A Polícia Civil do Pará deflagrou, na terça, 29, a Operação “Zeca de Deus”, para cumprir mandado de prisão preventiva. A operação resultou na prisão de Cristinaldo Lima, conhecido por “Zeca Brás”, por praticar os crimes de estupro de vulnerável, registro não autorizado da intimidade sexual, violação sexual mediante fraude, ameaça e estelionato em detrimento de várias vítimas da cidade de Novo Repartimento, na região de Carajás, no estado do Pará. O nome da operação faz alusão a um famoso caso ocorrido em Goiás, em que um líder espiritual, agia de forma semelhante a este fato, onde praticou diversos crimes sexuais.

A ação foi realizada pela Delegacia de Novo Repartimento, com apoio da Delegacia de Anapu e do Núcleo de Apoio a Investigação (NAI) de Tucuruí. Sob comando do delegado Matheus Omizzolo.

Segundo o delegado Matheus Omizzolo, o preso, apresentava-se às vítimas como curandeiro e, mediante condutas como grave ameaça com arma de fogo e ingestão forçada de bebidas alucinógenas (indicado como um suplemento vitamínico para vacas em lactação) , desta forma o acusado praticava conjunção carnal e atos libidinosos (todos os atos diversos da conjunção carnal), além de intimidar as vítimas ao dizer que iria lhes “lançar trabalhos”. Não achando suficiente, Cristinaldo  benzia ainda, os objetos das vítimas, apropriava-se de joias de ouro e dinheiro em espécie, e não devolvia aos proprietários. 

“O criminoso, secretamente, filmava e fotografava os atos sexuais, e entrava em contato com as vítimas, divulgava, quando não,  ameaçava divulgar os registros caso elas procurassem a Polícia ou não se submetessem mais aos desejos do estuprador”, explica o delegado. Acredita-se que mais vítimas poderão surgir após a prisão do indivíduo, o qual será recambiado à comarca de Novo Repartimento/PA assim que possível. (Luiz Claudio Oliveira)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.