Connect with us

Bico do Papagaio

Oficinas do Programa de Educação Alimentar e Nutricional acontecem esta semana em Wanderlândia e Darcinópolis

Publicado

em

Com objetivo de reduzir os índices de insegurança alimentar e nutricional e melhorar a qualidade de vida das famílias, o Governo do Tocantins, por meio da Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (Setas) inicia, nesta segunda-feira, 14, as oficinas de capacitação em Educação Alimentar e Nutricional, para famílias dos municípios de Wanderlândia e Darcinópolis, no Bico do Papagaio.

A proposta é estimular a adoção de hábitos alimentares saudáveis, incentivando a produção e o consumo de alimentos regionais para enriquecer a alimentação e conscientizar sobre os aspectos higiênicos sanitários, ambientais e culturais.

“As oficinas serão ministradas em duas etapas, com palestras sobre a importância da alimentação saudável e oficinas práticas de aproveitamento integral dos alimentos com preparação de receitas, utilizando o produto em sua totalidade”, informa a gerente de Segurança Alimentar e Nutricional da Setas, Jéssica Santana Oliveira. (Com informações de Eliane Tenório)  

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Bico do Papagaio

ARAGUATINS: Justiça Federal determina que Incra publique portaria de demarcação de território quilombola na Ilha de São Vicente

Publicado

em

A pedido Ministério Público Federal (MPF) a Justiça Federal determinou que, no prazo de 30 dias, o Incra (Instituto Nacional De Colonização e Reforma Agrária) publique a portaria de demarcação do território quilombola da Ilha de São Vicente, localizado no município de Araguatins, no Bico do Papagaio. A decisão foi proferida na última segunda-feira (25).

A Ilha de São Vicente foi reconhecida como território quilombola em 2010, mas a falta de regularização faz com que o local sofra constantemente com invasões e brigas territoriais. Atualmente moram na região 48 famílias quilombolas e 25 ocupantes não-quilombolas, desprovidos dos respectivos títulos de propriedade.

Para o MPF, a omissão administrativa do Incra representa lesão à integridade da posse e da propriedade do grupo tradicional, em contrariedade à Constituição Federal, comprometendo o estabelecimento da identidade cultural dos quilombolas e o exercício de atividades econômicas sobre a terra, além de fomentar a ocorrência de conflitos.

Apesar do longo prazo, desde o início do reconhecimento, a finalização do processo de regularização da terra não poderá ser feita agora devido às restrições de contato social impostas pela pandemia da covid-19, por isso a Justiça Federal determinou inicialmente apenas a publicação da portaria, pois não requer o deslocamento de servidores ao local. Para o procurador da República Thales Coelho “a publicação da portaria representa uma vitória para a comunidade, pois é a retomada do processo que já está na fase final, além de representar mais segurança para as famílias”.

A decisão prevê ainda multa R$ 500 por dia de atraso na publicação da portaria.

Íntegra da ação
Íntegra da decisão

Continue lendo

Bico do Papagaio

AUGUSTINÓPOLIS: Chega a 40 pessoas que contraíram a Covid-19. Metade está curada

Publicado

em

Continue lendo

Bico do Papagaio

ARAGUATINS: Sanitizações continuam acontecendo

Publicado

em

Durante esta semana, mais ações de sanitização aconteceram em Araguatins, município do Bico do Papagaio. A ação é do Governo do Tocantins, por meio do Corpo de Bombeiros Militar e defesa Civil, no enfrentamento ao Covid-19.

A sanitização, determinada pelo governador Mauro Carlesse, visa higienizar locais onde circulam um grande número de pessoas e desta forma eliminar não só o vírus Sars-CoV-2, mas também bactérias e fungos presentes nesses locais.

Estão sento sanitizados, rodoviária, feira, agências bancárias, pontos de ônibus, entre outros.  A higienização ajuda a impedir que o vírus circule, quebrando com isso a contaminação comunitária nesses locais, tornando possível e mais segura a entrada das pessoas nesses espaços públicos.

Continue lendo
publicidade