Connect with us

Maranhão

MARANHÃO: Economia Solidária será debatida nesta semana

Publicado

em

Depois de seis conferências preparatórias pelos Territórios de Identidade do estado, é chegado o momento da Conferência Estadual de Economia Solidária que acontece, nesta sexta-feira, 30, e no  sábado, 1º, no Auditório Edílson Baldez, do Hotel Abbeville em São Luís. A conferência foi convocada oficialmente pela governadora Roseana Sarney, após convocatória da conferência nacional do tema feita pelo Governo Federal. O Fórum Estadual de Economia Solidária, que reúne empreendimentos solidários e entidades de apoio e desenvolvimento da atividade, também está à frente da organização do encontro.

O evento reunirá 300 delegados, eleitos nas conferências territoriais, que aconteceram durante os meses de março e abril deste ano. Todos os doze territórios maranhenses estarão representados na conferência estadual, que deverá eleger 52 delegados que representarão o Maranhão durante a Conferência Nacional, marcada para o mês de junho, em Brasília.

A conferência estadual traz ao Maranhão o secretário-adjunto da Secretaria Nacional de Economia Solidária do Ministério do Trabalho e Emprego (Senaes-MTE), Fábio Sanches, que apresenta palestra sobre a implantação do Sistema Nacional de Economia Solidária em todo o país, um conjunto de ações, informações e dados sobre a atividade no Brasil. A Economia Solidária como instrumento de transformação social também é tema de um painel, apresentado por Rogenir Almeida, da Cáritas Internacional no Brasil.

Os territórios reunidos nas conferências territoriais foram: Baixo Parnaíba, Lençóis/Munim, Vale do Itapecuru, Cocais, Médio Mearim, Cerrado Sul, Cerrado Amazônico Maranhense, Alto Turi, Gurupi, Campos/Lagos, Baixada Maranhense e Território Metropolitano.

Economia Solidária

A Economia Solidária é uma nova forma de produção, consumo e distribuição de riqueza, centrada na valorização do ser humano e não do capital. Tem base associativista e cooperativista, e é voltada para a produção, consumo e comercialização de bens e serviços socialmente justos. Ela se caracteriza pela autogestão, ou seja, pela autonomia de cada unidade ou empreendimento e pela igualdade entre os seus membros.

De acordo com o mapeamento realizado pela Senaes, foram identificados, no Maranhão, 793 empreendimentos solidários em diversos setores, como o artesanato e agricultura familiar e produção de bens de consumo não-durável, envolvendo centenas de famílias da zona rural e urbana, gerando com isso trabalho, renda e uma política de auto-sustentabilidade, respeitando os limites do meio ambiente e estabelecendo relações de parcerias entre seus colaboradores.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Maranhão

Navio é colocado em quarentena após tripulante testar para a Covid-19 no Maranhão

Publicado

em

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou nesta quinta-feira (29) que monitora a tripulação a tripulação do navio ‘MV Pipit Arrow’, após um dos tripulantes testar positivo para a Covid-19. A embarcação está atracada em uma área de fundeio na Baía de São Marcos, no litoral de São Luís.

O navio, que tem bandeira do Panamá, saiu da Bahia e chegou a São Luís em 19 de julho. Após a notificação suspeita do caso, a Anvisa foi notificada e determinou o isolamento do tripulante e a embarcação foi colocada em quarentena.

O nome e a nacionalidade do homem não foi identificada. Até o momento, não foi confirmado se o tripulante foi infectado com algum tipo de variante do novo coronavírus.

Continue lendo

Maranhão

ITINGA DO MARANHÃO: Conselho Tutelar precisa passar por melhorias

Publicado

em

O promotor de justiça Tiago Quintanilha Nogueira, que responde pela Promotoria de Justiça de Itinga do Maranhão, inspecionou, na terça-feira, 27, o Conselho Tutelar da cidade. Acompanharam a vistoria secretária de Assistência Social de Açailândia, Arly Brenda Lima Franco Jardim, conselheiros tutelares, integrantes do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, incluindo a presidente Maria Valdirene Fernandes da Costa.

Na ocasião, foi constatado que o prédio do Conselho necessita de algumas melhorias, assim como o veículo pertencente ao referido órgão.

Foi discutida também a efetivação do Plano Municipal da Primeira Infância no Município, plano intersetorial que visa ao atendimento aos direitos das crianças na primeira infância (até os seis anos de idade) no âmbito do município, cuja elaboração é recomendada pelo Marco Legal da Primeira Infância (Lei 13.257/2016).

Outro tema tratado foi a implantação do Sipia no Conselho Tutelar, sistema nacional de registro e tratamento de informações sobre a garantia e defesa dos direitos fundamentais preconizados no Estatuto da Criança e do Adolescente.

Igualmente foi abordado o treinamento dos integrantes da rede de proteção acerca da escuta especializada, procedimento de entrevista previsto na Lei Federal n. 13.431/17, sobre possível situação de violência contra criança ou adolescente, no intuito de garantir a proteção e o cuidado da vítima.

Continue lendo

Maranhão

AÇAILÂNDIA: Instalada sala de depoimento especial para crianças e adolescentes

Publicado

em

Após procedimento do Ministério Público do Maranhão, por meio do titular da 2ª Promotoria de Justiça Cível de Açailândia, com atribuição na Infância e Juventude, Tiago Quintanilha Nogueira, foi instalado no Fórum da Comarca de Açailândia uma sala de depoimento especial para crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violência.

A sala está apta para uso. Um curso sobre depoimento especial para as servidoras do setor psicossocial (psicóloga e assistente social) está agendado para o próximo mês de setembro, conforme ofício enviado ao promotor de justiça Tiago Quintanilha Nogueira pelo juiz Frederico Feitosa de Oliveira, diretor do Fórum de Açailândia.

De acordo com o promotor de justiça, a Lei Federal nº 13.431/2017 alterou a dinâmica da forma de colheita da prova testemunhal junto a crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violência, por reconhecer que estes não podem sofrer a denominada “vitimização secundária” ou “revitimização”, decorrente de entraves ou falta de profissionalismo no atendimento prestado por órgãos de proteção. “O depoimento especial procura imprimir maior qualidade e celeridade na tramitação dos feitos, quer perante a autoridade policial, quer perante a autoridade judiciária”, completou Tiago Quintanilha.

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze