- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
quarta-feira, 25 / maio / 2022
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img
Array

PARÁ: Águas expulsam famílias pela segunda vez em Marabá

Mais Lidas

Mais 20 centímetros. Foi o que subiu o nível do Rio Tocantins nos últimos dois dias, deixando, novamente, famílias desabrigadas. Aquelas que voltaram para casa com a primeira baixa das águas, ignorando as orientações da Defesa Civil Municipal, agora, sem opção, terão de mudar outra vez para a casa de parentes, imóveis alugados ou aos abrigos da prefeitura. Sexta-feira, 1º, por volta das 18 horas, às águas já estavam a 11,33 metros acima do normal e a enchente volta a tomar muitas casas, conforme o que foi previsto no boletim da Superintendência de Produção Hidráulica da Eletronorte, para estes e os próximos dias.

Uma dos que insistiu em voltar para casa apressadamente foi José Alves, 48 anos, que há 10 dias retornou, depois de ter passado 12 dias abrigado em casa de familiares, por conta da cheia. Ele diz que não pretende mudar novamente, apesar de a água já estar em seu quintal, faltando muito pouco para entrar na cozinha da casa.

“Vamos fazer um tablado e colocar as coisas em cima. Mas, se encher mais que da outra vez, teremos de sair mesmo”, disse o comerciário, indagando, resignado: “Fazer o quê, se nós estamos no caminho dela [água]?”. Nas paredes da casa dele, na Avenida Marabá, ainda está a marca da água, que alcançou 80 centímetros.

Já, Raimundo Pereira dos Santos da Silva, 30, motorista, vizinho de José, só está em casa há quatro dias, tendo ficado uma semana fora. “Achei que a água não fosse voltar”, justificou o homem, ressaltando que estava arrumando tudo para nova mudança que deveria acontecer nesta madrugada. Mas, mesmo assim, ele diz não ter se arrependido de ter voltado para casa antes da hora. “Agora, não vamos voltar logo, porque abril ainda tem muita chuva”, vaticinou.

O cabeleireiro José Antônio Ribeiro da Silva, 40, da Avenida Silvino Santis, no Bairro Santa Rosa, também resolveu voltar logo na primeira baixa das águas, porque, segundo ele, depende do negócio para seu sustento.

“Eu só trouxe a barbearia. Já estava há 18 dias fora”, contou ele, dizendo ainda estar há 15 dias no local. Contudo, com a água beirando a calçada, José Antônio diz estar prestes a mudar pela segunda vez. “Tenho de parar o serviço na barbearia quando não dá mais para passar na ‘feirinha’, porque ninguém vem”, lamentou, explicando que, caso suba mais 30 centímetros, a água invade a casa dele.

Previsão

Por falar em centímetros, o Boletim Informativo de Vazões e Níveis do Rio Tocantins, da Eletronorte, prevê mais subida. Para este sábado, 2, mais 8 centímetros, portanto, deve chegar aos 11,41 metros. Domingo, 3, a régua fluviométrica deve marcar 11,47 metros e, na segunda-feira, 4, 11,51m. Apesar de as previsões fixarem números baixos, é necessário paciência por parte dos desabrigados, para que fiquem por mais tempo nos abrigos, visto que o mês de abril começou agora. Muito ainda estar por vir, conforme as previsões meteorológicas. (Correio Tocantins)

- Publicidade -spot_img
Assinar
Notificar-me
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias