Connect with us

Pará

MARABÁ: Pesquisadores fazem levantamento sobre expansão da Covid-19

Publicado

em

Até este domingo, 12, moradores de Marabá, na região de Carajás, no estado do Pará, receberam a visita de pesquisadores de um levantamento epidemiológico desenvolvido pelo Governo Estadual, em parceria com a Universidade Estadual do Pará (Uepa) de Tucuruí, com o objetivo de levantar informações sobre a infecção pela Covid-19 no estado. 52 municípios paraenses participam.

Participam da ação 208 estudantes da área da saúde, vinculados ao curso de Enfermagem da Uepa. A Prefeitura de Marabá, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) deu todo o suporte logístico aos pesquisadores. Eles estão visitaram 10 casas aleatoriamente, em cada um dos 23 setores censitários do município, com base nas delimitações feitas pelo IBGE. Ao todo, foram entrevistadas 230 pessoas, na zona urbana e rural do município.

Nilton Duarte, 29 anos, recebeu os pesquisadores em casa, no bairro Novo Planalto, na tarde de quinta-feira (09) e não perdeu a oportunidade de fazer o teste rápido. “Não tinha feito ainda. O trabalho é importante para saber como está a saúde da sociedade. Eles deram orientações sobre os cuidados que a gente tem de ter, o isolamento social, uso de máscara”, falou o comerciante.

Estudante de Enfermagem há 4 anos, Rafael Vulcão de 22 anos, é um dos cinco pesquisadores atuando em Marabá. Ele explica que o levantamento é feito por meio da aplicação de questionários socioeconômicos e da realização de testes rápidos.

“A gente verifica a expansão do novo Coronavírus para termos uma noção do panorama geral dessa doença no nosso estado. O nosso trabalho em Marabá está razoavelmente bem, embora a gente tenha algumas pessoas recusando fazer o teste rápido. Elas alegam ser por conta das Fake News, isso dificulta nosso trabalho”, enfatiza o estudante de enfermagem.

Sobre os métodos utilizados na pesquisa, o vice-reitor da Uepa e coordenador da pesquisa, Clay Chagas, destaca que o questionário aborda três grandes áreas: “A faixa etária, condições socioeconômicas e de que forma a população está cumprindo as medidas preventivas, como o uso de máscara e o isolamento social”, afirma o vice-reitor.

Por outro lado, Junior Veloso, coordenador adjunto do curso Enfermagem da Uepa em Tucuruí, ressalta que ao medir a prevalência e a velocidade da pandemia no estado do Pará, o governo terá a possibilidade de intensificar as ações de combate ao vírus.

“Desta forma o governo pretende obter dados para subsidiar o planejamento e implementação de politicas públicas eficientes para o enfrentamento da pandemia identificando o quantitativo de pessoas infectadas ou não pelo vírus”, comenta o professor.

A pesquisa epidemiológica iniciou em 30 de junho e funciona ainda como ação de saúde, educacional e pedagógica para os discentes. Ao todo, 27  mil testes serão aplicados no Pará. A ação é dividida em três fases, sendo 9 mil exames feitos em cada delas. Além de Marabá, estão sendo estudados na região de Carajás, os municípios Parauapebas, Tucuruí, Tailândia, Novo Repartimento, Dom Eliseu, Eldorado dos Carajás e São Geraldo do Araguaia. (Leydiane Silva/Fotos: Paulo Sérgio)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

Pará contará com abastecimento de Gás Natural e Congresso avança com PL que torna produto mais barato

Publicado

em

A partir de 2022, o Pará vai fazer parte do grupo dos estados que contam com abastecimento de Gás Natural Liquefeito (GNL). O produto é considerado uma alternativa mais barata que a energia elétrica. A informação é do secretário de Desenvolvimento, Mineração e Energia do Estado, Iran Lima. O investimento nas obras está avaliado em quase R$ 4 bilhões, com previsão para gerar 7.500 empregos diretos e indiretos.

Com o objetivo de tornar o gás natural ainda mais barato por meio da abertura de mercado, o PL 6407/2013, conhecido como Nova Lei do Gás, foi aprovado na Câmara dos Deputados no início de setembro. O novo marco, que está em análise no Senado Federal, é uma das apostas para reaquecer a economia e retomar a atividade industrial. 

O deputado federal Joaquim Passarinho (PSD-PA) acredita que acabar com o monopólio da Petrobras no setor, como propõe o projeto, é a principal medida para eliminar os entraves que impedem a expansão da comercialização do produto no Brasil.

“O Brasil possui dimensões continentais e um enorme potencial de ser desenvolvido. E, apesar de produzir boa parte do que consome, tem seu gás natural entre os mais caros do mundo. Isso de vede a um conjunto de fatores. Mas, talvez o principal deles seja a inexistência da concorrência no setor”, defende o parlamentar.

Pelos termos do PL 6407/2013, toda a cadeia de produção de gás natural no Brasil seria aberta à concorrência do mercado. Com isso, o transporte desse produto também entraria no processo, o que, segundo o deputado Joaquim Passarinho, abriria uma grande margem de redução no valor das negociações.

“A formação de sistema de transporte de gás promove a concorrência e operação independente e integrada do sistema, com atração de investimentos, sem formação de monopólio de mercado. O aumento da competição e o acesso não discriminatório às infraestruturas essenciais seriam uns dos benefícios para o nosso estado”, pontuou Passarinho.

O último boletim sobre a produção de petróleo e gás natural divulgado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) comprovam que a Petrobras é responsável pela operação de mais de 90% de toda a produção de gás natural, além de administrar a maioria dos campos de gás, gasodutos, termelétricas, transportadoras, distribuidoras e revendedoras.

Benefício da lei

O consumo de gás natural reúne alguns benefícios ao consumidor – entre eles, o de ser uma energia mais limpa, com fornecimento contínuo e diminuição nos custos de operação e manutenção. O problema é que a baixa oferta não permite ao usuário utilizar esse tipo de combustível.

A Nova Lei do Gás poderá ainda reduzir a burocracia para construção de gasodutos, tubulações utilizadas para transportar gás natural. Segundo redação votada na Câmara dos Deputados, em 2019, o processo de concessão de gasodutos atualmente é “muito burocrático”, o que impediu a ampliação dessa infraestrutura desde 2009, quando o sistema de concessão de gasodutos foi regulamentado por lei.

A norma propõe também que as companhias precisem apenas de autorização da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), em vez de passar por licitação pública, como é exigido hoje. O diretor de Eletricidade e Gás da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel), Bernardo Sicsú, espera que o projeto seja aprovado no Senado sem alterações. Ele destaca, também, pontos que considera cruciais no sucesso da Nova Lei do Gás. 

“A partir de estímulo à livre iniciativa, de redução das barreiras para entrada de agentes, você cria um cenário para melhor utilização das infraestruturas existentes e também [dá] segurança jurídica para novos investimentos, que são fundamentais para a retomada do crescimento. O PL solidifica as bases para o aumento da produção e do número de vendedores e é isso o que vai fazer com que o preço do gás caia”, destaca.

O Ministério da Economia estima que o marco regulatório deve trazer investimentos da ordem de R$ 60 bilhões por ano para o Brasil. Já a Confederação Nacional da Indústria (CNI) aponta que a Nova Lei do Gás tem potencial para gerar mais de quatro milhões de empregos em todo o país nos próximos anos. (Brasil 61)

Continue lendo

Pará

PF apura fraudes em procedimentos licitatórios em Prefeituras da região de Carajás

Publicado

em

A Polícia federal deflagrou nesta terça-feira, 22, a Operação  Tudo Nosso e Nada Deles, com o objetivo de desarticular associação criminosa responsável por fraudar procedimentos licitatórios em prefeituras na região de Carajás, no estado do Pará. Na operação foram cumpridos oito mandados de busca e apreensão e três mandados de prisão temporário, expedidos pela 2ª Vara da Justiça Federal de Marabá/PA.

A associação agia por meio de empresas fantasmas que concorriam entre si, fraudando, desse modo, o caráter competitivo dos procedimentos licitatórios.

Os investigados irão responder pelos crimes de peculato, fraude à licitação e associação criminosa.

O nome da Operação Tudo Nosso e Nada Deles é oriundo da forma que associação se referia, em suas conversas,  aos demais participantes do certame, que concorriam sem saber do esquema fraudulento.

Continue lendo

Pará

MARABÁ: Faculdades devem se adequar para atender alunos com deficiência motora e intelectual

Publicado

em

O Ministério Público do Estado do Pará (MPPA) recomendou à quatro faculdades privadas de Marabá que façam ajustes em sua estrutura e corpo docente para garantir ensino de qualidade aos estudantes com deficiência. As recomendações foram expedidas, pela promotora de Justiça Lílian Viana Freire. O centros de ensino têm até 60 dias para adequar-se. 

Nos documentos, a Promotoria de Justiça de Marabá conta que as faculdades Anhanguera, Unisa, Unip e Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Marabá (Facimab) foram vistoriadas por engenheiro do MPPA, que constatou a falta de acessibilidade arquitetônica dos prédios, sendo necessárias diversas adequações. Ao fim da visita técnica, um laudo cautelar foi elaborado, com diversas instruções sobre quais ajustes devem ser realizados em cada um dos estabelecimentos de ensino superior.

Além das adequações físicas, a Unip e Facimab deverão também contratar profissional intérprete de libras e disponibilizar materiais e equipamentos para garantir a educação inclusiva para os alunos com deficiência, transtornos do desenvolvimento e superdotação. 

Segunda a promotora, nas vistorias foi constatado que as duas instituições têm estudantes com deficiência matriculados. Contudo, ambas as faculdades não possuem apoio escolar, “o que compromete sobremaneira o processo de aprendizagem dos alunos com deficiência que demandam o profissional”, explica Lílian Freire. A promotora pontua ainda que a educação especial deve ser ofertada de forma eficiente, sob pena de grave violação de normas fundamentais de Direitos Humanos. (Sarah Barbosa)

Continue lendo
publicidade Bronze