.

Ao todo os abrigos suportam aproximadamente 770 famílias, em torno de 3080 pessoas. (Osvaldo Henriques/Fotos: Paulo Sérgio dos Santos)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.