Connect with us

Pará

MARABÁ: Hospital Infantil mantém cuidados especiais na pandemia

Publicado

em

“O Hospital Materno Infantil [HMI] tem sigla municipal, mas possui responsabilidade estadual. Isso é gratificante, agradeço a administração da prefeitura e de cada um profissional que está aqui, que trataram minha filha bem e minha esposa também. Só tenho a agradecer e que continue assim, porque estão de parabéns”. Essas são as palavras do administrador Marcos Lacerda de 34 anos, que viu sua primeira filha, Maria, vir ao mundo no último dia 15, em um leito do HMI. Em plena pandemia do novo coronavírus, o hospital executa estratégias humanizadas para receber as mamães com suspeita da doença.

A diretora de enfermagem, Vanice Maria da Costa Silva, explica que os atendimentos e partos no HMI continuam. Mesmo em pandemia, o hospital não parou nem diminuiu o número de partos cesáreas e normais, são em torno de 25 ao dia.

“Mediante a situação foram planejadas novas estratégias para receber as pacientes com suspeitas ou confirmadas da COVID-19 [visto que grávidas e puérperas, agora estão no grupo de risco]. Foi montado um centro cirúrgico exclusivo para realizar os procedimentos nessas pacientes juntamente com o isolamento para a internação, a equipe multidisciplinar foi capacitada para o manejo com essa doença”, detalhou a enfermeira Vanice Maria.

Na classificação de risco que é realizada por um enfermeiro (a) a paciente é identificada e encaminhada ao isolamento para atendimento médico, e por fim seguir o protocolo conforme a necessidade dela. A diretora de enfermagem esclarece que os acompanhantes ainda estão suspensos por medidas de segurança.

“A equipe do HMI está trabalhando de uma forma humanizada para acolher as pacientes da melhor maneira possível, registando os momentos do nascimento e repassando para as mamães, quando as pacientes estão por um certo período de tempo, elas surpreendem os seus acompanhantes ou familiares com uma ligação de vídeo, realizada pela a equipe do centro obstétrico”, mencionou a enfermeira Vanice Maria.

SURPRESA

A equipe do HMI foi surpreendida na última quinta-feira (16), um dia após o nascimento da pequena Maria Oliveira Lacerda, com recebimento de flores. O gesto partiu dos pais Marcos Lacerda e da professora Leuziane Oliveira Lacerda em gratidão ao nascimento e cuidados feitos pela equipe com a mamãe Leuziane e a recém-nascida Maria. (Emilly Coelho/Fotos: Paulo Sérgio)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

PARAUAPEBAS: Marido espanca esposa e abandona em via pública

Publicado

em

Uma mulher foi encontrada na noite deste sábado, 26, espancada nas mediações de uma via que liga os bairros Alvorá e Nova Carajás, na cidade de Parauapebas, na região de Carajás, no estado do Pará. A mulher é mais uma vítima de violência doméstica. O acusado é seu companheiro.

O Corpo de Bombeiros foi acionado para prestar socorro.

A vítima teria sido abandonado no local com um corte na cabeça e aparentemente com o tornozelo fraturado.

Continue lendo

Pará

MARABÁ: Vítimas de acidente de trânsito caem 62% no Hospital Regional

Publicado

em

DCIM\100MEDIA\DJI_0019.JPG

Com a chegada da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o número de pacientes atendidos de janeiro a agosto, vítimas de acidentes de trânsito em comparação com o mesmo período do ano passado, caiu 62,6% no Hospital Regional do Sudeste do Pará (HRSP), em Marabá.

Na unidade, mantida pelo Governo do Pará e com gestão da Pró-Saúde, uma das maiores entidades em serviços hospitalares do País, 514 pessoas foram admitidas na unidade neste ano em decorrência desses traumas.

Desse total, 37 tinham relação com acidentes de carro e 477 por motos. Em 2019, na mesma época, foram registrados 821 vítimas de acidentes, sendo 61 por carros e 760 por motos.

Segundo Valdemir Girato, diretor Hospitalar do HRSP, a unidade é referência há mais de uma década em casos graves de acidentes de trânsito no interior do Estado, e a queda significativa do número de vítimas é um reflexo da pandemia e do isolamento social.

“Todos os acidentes de trânsito podem ser evitados com mais atenção e se as pessoas seguissem com mais cuidado as orientações de trânsito. Por isso, mesmo que a pandemia tenha causado uma queda nos acidentes, ainda sim atendemos diversos casos. É importante contar com a conscientização de todos”, diz.

Conscientização no trânsito

Visando sensibilizar seus usuários e colaboradores quanto a prevenção dos acidentes de trânsito, a comissão de Humanização do HRSP promove uma ação especial chamada de “Direção Viva”.

A atividade ocorre nessa sexta-feira, 25, em alusão ao Dia Nacional do Trânsito. o objetivo é promover mais educação em saúde, principalmente informar sobre as sequelas oriundas de traumas por acidentes de trânsito.

No dia, serão distribuídos folders educativos, com dicas e orientações que contribuem para prevenção. O Hospital Regional do Sudeste do Pará é uma unidade de saúde que presta atendimento 100% gratuito pelo SUS (Sistema Único de Saúde), sendo referência para 22 municípios.

Continue lendo

Pará

Pará contará com abastecimento de Gás Natural e Congresso avança com PL que torna produto mais barato

Publicado

em

A partir de 2022, o Pará vai fazer parte do grupo dos estados que contam com abastecimento de Gás Natural Liquefeito (GNL). O produto é considerado uma alternativa mais barata que a energia elétrica. A informação é do secretário de Desenvolvimento, Mineração e Energia do Estado, Iran Lima. O investimento nas obras está avaliado em quase R$ 4 bilhões, com previsão para gerar 7.500 empregos diretos e indiretos.

Com o objetivo de tornar o gás natural ainda mais barato por meio da abertura de mercado, o PL 6407/2013, conhecido como Nova Lei do Gás, foi aprovado na Câmara dos Deputados no início de setembro. O novo marco, que está em análise no Senado Federal, é uma das apostas para reaquecer a economia e retomar a atividade industrial. 

O deputado federal Joaquim Passarinho (PSD-PA) acredita que acabar com o monopólio da Petrobras no setor, como propõe o projeto, é a principal medida para eliminar os entraves que impedem a expansão da comercialização do produto no Brasil.

“O Brasil possui dimensões continentais e um enorme potencial de ser desenvolvido. E, apesar de produzir boa parte do que consome, tem seu gás natural entre os mais caros do mundo. Isso de vede a um conjunto de fatores. Mas, talvez o principal deles seja a inexistência da concorrência no setor”, defende o parlamentar.

Pelos termos do PL 6407/2013, toda a cadeia de produção de gás natural no Brasil seria aberta à concorrência do mercado. Com isso, o transporte desse produto também entraria no processo, o que, segundo o deputado Joaquim Passarinho, abriria uma grande margem de redução no valor das negociações.

“A formação de sistema de transporte de gás promove a concorrência e operação independente e integrada do sistema, com atração de investimentos, sem formação de monopólio de mercado. O aumento da competição e o acesso não discriminatório às infraestruturas essenciais seriam uns dos benefícios para o nosso estado”, pontuou Passarinho.

O último boletim sobre a produção de petróleo e gás natural divulgado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) comprovam que a Petrobras é responsável pela operação de mais de 90% de toda a produção de gás natural, além de administrar a maioria dos campos de gás, gasodutos, termelétricas, transportadoras, distribuidoras e revendedoras.

Benefício da lei

O consumo de gás natural reúne alguns benefícios ao consumidor – entre eles, o de ser uma energia mais limpa, com fornecimento contínuo e diminuição nos custos de operação e manutenção. O problema é que a baixa oferta não permite ao usuário utilizar esse tipo de combustível.

A Nova Lei do Gás poderá ainda reduzir a burocracia para construção de gasodutos, tubulações utilizadas para transportar gás natural. Segundo redação votada na Câmara dos Deputados, em 2019, o processo de concessão de gasodutos atualmente é “muito burocrático”, o que impediu a ampliação dessa infraestrutura desde 2009, quando o sistema de concessão de gasodutos foi regulamentado por lei.

A norma propõe também que as companhias precisem apenas de autorização da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), em vez de passar por licitação pública, como é exigido hoje. O diretor de Eletricidade e Gás da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel), Bernardo Sicsú, espera que o projeto seja aprovado no Senado sem alterações. Ele destaca, também, pontos que considera cruciais no sucesso da Nova Lei do Gás. 

“A partir de estímulo à livre iniciativa, de redução das barreiras para entrada de agentes, você cria um cenário para melhor utilização das infraestruturas existentes e também [dá] segurança jurídica para novos investimentos, que são fundamentais para a retomada do crescimento. O PL solidifica as bases para o aumento da produção e do número de vendedores e é isso o que vai fazer com que o preço do gás caia”, destaca.

O Ministério da Economia estima que o marco regulatório deve trazer investimentos da ordem de R$ 60 bilhões por ano para o Brasil. Já a Confederação Nacional da Indústria (CNI) aponta que a Nova Lei do Gás tem potencial para gerar mais de quatro milhões de empregos em todo o país nos próximos anos. (Brasil 61)

Continue lendo
publicidade Bronze