Connect with us

Pará

MARABÁ: Rede Covid continua sobrecarrega na região de Carajás e MP cobra providências

Publicado

em

O MPPA ajuizou Ação Civil Pública (ACP) de obrigação de fazer com pedido de tutela de urgência contra o Estado do Pará. Os pedidos são referentes ao atendimento de pacientes acometidos pela covid-19 em Marabá e municípios da região, para que estes sejam imediatamente assistidos de maneira ininterrupta, tendo assegurados os leitos necessários, 66 clínicos e 33 de UTI, para viabilizar o fluxo e rotatividade de leitos de UTI, definindo estratégias de atendimento para a regularização deste serviço. Entre os pedidos estão também duas ambulâncias para o transporte de pacientes com covid-19. 

Em caso de descumprimento da decisão, é requerido que seja aplicada multa diária inicial de R$ 100 mil por paciente de qualquer modo desassistido. Outra solicitação é para que os réus sejam condenados a pagar indenização por dano moral coletivo, no valor de  R$ 3 milhões de reais, a serem destinados ao Fundo Estadual do Ministério Público ou a órgãos/instituições ou programas/projetos públicos ou privados, que tenham objetivos filantrópicos, culturais, educacionais, científicos, de assistência social, preferencialmente relacionados ao serviço público de saúde. 

Entenda o caso

O Hospital de Campanha de Marabá encerrou suas atividades em novembro de 2020. A partir do encerramento, a retaguarda para novos casos de Covid-19 começou a ser feita pelo Hospital Regional Público do Sudeste do Pará e também pelo Hospital Municipal de Marabá. Segundo informações, o Estado do Pará está com mais de 82% de leitos de UTI ocupados, a sobrecarga é ainda maior em algumas regiões como a de Carajás que atende doze municípios, incluindo Marabá. 

Com a preocupação de avanço da doença, o Ministério Público instaurou procedimento administrativo (n° 000096-940/2021) para acompanhar o caso, foi observado que o Hospital Regional do Sudeste do Pará ficou responsável pelo atendimento de todos os municípios que compõem a 11ª Regional de Saúde, o que soma mais de um milhão pessoas. Tendo isso em vista, o MPPA expediu Recomendação ao governo do Estado, solicitando a instalação de leitos e outras medidas. Em resposta à recomendação foi informado que aumentaram o número de leitos no Município.

No entanto, foi apurado que não houve instalação de novos leitos, mas sim a utilização de leitos já existentes nos hospitais, agora direcionados para tratamento de covid-19.

O número de pacientes em fila aguardando por UTI também continuou elevado. Dessa maneira, o Ministério Público oficiou a Diretora do 11º Centro Regional de Saúde pedindo informações e realizou uma vistoria no local. As informações levantadas apontavam para falta de leitos clínicos suficientes para que pudesse haver uma maior rotatividade dos leitos de UTI, que nesse momento é uma estratégia fundamental para assegurar o tratamento correto para um maior número de pacientes. 

No texto da ACP destaca-se ainda que a expertise médica é unânime para apontar a relação entre leitos de UTI e leitos de clínicos na proporção de 1/3 como a ideal, o que salienta os equívocos deste planejamento. Além disso, indica que o tratamento de outras patologias tem sido negligenciado e que a abertura novos leitos de UTI-COVID sem a implementação de leitos de retaguarda, pode contribuir para criar um cenário falso de solução dos problemas. Ainda foi constatado que não existe estrutura física para comportar os novos leitos, havendo necessidade de implementar reformas e adaptações para efetivar a medida de urgência. 

As promotoras Mayanna Queiroz e Lílian Freire, que assinam a ACP, enfatizam no documento que o Hospital Municipal de Marabá executa um importante papel na rede pública de saúde, atendendo pacientes de vários municípios. Além do fato de que esta ação tem o objetivo de garantir direitos indisponíveis tais como a saúde e a vida.  (Juliana Amaral)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

Hospitais públicos estão com vagas de emprego em Ananindeua e Belém, no Pará

Publicado

em

A Pró-Saúde, uma das maiores entidades filantrópicas de gestão hospitalar do país, está com vagas de emprego abertas para atuação em duas regiões no Pará. As oportunidades contemplam o município de Ananindeua, na Região Metropolitana, e Belém, capital paraense.

No Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), em Ananindeua, as vagas são para auxiliar de farmácia e auxiliar de higienização e limpeza, com prazo para inscrição até a próxima quinta-feira, 22. Há vagas também para técnico de enfermagem e enfermeiro, com prazo até o dia 26 de abril.

No Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), localizado em Belém, as oportunidades são para auxiliar de manutenção e farmacêutico (temporário). As inscrições vão até o final do mês de abril.

Cada fase do processo seletivo, como provas e entrevistas, será realizada no próprio local da vaga. Todas as etapas são eliminatórias.

Saiba como participar do processo seletivo

As oportunidades contemplam vários níveis de escolaridade e são para as áreas assistenciais e de apoio. Pessoas com Deficiência (PCD) podem se candidatar.

Para participar, é necessário que o candidato acesse o site da Pró-Saúde, no endereço: https://www.prosaude.org.br.

Em seguida, no menu “Trabalhe Conosco”, selecione a opção “Conheça nossas oportunidades”. Clique na vaga desejada e, depois, acesse a opção “Cadastre seu Currículo”.

Todos os detalhes das vagas, como requisitos básicos para candidatura, estão disponíveis no portal.

Para concluir o processo de inscrição, os candidatos devem ter perfil no portal VAGAS (www.vagas.com.br), plataforma externa reconhecida no mercado e que proporciona transparência ao processo.

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Pequenas empresas já podem acessar link para pedir crédito especial ao Banco do Povo

Publicado

em

As pequenas empresas, associações e cooperativas de serviço e de trabalho de Parauapebas já podem solicitar empréstimo especial ao Banco do Povo, no valor de até R$ 10 mil, a partir desta segunda-feira, 19.

Basta acessar o site da prefeitura no endereço parauapebas.pa.gov.br e clicar no banner de cadastro do Banco do Povo.

O cadastro ficará disponível pela prefeitura até o valor total dos pedidos alcançar R$ 10 milhões.

Conforme o Decreto Municipal nº 1.189/21, publicado na última sexta-feira, 17, para ter direito ao benefício as empresas devem estar instaladas há pelo menos um ano em Parauapebas. Já as associações e cooperativas precisam comprovar que estão em atividade há mais de seis meses no município e que têm pelo menos 70% do quadro social composto de micro e pequenos empresários.

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Campanha de doação de sangue tem resultados positivos

Publicado

em

No último final de semana, 17 e 18 (sábado e domingo), foi realizada a campanha de doação de sangue, com tema: “Em tempos de pandemia, distribua amor, doe sangue”.

A campanha foi destinada aos doadores com fator Rh tipo “O” por ser o mais escasso durante esse período de pandemia da covid-19, que levou à queda no número de doações de sangue. Por essa razão, diversos hemocentros operam em estado crítico. Diversas medidas foram adotadas para diminuir o risco de contágio pelo coronavírus, todos os voluntários foram previamente agendados, dessa forma evitando aglomerações.

A campanha foi promovida no município pela Prefeitura Municipal de Parauapebas, através da Secretaria Municipal da Saúde (Semsa), em parceria com o Hemocentro de Marabá.

De acordo com a organizadora da campanha no município, Aline Ferreira, Coordenadora da Agência Transfusional de Parauapebas, as doações foram bem significativas. “Conseguimos coletar 175 bolsas de sangue durante o fim de semana, ultrapassamos a meta que estava proposta para 160 bolsas. Esse número é muito importante, pois nos estimula a trabalhar ainda mais e criar novas campanhas no município”, comemora.

Segundo o secretário de saúde, Gilberto Laranjeiras, mesmo em período de pandemia as doações não podem parar. “Em tempos de pandemia os bancos de sangue estão sendo monitorados e já apresentam uma diminuição nos estoques de bolsas. O Ministério da Saúde orienta que as doações não devem parar. Segundo a Colsan (Associação Beneficente de Coleta de Sangue), os postos de coleta de sangue já tiveram uma queda de 30%, e com esta preocupação organizamos está campanha seguindo todas as orientações da OMS (Organização Mundial de Saúde), para garantir segurança de quem gentilmente doou sangue nesse final de semana. Quero agradecer a parceria dos munícipes da nossa cidade que com a ajuda deles ultrapassamos a meta de doações”.

Entenda um pouco mais sobre a doação de sangue

Doação de sangue é o processo pelo qual um doador voluntário tem seu sangue coletado para armazenamento em um banco de sangue ou hemocentro para uso subsequente em transfusões de sangue.

O sangue é um composto de células que cumprem funções como levar oxigênio a cada parte do nosso corpo, defender nosso organismo contra infecções e participar na coagulação. Não existe nada que substitua o sangue.

A quantidade de sangue retirada não afeta a sua saúde porque a recuperação é imediata após a doação. Uma pessoa adulta tem em média cinco litros de sangue e em uma doação são coletados no máximo 450 ml de sangue. É pouco para você e muito para quem precisa! Você passará por uma entrevista que tem o objetivo de dar maior segurança para você e aos pacientes que receberão o seu sangue. Seja sincero ao responder as perguntas!

Todo sangue doado é separado em diferentes componentes (hemácias, plaquetas e plasma) e assim poderá beneficiar mais de um paciente com apenas uma unidade coletada. Os componentes são distribuídos para os hospitais para atender aos casos de emergência e aos pacientes internados.

“Não existe nada que substitua o sangue. A doação é um ato de solidariedade que ajuda a salvar vidas. Por isso, seja um doador frequente. Essa corrente precisa de você”, enfatiza o Secretário adjunto de saúde, Paulo Vilarinhos. (Nívea Lima / Foto: Renato Resende)

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze