Connect with us

Pará

PARÁ: Aguia perde invencibilidade no Parazão com goleada histórica

Publicado

em

Antes de começar a partida, atenções voltadas para o horário do jogo, que começou às 10h deste domingo, 18, na Curuzu. Com o final da partida, o assunto passou a ser a goleada de 6 a 1 aplicada pelo Paysandu sobre o então invicto Águia de Marabá. Com o resultado o Papão fica em segundo lugar, com dez pontos e saldo de sete gols. O Remo, terceiro colocado, também tem dez pontos, mas somente dois gols de saldo.

Placar este que entra para a história, já que desde 2006, os jogos entre os dois clubes nunca terminaram com diferença maior que dois gols. De acordo com estatísticas da FPF (Federação Paraense de Futebol), o 2 a 0 aconteceu somente uma vez, no dia 26 de abril de 2008, quando o Paysandu venceu o Águia no Zinho de Oliveira, em Marabá.

Em relação ao 6 a 1, o último registrado no campeonato foi construído também pelos bicolores, no dia 19 de abril de 2007, em uma das semi-finais do Parazão daquele ano contra o Ananindeua.

O jogo

O juiz apitou e a promessa de um jogo cadenciado por conta do calor foi logo quebrada. Águia e Paysandu fizeram o famoso ‘lá e cá’, mas foi o Paysandu que deixou a redonda na rede. Bruno Rangel aproveitou o cruzamento de Thiago Potyguar e marcou logo aos nove minutos.

O Águia tenta responder com Marcondes em jogada pela esquerda, mas o Paysandu retoma a redonda e avança com Willian que, aos 15, cruza para Bruno Rangel, ex-Águia, fazer o segundo dele e do Papão na partida.

O centroavante do Azulão, Jales, arrisca de fora da área e manda a bola próximo do gol de Fávaro. O Águia se manda ao ataque  com Wando e Vítor Ferraz pela direita. Mas, aos 28, a zaga bicolor afasta mais uma invertida do Azulão e manda a bola nos pés de Moisés. O camisa onze avança, entra na área e chuta para marcar o terceiro dos alvi-celestes.

O Águia responde com jogadas na entrada da área do Bicola, mas Fávaro é pouco acionado. Exceto em um chute que Wando pegou a sobra na marca do pênalti e mandou forte no gol. O goleiro bicolor mandou para escanteio.

2º tempo

O Águia volta para o segundo tempo da partida com intuito de buscar o placar e põe o meia Rodrigo, ex-Paysandu, no lugar do zagueiro Darlan. O Azulão ganhou rapidez na ligação da defesa para o ataque, mas ainda chutava pouco ao gol de Fávaro.

Enquanto isso, Allan praticava uma grande defesa em uma falta cobrada por Potyguar, no ângulo esquerdo do arqueiro. O camisa 1 fez ponte e tirou a bola para escanteio.

A bola, então, começou a visitar às linhas de fundo de ambos os times, mas nada de rede. Até que, aos 33 minutos, Moisés recebe na direita, passa do zagueiro e cruza rasteiro para Thiago Potyguar deixar lá dentro. É o quarto do Papão.

Bola recolocada em jogo e Zeziel retoma para o Paysandu. Ele toca errado e Rodrigo aproveita para lançar Garrinchinha, que tinha acabado de entrar, dentro da área bicolor. Leandro Camilo e é pênalti para o Azulão. Jales tira de Fávaro e diminui, aos 36, para os marabaenses.

Dois minutos depois o nome de Didi, outro que tinha acabado de entrar, mas do lado do Paysandu, aparece na partida. Potyguar arranca pela esquerda e chuta no gol. Allan salva o Águia, mas a bola cai nos pés do centroavante bicolor, que coloca a redonda no canto e marca, aos 38 minutos.

O Águia permanece em busca de diminuir a diferença no placar, mas um passe errado dá contra ataque ao Papão, que sobe com Zeziel. Ele cruza na área e encontra Moisés, aos 43, para marcar o sexto do Papão e acabar com a invencibilidade do Azulão, que permanece em primeiro lugar na tabela, com 12 pontos. (Portal ORM)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

MARABÁ: Foram sepultadas nesta terça, 1º, ex-secretária de Turismo e filha mortas por pistoleiros

Publicado

em

Os corpos de Vanuza Barbosa, 41 anos, e sua filha, Jackciane Barbosa, 25 anos, foram enterrados na manhã desta terça-feira (1º) em um cemitério no núcleo São Félix, no bairro Novo Progresso, em Marabá, na região de Carajás, no estado do Pará.

As vítimas foram assassinadas na noite de domingo (29) em uma chácara que fica no núcleo São Félix. De acordo com informações preliminares colhidas pela Polícia Civil, Vanuza foi assassinada com um tiro no rosto e a Jackciane com um tiro no rosto e outro no peito.

Vanuza Barbosa foi secretária de turismo do município no período de 2009 a 2012. Jackciane Barbosa é bacharel de Direito e passou recentemente na proba da OAB.

Polícia Civil informou que investigação do caso segue em sigilo e que nenhum suspeito foi preso ainda.

Continue lendo

Pará

“Novo Cangaço” volta a atacar no Pará

Publicado

em

Uma quadrilha tomou as ruas de Cametá, no interior do Pará, a 235 km de Belém, no começo da madrugada desta quarta-feira (2), para assaltar bancos. Moradores relataram em redes sociais uma noite de terror. Um morador da cidade identificado como Alessandro de Jesus Lopes foi morto pelos assaltantes após ser feito de refém.

A ação tem características semelhantes à registrada em Criciúma, no Sul de Santa Catarina, na madrugada desta terça (1º), em que uma quadrilha também fez ataques pelo município em ação para assaltar uma agência bancária.

Assim como ocorreu em Criciúma, a quadrilha que atacou Cametá também usou reféns como escudos para se locomover pelas ruas da cidade. As pessoas foram capturadas em bares. Os criminosos atiraram para cima durante mais de uma hora. O grupo usou armas de alto calibre e explosivos.

Um quartel da Polícia Militar (PM) foi atacado, impedindo a saída dos policiais. Esse método também foi utilizado pelos homens que levaram terror a Criciúma.

“Muita gente estava assistindo ao jogo, os bares estavam lotados”, diz Márcio Mendes, morador da cidade, em entrevista a GloboNews. “Renderam as pessoas e levaram para frente da base da Polícia Militar.”

Ao menos 2 agências bancárias foram atacadas, segundo relatos de moradores. Uma, do Banco do Brasil, fica no prédio da Câmara dos Vereadores e ficou destruída. A outra é do Banpará, o banco estadual.

Os bandidos deixaram a cidade por volta de 1h30. Segundo a PM, o grupo fugiu usando carros e barcos – a cidade fica às margens do Rio Tocantins. Ainda não se sabe o que foi levado, qual é o tamanho da quadrilha e se alguém foi detido.

Por volta das 2h, o prefeito da cidade pediu que as pessoas ficassem em casa. “Nossa cidade sempre foi pacífica”, escreveu Valente.

Cametá é uma das 10 maiores cidades do Pará, com cerca de 136 mil habitantes, segundo o IBGE.

O governador Helder Barbalho (MDB) disse que acompanha o caso.

“Já estou em contato com a cúpula da segurança pública do Estado acompanhando as providências que estão sendo tomadas neste episódio, no município de Cametá. Não mediremos esforços para que o quanto antes seja retomada a tranquilidade e os criminosos sejam presos. Minha total solidariedade ao povo cametaense”, escreveu governador.

Em 2020, o estado registrou ao menos dois outros assaltos semelhantes: um em Ipixuna do Pará, em 30 de janeiro, e em São Domingos do Capim, em 3 de abril. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, “praticamente todos os envolvidos” foram presos.

Cametá está localizada às margens do Rio Tocantins, próximo à Ilha do Marajó, no Norte do estado. O acesso à cidade não é considerado fácil. Muitas pessoas usam barcos pela região.

Continue lendo

Pará

REDENÇÃO: Operação Seguro Fake apura fraudes em benefícios do seguro desemprego

Publicado

em

A Polícia Federal deflagrou nesta manhã de terça, 1, a Operação Seguro Fake II, que visa apurar esquema de fraudes ao seguro desemprego, e outros benefícios sociais, no Pará.

Foram cumpridos 16 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 4ª Vara Federal da Seção Judiciária de Belém, a maioria deles relacionados a alvos localizados na cidade de Redenção/PA, sendo um dos  mandados cumprido em Palmas/TO. A Justiça determinou também a indisponibilidade de bens de quatro alvos, para fins de ressarcimento dos prejuízos causados à Fazenda Pública, que comprovadamente já ultrapassam o valor um milhão de reais.

Os crimes investigados são o estelionato previdenciário (art.171, parágrafo 3, do Código Penal), inserção de dados falsos em sistema de informação (art.313-A do Código Penal) e organização criminosa (art.2, caput, da Lei n° 12850/2013).

Continue lendo
publicidade Bronze