- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
terça-feira, 17 / maio / 2022
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img
Array

MARANHÃO: Itaqui acompanha crescente demanda por combustível

Mais Lidas

A demanda interna do Maranhão por combustíveis aumentou 10% no último ano, acompanhando um crescimento em todo o país. No Porto do Itaqui, a movimentação de derivados de petróleo corresponde a mais de 50% das operações e será incrementada com a construção do berço 108, totalmente dedicado a granéis líquidos. O Itaqui é um dos principais entrepostos do Norte-Nordeste e responsável por parte do abastecimento de estados como Pará, Piauí e Tocantins, entre outros.

De acordo com a Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), o aumento da demanda por combustível, causada por uma crescente na aquisição de automóveis, não gera atrasos nesse tipo de operações e muito menos risco de desabastecimento. Pelas regras de atracação, navios com alimentos, derivados de petróleo e de passageiros têm preferência.

O Itaqui, de acordo com informações da Emap, mantém um berço totalmente dedicado a operações com derivados de petróleo e outro preferencial para esse tipo de operação, o berço 104. “É importante dizer que não houve atraso no desembarque ou transbordo de combustíveis e que os navios de derivados fundeados não competem com outras cargas para atracar”, explicou o diretor de Operações da Emap, Gustavo Lago.

No primeiro semestre de 2011, foram movimentados mais de 3,5 milhões de toneladas de derivados de petróleo no Itaqui visando aos mercados interno e estados vizinhos. Entre os derivados estão gasolina, diesel, óleo bruto e querosene de aviação. O fluxo no Itaqui – que mantém uma capacidade de tancagem aproximada de 200 mil metros cúbicos estático – está normal.

Independente do cenário atual, a Emap se prepara para atender demandas dos próximos anos. A empresa irá licitar, no valor de R$ 80 milhões, a construção do berço 108, totalmente dedicado a granéis líquidos. A obra, que integra um conjunto de ações que visam à expansão do porto maranhense, irá aumentar em até 40% a capacidade operacional do Itaqui e se traduz em mais investimentos, já que derivados de petróleo representam mais da metade da movimentação no porto.

Primeiro semestre

No primeiro semestre de 2011, o Itaqui teve um aumento de 12% na movimentação de cargas em relação ao mesmo período do ano passado, saltando de 5,9 milhões de toneladas para 6,6 milhões. As operações com fertilizantes sofreram um incremento de 118%. Ferro gusa, cimento, clínquer e antracita também contribuíram para esse resultado. Os números mostram, de acordo com a Emap, que o Itaqui está preparado para atender às demandas atuais e futuras.

- Publicidade -spot_img
Assinar
Notificar-me
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias