Connect with us

Bastidores

OPINIÃO: Eleições 2020 – Os 3 tipos mais comuns de políticos vistos em ano eleitoral

Publicado

em

Estamos em ano eleitoral, embora em uma situação atípica devido as intempéries advindas da COVID-19, pandemia que assola todo o mundo, trazendo incertezas e até modificações no calendário político das próximas eleições. Mas, mesmo em meio a este clima de incertezas, o processo eleitoral se intensifica cada vez mais, e já é comum ver os pretensos candidatos se apresentarem aos eleitores por meio das mídias sociais, tendo em vista as limitações e normas de distanciamento atualmente impostas na grande maioria das cidades no Brasil.

No passado, nesta época era tempo de receber aquela visita do amigo que há muitos anos não se via, aquele adesivo de manifesta amizade com o fulano de tal e principalmente ver os próprios nas ruas beijando crianças, abraçando as pessoas, entrando nas casas porta adentro para tomar aquele cafezinho ou almoçar sem mesmo ser convidado, sim, me refiro a alguns bons e velhos políticos. Hoje em dia, diante do atual contexto, quase toda essa movimentação fica por conta das redes sociais, mas os atores principais continuam sendo os mesmos já citados.

Afim de tecer um breve comentário, neste ensaio sobre o cenário da pré-campanha eleitoral, à guisa de ilustração, tomando por base as muitas características de alguns políticos, iremos fazer uma explanação dos 3 (três) tipos mais comuns destas ilustres figuras que nesta época normalmente se destacam, senão vejamos.

A primeira, podemos classificar como o “Político Melancia”: Verde por fora e vermelho por dentro. Não me refiro a qualquer posição partidária ou ideológica especificamente, embora as cores citadas possam assim sugerir. Na verdade, com este exemplo, me refiro à habilidade que alguns políticos detêm ao maquiar seus verdadeiros valores e intenções. Embora suas palavras e propostas sinalizem para um lado, dentro de si nutri sentimento totalmente contrário e num eventual mandato acaba por revelar verdadeiramente o que pensa e qual bandeira de fato ele defende.

Em segundo lugar, citamos o “Político Surfista”. Este como o próprio exemplo remete, fica aguardando a melhor onda que possa surfar. É aquele político oportunista, vai para o lado que lhe aparenta vencedor e que esteja no gosto do eleitorado. Para ele não importa se há ou não identidade de pensamento, basta que o partido esteja bem aceito e pronto, lá está ele. Também, depois de eleito, caso a onda não seja mais interessante, simplesmente vai surfar em outros mares, sem o menor ressentimento.

E o terceiro e último exemplo destacamos o “Político Ano Bissexto”. Um ano bissexto é um ano com 366 dias em vez de 365, cada 4 anos acrescenta-se um dia ao final do mês de fevereiro. Semelhante a esta alteração no calendário, alguns políticos também aparecem de 4 em 4 anos e depois de eleitos voltam a desaparecer. E neste ano, acredite, já é possível vê-los por aí nas ruas de nossa cidade, é um fenômeno incrível que em ano eleitoral não falha.

Diante dos 03 (três) dos exemplos acima citados, não se quer ofender ou atentar contra a classe política em geral, mas sim fazer uma provocação que leve a reflexão do eleitor, que é o destinatário final de todo processo e é o detentor do voto. Quanto mais informação e senso crítico, mais consciente será o eleitor no momento do seu voto.

Quantos não se decepcionaram em ver aquele combatente defensor abandonar a causa ou se quer defendê-la depois e eleito? Quantos não se entristeceram ao saber que aquele político fiel e religioso só estava nas igrejas em ano eleitoral e depois desapareceu dos templos? Por isso é importante esta reflexão.

Um eleitor bem informado está menos sujeito à ser enganado, dificilmente será levado ao erro com estas técnicas de persuasão, comumente utilizadas pelos maus políticos, que só pensam em angariar votos e alcançar seus objetivos pessoais.

Neste ano, para não ser ludibriado e ao final se ver mais uma vez decepcionado, pesquise, busque saber a trajetória de seu candidato e se de fato seu histórico de vida condiz com suas promessas. Veja se de fato o pretenso candidato nutri os valores que apregoa e não é só mais uma onda que tenta surfar para agradar o eleitorado. Se pergunte se alguma vez este candidato já defendeu alguma demanda ou projeto que interesse ao seu bairro, sua região, por exemplo.

Enfim, são inúmeras as classificações que podem ser construídas e não poderão ser exauridas neste breve ensaio, contudo, fica um importante recado, a arma do eleitor é a informação, votar de forma consciente é a melhor maneira de contribuir com a mudança na política e assim alijar aqueles que só visam benefício próprio e não tem o menor pudor de ajustar o discurso a cada instante na busca por votos, sem nenhum compromisso à não ser consigo mesmo.

VALCY RIBEIRO – Advogado

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Bastidores

Estudante da Católica Dom Orione é candidato a vereador em Araguaína

Publicado

em

O Jornalista Ricardo JM, estudante de Direito na Faculdade Católica Dom Orione em Araguaína -TO, teve a sua candidatura a vereador aprovada pelo partido PROS no município. Ele é formado em Gestão Pública, e trabalha na área da comunicação há mais de 13 anos, defendendo os valores cristãos, a vida, a família, a liberdade religiosa e atuando contra a ideologia de gênero nas escolas do Tocantins.

Segundo Ricardo JM, uma de suas bandeiras enquanto parlamentar, será o foco no empresariado do município: “Quando temos um comércio forte, temos uma economia forte, se temos uma economia forte, temos mais emprego, mais oportunidade, mais renda e um povo forte e independente”, disse Ricardo JM.

Para o candidato, é importante que o município trabalhe o fortalecimento desse segmento empresarial e a atração de novas empresas para o município.

Quem é Ricardo JM?

Ricardo JM é formado em Gestão Pública, estudante do Curso de Direito; evangélico, casado com a advogada Luciane Costa e pai de três filhos.

Como defensor da família, Ricardo JM ganhou notoriedade no Tocantins por meio de seu trabalho jornalístico desenvolvido há mais de 13 anos pelo site conservador JM NOTÍCIA, no qual aborda temas informativos e relevantes para a sociedade.

Ricardo JM venceu um processo movido contra ele pelo ex-deputado Jean Wyllys após denunciar o Projeto de Lei 5002/2013 de autoria do parlamentar, que tratava da possibilidade da mudança de sexo de crianças, mesmo sem o consentimento dos pais. A Justiça Federal arquivou a ação.

Foi o primeiro jornalista no Tocantins que deu publicidade às portarias estaduais que implantavam a ideologia de gênero no ensino fundamental, infantil e ensino médio. Os atos foram revogados.

Ricardo JM denunciou a portaria da Secretaria da Educação que aboliu a comemoração dos Dias das Mães nas escolas do Tocantins. Agora somente se comemora o Dia de quem cuida de mim.

Por seu trabalho em defesa dos valores cristãos e da família, ele recebeu homenagem na Câmara dos Deputados feita pelo Deputado Federal Otoni de Paula.

ARAGUAÍNA

Durante o pico da pandemia da covid-19, Ricardo JM encabeçou o movimento pela reabertura dos templos religiosos no município e também mostrou por meio das redes sociais, a situação caótica que os empresários estavam passando, devido ao fechamento do comércio.
Pautas: Na Câmara, entre as várias pautas que o jornalista irá defender, estão:

Família, Igreja,

Comércio Forte,

Distrito Agroindustrial de Araguaína (DAIARA) mais cuidado e + valorizado;

Incentivar a instalação de novas empresas no município para a geração de novas vagas no mercado de trabalho;

Inclusão social;

Projetos sociais nos bairros + carentes;

Rádio Gospel 100% evangélica;

Gabinete Itinerante;

Contra a ideologia de gênero nas escolas.

Continue lendo

Bastidores

Candidatos podem começar campanhas neste domingo, 27. Veja as regras

Publicado

em

As campanhas dos candidatos às eleições municipais se iniciam neste domingo (27) em todo o Brasil e se estenderão, para algumas modalidades, até a véspera do pleito, que ocorrerá, em primeiro turno, em 15 de novembro. Os candidatos a prefeito e vereador estarão autorizados a pedir votos e divulgar propostas nas ruas, na internet e na imprensa escrita. A propaganda gratuita em rádio e televisão só terá início em 9 de outubro.

A internet será ferramenta indispensável para as campanhas, que terão que se adaptar às recomendações de isolamento social em decorrência da pandemia de COVID-19. No ambiente virtual, a publicidade eleitoral poderá ser feita nos sites dos partidos e dos candidatos, em blogs, postagens em redes sociais e aplicativos de mensagens, como WhatsApp e Telegram.

A Justiça Eleitoral, porém, formulou regras para a campanha online, que deverão ser observadas rigorosamente pelos partidos, candidatos e suas equipes. Estão vedados, por exemplo, os impulsionamentos de publicações feitas por terceiros, o disparo em massa de mensagens e a propaganda em sites de quaisquer empresas, organizações sociais e órgãos públicos.

Os candidatos também serão responsabilizados por conteúdo enganoso ou descaracterizado que forem utilizados em suas ações de campanha.

As propagandas estimuladas nos sites de relacionamento, permitidas quando realizadas pelos candidatos ou partidos, deverão ser sinalizadas claramente como conteúdo de divulgação.

Nas ruas, será permitido o posicionamento de mesas com material impresso e bandeiras móveis entre 6h e 22h, desde que não atrapalhem o trânsito de veículos e pedestres. Os carros de som só serão permitidos em carreatas, passeatas ou durantes comícios e reuniões.

A Justiça Eleitoral vem estimulando a população a fazer o controle social da propaganda eleitoral. Além da possibilidade de denúncias nos cartórios eleitorais e no Ministério Público Eleitoral, será lançado em 27 de setembro o aplicativo Pardal, específico para informar irregularidades de campanhas. Todas as denúncias requerem identificação do cidadão denunciante.

Veja as principais permissões e vedações de atividades de campanhas a partir de domingo:

  • A distribuição de santinhos e adesivos será permitida até as 22h da véspera das eleições (14 de novembro);

  • Adesivos são liberados em bens privados (automóveis, caminhões, motocicletas e janelas residenciais), desde que não excedam a dimensão de 0,5m2. O material deve conter o CNPJ ou CPF do responsável pela confecção, bem como de quem o contratou, e também a respectiva tiragem;

  • Anúncios na imprensa escrita são permitidos até 13 de novembro e devem respeitar o tamanho máximo do anúncio por edição;

  • Alto-falantes ou amplificadores de som podem ser utilizados das 8h às 22h, até o dia 14 de novembro (um dia antes da eleição), observando-se as restrições de local;

  • Bandeiras e mesas para distribuição de materiais são admitidas ao longo das vias públicas, desde que móveis e que não dificultem o trânsito de pessoas e veículo;

  • Comícios são permitidos até 12 de novembro, entre 8h e 0h e com prévio aviso à autoridade policial em, no mínimo, 24 horas. Apresentação de artistas estão vedadas;

  • Carros de som ou minitrios são permitidos apenas em carreatas, caminhadas, passeatas ou durante reuniões e comícios, respeitando o limite de 80 decibéis e restrições de local;

  • São proibidas as propagandas via telemarketing em qualquer horário, bem como por qualquer meio de disparo em massas de mensagens instantâneas sem anuência do destinatário.

Na Internet 

  • Propagandas eleitorais são permitidas em sites dos candidatos, partidos e coligações. O endereço eletrônico deve ser comunicado à Justiça Eleitoral e hospedado em provedor estabelecido no país;

  • É proibida a veiculação de propaganda eleitoral em sites de pessoas jurídicas, com ou sem fins lucrativos, e em portais oficiais ou hospedados por órgãos ou entidades da administração pública direta ou indireta;

  • Mensagens eletrônicas são permitidas apenas para endereços previamente cadastrados gratuitamente pelo candidato, partido político ou coligação;

  • A campanha pode ser feita por meio de blogs, redes sociais, aplicativos de mensagens instantâneas, mas o conteúdo deve ser gerado ou editado pelos candidatos, partidos ou coligações. Todo impulsionamento deverá conter, de forma clara e legível, o número de inscrição no CNPJ ou CPF do responsável, além da expressão “Propaganda Eleitoral”;

  • São vedados impulsionamentos de posts e mensagens por terceiros.
Continue lendo

Bastidores

Candidatos, partidos e eleitores devem ficar atentos aos prazos que começam neste sábado, 26

Publicado

em

Com a proximidade das Eleições Municipais de 2020, cujo primeiro turno acontecerá no dia 15 de novembro, candidatos, partidos e eleitores devem ficar atentos a alguns prazos eleitorais que se iniciam neste sábado (26).

A partir desta data, cartórios eleitorais e secretarias dos tribunais eleitorais permanecerão abertos aos sábados, domingos e feriados. Devido a tal fato, a partir deste dia, os prazos processuais relativos aos feitos das Eleições de 2020 – com exceção dos submetidos ao procedimento do artigo 22 da Lei Complementar nº 64/1990 – não se suspenderão aos sábados, domingos e feriados.

De 26 de setembro até 18 de dezembro de 2020, o mural eletrônico, mensagens instantâneas e mensagens eletrônicas serão utilizados para as comunicações da Justiça Eleitoral em processos de registro de candidatura, em representações, reclamações e direito de resposta e em prestações de contas, observadas as regras específicas das resoluções respectivas.

mural eletrônico é o sistema oficial de publicação de intimações, notificações e comunicações realizadas pelos cartórios eleitorais e pela Secretaria do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no andamento de representações, reclamações e pedidos de resposta previstos na Lei nº 9.504/1997 (Lei das Eleições), de pedidos de registro de candidatura, bem como de prestação de contas de candidatos eleitos, disciplinado pelas normas editadas pelo TSE relativas aos pleitos regulares e suplementares.

Também neste mesmo período (de 26 de setembro a 18 de dezembro), o Ministério Público será intimado das decisões e dos despachos por meio eletrônico e, dos acórdãos, em sessão de julgamento, quando nela forem publicados.

Ainda segundo o calendário eleitoral, a publicação dos atos judiciais será realizada também de 26 de setembro a 18 de dezembro de 2020, em mural eletrônico, disponível no site do tribunal eleitoral, com o registro do horário da publicação. Já os acórdãos serão publicados em sessão de julgamento.

Plano de mídia

Outro fato importante do calendário eleitoral que acontece a partir deste sábado (26) é a convocação, pelos juízes eleitorais responsáveis pela propaganda, dos partidos políticos e da representação das emissoras de rádio e de televisão para a elaboração, até 7 de outubro de 2020, de plano de mídia para uso da parcela do horário eleitoral gratuito a que tenham direito.

Também começa amanhã o prazo para realizar o sorteio para a escolha da ordem de veiculação da propaganda em rede e de inserções provenientes de eventuais sobras de tempo, de acordo com o determinado pelos artigos 50 e 52 da Lei nº 9.504/1997.

Confira todos os prazos do calendário das Eleições 2020.

Continue lendo
publicidade Bronze