Connect with us

Bico do Papagaio

OPINIÃO: Sobre a Polícia

Publicado

em

Curto a polícia. Ela garante a repressão ao crime e à violência. A gente vai à rua e fica até tarde (costumo ficar na rua até a madrugada) porque sabe que há segurança.

Muito bom que seja assim. Esse é um aspecto positivo da existência da polícia. Mas há os negativos.

Meu pai me dizia: “Polícial não é amigo de ninguém.” Ele disse isso depois de um tio meu ter sido acertado na bunda por uma bala da polícia. Mas ele já dizia isso o tempo todo. Por que?

Ele é remanescente da época em que a polícia dispunha de poder de polícia, juiz e algoz de suplícios — não me diga que ainda há força policial assim, pra não cairmos em redundância desnecessária.

Tenho amigos policiais. Muitos. São gente comum, gente boa.

A polícia é a força repressiva do Estado. Pra julgar o mérito da ação policial, você precisa julgar o mérito da ação do Estado. O Estado tem, entre suas obrigações, a de garantir a segurança interna e, quando o faz, o faz a partir da ação policial.

Se você avançou para um mínimo de leitura crítica vai facilmente perceber que o surgimento do Estado se justifica para além da garantia da ordem pós estado de natureza, elemento mítico de explicação ou justificação da existência da sociedade civil, segundo o contratualismo. Sempre que existiu o Estado estavam em jogo os interesses dos grupos dominantes, fossem eles os proprietários de terra, industriais ou grandes corporativistas.

Já dizia São Marques que o Estado é um bureau com a finalidade única e exclusiva de defender os interesses da burguesia. Se o Estado surge com uma finalidade precípua em face da qual alguns indivíduos não dispõem de importância, como a extrema pobreza e os que criticam o telos do Estado, então o Estado vai combatê-los para garantir o cumprimento da sua finalidade. Simples questão teleológica. E ele o faz através do poder de polícia.

A continuidade do texto só não é desnecessária porque o esclarecimento não é algo como o vento, que sentimos no corpo enquanto nos movimentamos ou mesmo quando estamos parados.

Se a polícia é a garantia da lei e da ordem num contexto em que a finalidade do Estado é a garantia dos interesses de uma parcela mínima da população (aquela que concentra o poder econômico), isso quer dizer que a força policial será preparada visando estes objetivos. Se aqueles interesses são indiferentes aos ideais de igualdade e à supressão de todo preconceito, significa que à polícia não interessará uma formação diferente disso. À formação da polícia, Paulo Freire e Karl Marx precisam surgir como meliantes, assim como todos os seus simpatizantes.

Compreender as coisas por esse ponto de vista ajuda a não demonizar a polícia, pois a força policial é condicionada — sim, este é o termo que melhor denota o modelo de formação do policial — para rechaçar tudo o que representa ameaça à ordem cultivada pela minoria detentora de poder econômico em quantidade suficiente para dar as cartas. Ver as coisas assim nos permite perceber o mal na fonte, que reside no Estado, nas suas finalidades, que são as finalidades da minoria que governa, em função da qual a classe política e as instituições também funcionam.

É em nome dessas finalidades que as estatísticas oficiais apresentam elevados números de assassinatos de negros e pobres, dentre outros números vergonhosos, porque isso expressa antes de tudo a indiferença daqueles que estabelecem os objetivos do Estado.

Vamos parar por aqui asseverando que uma transformação do Estado na direção da justiça e da igualdade passa pelo esclarecimento da força policial.

Francisco das Chagas Silva de Assis, o Francisco Sulo, é funcionário público e escritor.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Bico do Papagaio

SÃO MIGUEL: Rio Tocantins recua e algumas famílias começam a voltar para casa

Publicado

em

Moradores que ficaram desabrigados ou desalojados por causa das enchentes começaram a voltar para casa em São Miguel, no Bico do Papagaio. Isso porque o nível do rio Tocantins baixou cerca de quatro metros nos últimos dias.

Por outro lado, ainda há muitos moradores em abrigos públicos na cidade. Há quase 30 dias, a cidade sofre com a cheia. O rio chegou a subir cerca de 11 metros, desabrigando 233 famílias, que estão alojadas em 15 locais fornecidos pela prefeitura.

“A gente retirou esse pessoal para abrigos públicos e a gente tem dado toda a assistência, como alimentação, assistência médica. Fornecemos tanto alimentação pronta, como cestas básicas para aquelas famílias que foram desalojadas e não estão em abrigos públicos”, explicou o coordenador de incidência Paulo da Silva Pereira.

Com essa baixa, a travessia feita de balsa entre São Miguel e Imperatriz voltou a ser feita normalmente. O serviço tinha sido suspenso porque não havia lugar para que a embarcação pudesse ancorar.

Em vários pontos da cidade, a vida começa a voltar ao normal. A principal rua do bairro Bela Vista não está mais alagada, no entanto há muitos estragos causados pela cheia.

O que restou dos móveis está acumulado na frente das casas. Um estabelecimento foi interditado porque pode desmoronar. Mesmo o rio tendo baixado, a orientação da defesa Civil é que as famílias não retornem ainda para as residências.

“Ainda temos o risco de essa água voltar a subir e afetar novamente os moradores. A Defesa Civil está trabalhando na prevenção, tentando conscientizar a população para que não retorne agora até porque juntamente com a Secretaria de Saúde, vai ser iniciado o trabalho de dedetização das residências e das ruas que foram afetadas pela inundação”, explicou o secretário da Defesa Civil, Gustavo Enes.

Mesmo assim, alguns moradores têm retornado. O nível que a água chegou na casa do servidor público Jésser Oliveira está marcado nas paredes. Por 15 dias ele ficou na casa de parentes, mas agora que o rio está baixando, resolveu voltar.

“Não me sinto seguro, mas como a gente está de favor na casa de parentes, eu optei por voltar, na esperança de que o rio não chegue mais ao nível que chegou”, disse.

Nas áreas mais baixas, muitas casas ainda estão tomadas pela água. A dona de casa Joelma Matos o marido e o filho de 4 anos estão em um dos abrigos. Ela conta que não teve tempo de retirar quase nada antes da água subir.

“Está aqui o que eu consegui [retirar]. O meu botijão e a bicicleta do meu filho. Foi o que eu peguei, joguei nas costas e vim. O restante, documento dele, tirei um pedaço pregado no chão”, disse a dona de casa Joelma Matos. (G1)

Continue lendo

Bico do Papagaio

Times do Bico estreiam no Tocantinense 2022

Publicado

em

Este ano, a região do Bico do Papagaio voltou a ter dois representantes na elite do futebol estadual. Os times são o tradicional Tocantinópolis EC (TEC) e o estreante Bela Vista, do município de Cachoeirinha.

O TEC é o atual campeão estadual e é a equipe mais tradicional do estado, vai defender o título buscando sua quarta conquista. O Bela Vista tem à frente da presidência o atacante do Phitsanulok, da League 3 da Tailândia, Gilberto Macena. O time teve uma trajetória meteórica, sendo campeão estadual amador em 2021, conquistando direito de se profissionalizar e disputar a 2ª divisão estadual, onde foi vice campeão, adquirindo o direito ao acesso a elite em 2022.

As duas equipes estrearam no sábado, 22. O Verdão do Bico acabou derrotado no Nilton Santos, em Palmas, perdendo para o Capital por 2 a 1. O Capital saiu na frente com Bombado, mas Alan Maia deixou tudo igual, ainda no primeiro tempo. Na etapa final, Fábio Júnior garantiu o placar da vitória para a equipe de Palmas: 2 a 1.

No estádio Municipal Jorge Filho, em Angico, o Bela Vista saiu na frente com Arnaldo e Maelson ampliou. Na etapa final, Luís Carlos diminuiu para o Araguacema. Com a vitória, o Bela Vista somou os primeiros pontos. A equipe de Cachoeira jogou em Angico por conta do campo estar em melhores condições. (Foto: Lucas Ferreira/ TV Anhanguera)

Continue lendo

Bico do Papagaio

ARAGUATINS: Veículo invade cais e quase bate em mureta

Publicado

em

Um incidente na noite deste sábado, 22, na cidade de Araguatins, no Bico do Papagaio, deixou danos matérias após um veículo descontrolado invadir a área de passeio do cais do porto, que fica na Avenida Beira Rio Pedro Ludovico.

O carro não chegou a atingir pessoas, mas destruiu um banco e por pouco não se chocou contra a mureta de proteção do cais.

A Polícia ainda não confirmou as circunstâncias do incidente.

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze