Connect with us

Pará

MARABÁ: Vereadores reagem à tentativa do Governo e Vale de mudar traçado de ferrovia

Publicado

em

Ao tomar conhecimento de que o projeto da Ferrovia do Pará está tomando um novo rumo, com mudança no traçado da estrada de ferro, tirando Marabá do mapa, os membros da Comissão de Desenvolvimento Socioeconômico de Marabá reagiram de forma dura na última semana e estão dispostos a cobrar do governo do Estado e da Vale a volta ao projeto original, elaborado pelo próprio Estado na gestão anterior.

O presidente da Comissão de Desenvolvimento, Miguel Gomes Filho, o Miguelito, lembra que em 2017, o governo do Estado havia apresentou o RIMA (Relatório de Impacto Ambiental) do projeto, naquela época denominada de Ferrovia Paraense, em que Marabá estava em lugar de destaque no traçado da estrada de ferro, com uma estação de carga e controle em Morada Nova.

Agora em 2021, uma nova versão do RIMA foi entregue à SEMAS para análise e aprovação, com outro traçado, retirando a estação de carga de Marabá, chamado de Marco Zero, levando-a para o município vizinho de Bom Jesus do Tocantins.

Miguelito relembra que, há menos de um mês, o diretor de Relações Institucionais da Vale, Luiz Ricardo de Medeiros Santiago revelou aos vereadores, em Brasília, que a mineradora vai construir a Ferrovia do Pará.

“Vale e governo do Estado precisam saber que não vamos aceitar essa mudança. Sempre fomos manietados. Temos uma luta inglória com a Vale. Não vamos nos vender por balinha. Vamos fazer a discussão, não podemos aceitar essa mudança radical e que prejudica muito nosso município”, salientou.

Na avaliação de Vanda Américo, membro da Comissão de Desenvolvimento, a referida comissão foi usada em Brasília pela Vale, de forma desrespeitosa. “O projeto original põe Marabá em posição de destaque e agora retira o município dessa condição, embora tenhamos bastante carga aqui e Bom Jesus do Tocantins quase não possui carga para transporte”, comparou.

João Tatagiba, presidente da Associação Comercial e Industrial de Marabá, contou na comissão que recebeu a informação do secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, José Fernando Gomes Júnior. Segundo Tatagiba, a informação lamentável é que o marco zero da Ferrovia do Pará não será mais em Marabá, mas em Bom Jesus do Tocantins.

É uma decisão lamentável, porque nosso município absorve vários modais de transporte com um grande volume de cargas e precisa dar vazão para escoar produtos que chegam aqui. Será que Marabá vai perder, novamente, um grande investimento?”, questiona o presidente da ACIM.

ACELERANDO A DISCUSSÃO

Os membros da Comissão de Desenvolvimento reúnem-se todas as quartas-feiras, às 16 horas, mas agendaram uma reunião extraordinária para esta segunda-feira, no mesmo horário, para discutir que ações adotar para forçar governo do Estado e Vale a rediscutirem o traçado da Ferrovia do Pará, já que a mineradora se dispôs a construir a estrada de ferro.

TRAÇADO

O traçado ferroviário de 2017, segundo o RIMA, tinha 1.319 km, cruzando 23 municípios, passando 82 km por dentro de Marabá. Mas, no projeto novo e “mais enxuto”, a Ferrovia Paraense vai passar por apenas 12 município, entre os quais Bom Jesus do Tocantins, com 47,39 km. Os demais são Abaetetuba, Acará, Barcarena, Moju, Tailândia, Abel Figueiredo, Dom Eliseu, Ipixuna do Pará, Paragominas, Rondon do Pará e Tomé Açu.

Ficaram de fora, além de Marabá, Pau D’arco, Piçarra, Redenção, Rio Maria, Santa Maria das Barreiras, Santana do Araguaia, Tailândia, Tome-Açu, Xinguara, Nova Ipixuna e Eldorado dos Carajás.

FERROVIA ENCURTADA

Os estudos de Impacto Ambiental e o Relatório de Impacto de Meio Ambiente (EIA/Rima), realizados para o projeto de construção da Ferrovia do Pará, com o novo traçado de 515,02 quilômetros, foram entregues em 15 de junho deste ano à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas).  

O estado prevê que até outubro deste ano o projeto seja aprovado na Semas e argumenta que os ajustes não só do traçado, mas também do tamanho da ferrovia ocorreram para ter impactos menores em áreas sensíveis e equacionar o tamanho. Inclusive, eliminou o traçado que passava em terra indígena.

O projeto de 2017 previa a construção de dois canteiros principais, sendo um em Barcarena e outro Marabá, e de vários canteiros de apoio localizados junto às frentes de serviços. Esses dois canteiros principais dariam suporte à construção da primeira e da segunda etapas da Ferrovia Paraense. Com a retirada de Marabá do projeto, perde-se até mesmo a mão de obra que seria usada para a construção desse canteiro.

Adnan Demacki, ex-secretário da SEDEME e o chamado “pai da Ferrovia Paraense”, foi ouvido pela Comissão de Desenvolvimento na última quarta-feira e mostrou-se surpreso com a notícia de mudança no traçado. Ele destacou que o município que tem maior carga a oferecer é Marabá, porque ocupa posição de polo regional. Para ele, a ferrovia precisa, também, oferecer transporte de passageiros e não apenas carga. “Esse projeto não pode contemplar o desejo de uma empresa só, mas de uma sociedade. Bom Jesus merece apreço, mas não tem grande carga a oferecer. Toda a carga está em Marabá, com todo respeito a Bom Jesus. Garanto que esta não é uma decisão que atende aos critérios técnicos”, criticou.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

PARAUAPEBAS: Darci teme sobre situação de empresa chinesa que pode impactar Carajás

Publicado

em

O prefeito de Parauapebas, na região de Carajás, Pará, mostrou preocupação, com a crise da gigante chinesa Evergrande, que tem dívidas de US$ 300 bilhões. O temor de investidores sobre a possibilidade de calote da empresa vem provocando estragos no mercado financeiro.

A preocupação de Darci, é justificada, por conta do mercado chinês ser o maior consumidor de todo o minério produzido em Parauapebas e caso a economia chinesa se contamine com a “quebra” da Evergrande, o impacto certamente seria sentido no município paraense no curto prazo, pois a prospecção seria de contaminação de toda a economia da China.


Segundo as informações da imprensa internacional, o governo chinês estaria tomando providência, para contornar a situação.

“Vendo os jornais fiquei muito preocupado. Espero que seja apenas um pequeno susto. Vamos torcer para que tudo se normalize rapidamente. Enquanto isso vamos continuar trabalhando. Fazendo nossa parte”, afirmou Darci sobre o assunto.

Continue lendo

Pará

MARABÁ: Campanha de vacinação antirrábica inicia nesta segunda, 20, pelo núcleo Morada Nova

Publicado

em

Na próxima segunda-feira, (20), os donos de cães e gatos em Morada Nova e Residencial Jardim do Éden  terão a oportunidade de imunizar os pets contra a raiva animal sem sair de casa. É que o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) dará inicio a campanha nacional de vacinação antirrábica na cidade e a ação será em sistema de arrastão, ou seja,  as equipes visitarão casa a casa, em busca dos animais saudáveis a partir dos 3 meses de vida.

De acordo com Flávio Ferreira da Silva, coordenador do CCZ, a expectativa é que o município atinja a meta de 35 mil animais vacinados entre a zona urbana e a zona rural que também será visitada pelas equipes.

“A previsão que nós temos é de 25 dias de vacinação aqui na zona urbana, após o dia 25 de outubro, iremos fazer a zona rural também. Aqui na cidade daremos inicio em Morada Nova e depois São Félix, Nova Marabá, Velha Marabá, e núcleo Cidade Nova. Nós divulgaremos o calendário dia a dia e as pessoas devem ficar atentas”, esclarece o médico veterinário.

Para os donos de pets que perderem o arrastão, o CCZ já está com doses da vacina disponíveis no próprio centro durante toda a semana, inclusive aos fins de semana. O coordenador do CCZ enfatiza que as doses da vacina antirrábica são anuais, por isso, é preciso estar atento à carteira de vacinação do animal como forma de proteger o amigo de quatro patas contra a doença.

“A vacina antirrábica é anual, uma única dose imuniza o animal. Então é importante não perder os prazos. A melhor forma de prevenção da raiva é a vacinação, só assim, se o animal entrar em contato com a raiva ele não será acometido e nem será transmissor”, ressalta.

Vale frisar, que durante a campanha os demais atendimentos como testagem para Leishmaniose estarão acontecendo normalmente no CCZ. (Leydiane Silva / Fotos: Paulo Sérgio)

Continue lendo

Pará

MARABÁ: Comemorando produção de melancia, agricultores fazem doação do fruto para Prefeitura

Publicado

em

A Associação de Hortifrutigranjeiros, Pescadores e Ribeirinhos de Marabá, na comunidade Boa Esperança, distante 15 quilômetros, próximo à região do Carrapato, está comemorando a surpreendente colheita de melancia, ao todo foram trezentas toneladas da fruta.

Na manhã desta sexta-feira (17), uma parte dos agricultores esteve na Secretaria de Obras, para agradecer o apoio e incentivo da gestão municipal no trabalho de desenvolvimento do projeto, garantido pela doação de insumos, máquinas, orientação técnica e análise de solo.

O produtor rural, Aldenir Pereira de Souza, popular Maranhão, presidente da Associação informou que se surpreendeu, pois na região não havia ainda a iniciativa de se produzir melancia, até que um representante da Secretaria de Agricultura esteve com os produtores e propôs uma parceria com os produtores para transformar a região.

“Esse projeto  foi iniciado com alguns produtores e logo fomos convidados para plantar melancia no início deste ano. Levamos um representante da Secretaria de Agricultura que se propôs a nos ajudar com insumos, pessoal técnico, arado, esteira, calcário e isso nos empolgou e começamos  a plantar e hoje estamos produzindo”, disse o representante da Associação.

Hoje na Associação são 80 famílias, no entanto, 18 produtores integram o projeto. “Estamos começando agora e posso afirmar que temos 300 toneladas somente nesta primeira safra e também temos o projeto de maracujá e temos fé que vai dar certo porque já iniciamos a venda da melancia e vamos seguir com fé”, disse Aldenir Pereira de Souza.

A doação foi feita com a participação de 10 agricultores da região. O Prefeito Tião Miranda, disse que o investimento em agricultura é um dos mais gratificantes, pois resulta em renda para o agricultor e produtos mais acessíveis à população.

“A secretaria de agricultura vem fazendo um trabalho fabuloso com os agricultores e é importante porque o custo de vida fica mais barato para quem mora na cidade e hoje são vários projetos em desenvolvimento como melancia, maracujá, apicultura e outros que estão dando renda para o agricultor e a cada dia vamos fomentar com orientação técnica, análise de solo e outros que se torna um avanço muito grande e vamos continuar investindo pesado nesse setor”, disse Tião Miranda.

O prefeito também afirmou que parte da produção da agricultura familiar está sendo adquirida para a alimentação escolar e os produtos da doação desta manhã serão distribuídos às escolas. “E todo o produto doado hoje, num total de 30 melancias e maracujás, será encaminhado às escolas para servir de alimentação para nossas crianças que adoram melancia”, disse o gestor.

O Secretário de Agricultura, Adailton de Sá, comemorou junto aos agricultores o bom momento da safra de melancia no município. Segundo ele, é o resultado de uma política voltada para o atendimento amplo a todos os trabalhadores do campo e que mais projetos estarão sendo encaminhados.

“Nos últimos sete anos, onde pegamos uma secretaria sem praticamente nada e começamos a estruturar e hoje podemos somar os resultados e estamos avançando em vários outros projetos como a suinocultura fazendo o trabalho direito para evitar problemas ambientais e sanitários e vai ser tudo certinho e atenderá dezenas de agricultores em breve”, disse Adailton de Sá.

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze