Connect with us

Bico do Papagaio

Movimento social diz que projeto de Bonifácio ameaça sustento das quebradeiras de coco babaçu

Publicado

em

Direitos ameaçados, sustento da família comprometido e uma devastação irreversível ao meio ambiente. É neste contexto que estão vivendo  as quebradeiras de coco babaçu do Tocantins. A ameaça vem do projeto de Lei da autoria do deputado A ameaça vem do projeto de Lei da autoria do deputado José Bonifácio Gomes de Sousa (PR). O novo texto legislativo altera a Lei de Proteção das Palmeiras de Babaçu nº 1959 de 14/08 de 2008 que dispõe sobre a proibição da queima, derrubada e uso predatório das palmeiras de coco babaçu. O Movimento Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu do Maranhão, Pará, Piauí e Tocantins (MIQCB) articula uma audiência pública com organizações parceiras como  APA-TO (Alternativas para a Pequenas Agricultora no Tocantins), ASMUBIP (Associação Regional das Mulheres Trabalhadoras Rurais do Bico do Papagaio), FETAET (Federação dos Trabalhadores Rurais do Estado do TO), Comissão de Direitos Humanos da OAB/TO, Comissão Pastoral da Terra, Ponto Focal, Sociobiodiversidade, diversos parlamentares, entre outras.

O objetivo é levar o debate para quem realmente está inserido na cadeia produtiva do babaçu, dela dependendo, e enfatizando o real motivo do apodrecimento do coco babaçu; a falta do livre acesso das quebradeiras aos babaçuais. Outro objetivo dos movimentos sociais envolvidos é retirar da pauta de votação o projeto de lei.

O argumento utilizado pelo projeto de Lei fundamenta-se no apodrecimento do coco em baixo dos babaçuais pelo baixo valor pago pelas amêndoas e a queima do fruto de maneira irregular. “Mais uma vez nos deparamos com os limites impostos pelas cercas que impedem os povos e comunidades tradicionais de sobreviverem tradicionalmente nos territórios que há anos ocupam e sobrevivendo dos recursos naturais como a palmeira do babaçu. Se o coco apodrece é porque não temos acesso ao produto”, enfatizou Maria do Socorro Teixeira Lima, coordenadora da unidade regional do MIQCB no Tocantins. Um direito garantido pelo Decreto n° 6040 de 2007 que assegura o desenvolvimento de políticas sustentáveis aos povos e comunidades tradicionais.

De acordo com a nova redação dada ao projeto, o parlamentar incentiva a queima do fruto, inteiro ou in natura. Acompanhe o texto: “são proibidos a derrubada e o uso predatório das palmeiras do babaçu no estado do Tocantins, vedadas ainda as práticas que possam prejudicara produtividade ou a vida das palmeiras do babaçu” em substituição ao antigo que expressamente e com força de lei proíbe “a queima do coco babaçu, inteiro ou in natura, para qualquer finalidade (…)”. O novo projeto sugere ainda revogar os artigos 8º e 9º da lei de 1959 de 14/08 de 2008 que protegem o fruto das queimadas com a proibição de sua comercialização interestadual do coco de babaçu inteiro ou in natura (artigo 8º) e ressalta, no artigo 9º, que a quebra do coco de babaçu em duas ou mais partes, processadas em qualquer ambiente, sem o aproveitamento do mesocarpo e da amêndoa, não justifica a carbonização das referidas partes, que assim, não são consideradas cascas para este efeito. “A nova lei é uma ameaça ao modo de vida das quebradeiras de coco babaçu do país, em especial do Tocantins. Na verdade, um retrocesso aos direitos que já havíamos conquistados”, desabafou Francisca Nascimento, coordenadora geral do MIQCB.

Ela refere-se a Lei nº 1959 de 14/08 de 2008 que foi aprovada com pontos importantes como; a proibição da queima do coco in natura, para qualquer finalidade, e o acesso das quebradeiras de coco e comunidades tradicionais às terras públicas ou devolutas onde exista a cultura. A lei também disciplinou o manejo sustentável do babaçu, estabeleceu normas e determinou valores de multas para quem não respeitar a nova legislação, voltada para a área amazônica do estado, no Bico do Papagaio.

O projeto de Lei, sem a devida consulta às comunidades tradicionais de quebradeiras de coco babaçu, viola a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho  tanto no aspecto de pôr concretamente em perigo a sobrevivência da coletividade das quebradeiras de coco como por desrespeitar as exigências de consulta prévia  sobre políticas públicas que afetam as comunidades tradicionais em seus modos de vida.

Do babaçu tudo se aproveita 

A grande vantagem do babaçu está na sua capacidade de fornecer uma ampla variedade de produtos úteis, pois toda a planta é aproveitada e muitos subprodutos são obtidos. O babaçu constitui o eixo central socioeconômico nas regiões do MA, PA, PI e TO. A região do Bico do Papagaio (TO), de acordo com o Sistema de Informações Territoriais, é composta por 25 municípios e população de 196.389 habitantes, dos quais 66.533 vivem na área rural, o que corresponde a 33,88% do total. Possui 7201 agricultores familiares, 5732 famílias assentadas e duas terras indígenas. E é nessa região, que mulheres transformam recursos naturais como o babaçu em produtos que geram renda para sustentar suas famílias.

O fruto fornece uma manteiga vegetal de sabor agradável e de valor nutritivo. As amêndoas podem ser consumidas in natura, como também produzem um óleo rico em ácido láurico que usado em diversos fins: na alimentação humana, na produção de cosméticos, como lubrificante e pode ser transformado em biodiesel. De todas as partes da planta, o fruto é a que apresenta o maior potencial econômico, chegando a produzir mais de 64 subprodutos. Sem falar nos produtos artesanais que podem ser confeccionados de várias partes do babaçu.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Bico do Papagaio

ARAGUATINS: Colégio Militar muda de direção

Publicado

em

Na manhã desta sexta-feira, 26, aconteceu a solenidade de passagem de direção do Colégio Militar (CM) Unidade VI, de Araguatins, no Bico do Papagaio. O tenente-coronel Márcio Cardoso Almeida passou a gestão ao 2º tenente, Antônio Cláudio Pereira da Silva.

O evento contou com a presença dos militares lotados na Unidade Educacional (UE), dos funcionários civis da instituição de ensino, e equipe de alunos da Assessoria de Comunicação (Ascom) e da banda marcial do Colégio Militar.

Além da transição, a cerimônia também foi de despedida do diretor, tenente-coronel Márcio, que esteve à frente da escola desde o início do ano de 2018. O oficial deixa a função e vai para Reserva Remunerada (RR) após assinar requerimento ao completar seus 30 anos de Polícia Militar do Tocantins (PMTO).

Continue lendo

Bico do Papagaio

TOCANTINÓPOLIS: Na Vila dos Pescadores, homem é preso com arma e maconha após agredir companheira

Publicado

em

Na noite de sexta-feira, 26, por volta das 21h, através de policiais militares da 5ª Companhia Independente, quando realizavam a Operação Pagamento em Tocantinópolis, a Polícia Militar prendeu um homem de 44 anos de idade, por posse irregular de arma de fogo de uso permitido. 

A prisão ocorreu quando os Policiais foram informados sobre uma ocorrência de violência doméstica na Rua da Palha, na Vila dos Pescadores. Quando chegaram na residência foram recebidos pela companheira do autor a qual relatou que mora com o acusado e que este havia lhe agredido com empurrões, mas não pretendia representar o crime de violência doméstica.  

Após entrevista com o casal, a mulher de 24 anos, informou que no interior da residência havia uma arma de fogo. Imediatamente a equipe efetuou busca e localizou a referida arma. Foi localizado também uma munição calibre 28 intacta, uma certa quantidade de substância análoga a maconha e cinco armas brancas. Outrossim, a arma de fogo localizada, trata-se de fabricação artesanal, tipo revólver, calibre 22.

O acusado foi conduzido à Delegacia da Polícia Civil em Tocantinópolis para os procedimentos cabíveis. As armas, a munição e a substância entorpecente foram exibidos na mesma delegacia.

Continue lendo

Bico do Papagaio

AGUIARNÓPOLIS: Adolescente de 17 anos morre após ser esmagado por caminhão

Publicado

em

Um adolescente de 17 anos morreu após ser esmagado por caminhão no posto fiscal de Aguiarnópolis, na região do Bico do Papagaio. Ian Ferreira Marquinho de Souza estaria dormindo embaixo do veículo e foi atropelado quando o caminhoneiro decidiu seguir viagem no início da manhã desta sexta-feira (26).

De acordo com a Polícia Militar, testemunhas que informam que o adolescente trabalha no local batendo pneus de caminhões – forma utilizada para encontrar pneus furados. O jovem foi visto por volta das 5h10 tomando um café e depois teria entrado embaixo de um caminhão prancha carregando um guindaste.

Pouco tempo depois, por volta de 5h50, o motorista do caminhão teria saído com o veículo sem saber da presença da vítima sob o veículo. O adolescente acabou sendo atropelado e arrastado por cerca de 10 metros. O corpo ficou esmagado.

A perícia esteve no local do acidente e o corpo foi recolhido pelo Instituto Médico Legal. A PM foi chamada e registrou a ocorrência, mas informou que não conseguiu localizar o motorista do caminhão. (G1)

Continue lendo
publicidade Bronze