Connect with us

Pará

PARÁ: Ana Júlia discute com Hugo Chávez rota de navios entre Pará e Venezuela

Publicado

em

CARACAS – A governadora Ana Júlia Carepa está em Caracas, para discutir com o presidente Hugo Chávez acordos de cooperação comercial e na área do conhecimento entre o Pará e a Venezuela. Uma das principais propostas que o governo paraense apresentará ao presidente venezuelano é a abertura de uma rota regular de navios cargueiros da estatal Albanave (Aliança Bolivariana de Navegação) com contêineres refrigerados entre o porto de Vila do Conde e a Venezuela.

O objetivo da proposição é ampliar e intensificar as relações comerciais entre o Pará e os países do Caribe, com foco nas exportações de produtos como carne, polpas de frutas, pescado e madeira beneficiada. Em reunião, na manhã desta terça-feira, 10, com os 32 membros da missão paraense, formada por empresários e dirigentes de órgãos dos governos estadual e federal, a governadora destacou que Hugo Chávez tem grande interesse nesse intercâmbio com o Pará. “Depois de duas visitas recentes do presidente venezuelano ao Pará, nossas exportações para a Venezuela dobraram”, disse.

Gás

Na via de mão dupla da rota de navegação entre o Pará e o Caribe, os governos paraense e venezuelano estudam a viabilidade logística para implantação, em Barcarena e Marabá, de termelétricas com estrutura para fazer o processo de regaseificação do gás natural que viria da Venezuela em estado líquido. “Trata-se de uma energia limpa, compatível com a economia verde e de baixo carbono que defendemos”, frisou Ana Júlia. Segundo a governadora, essa alternativa energética é apoiada, no Pará, pela Eletronorte e por parceiros da área privada, como a Gás Pará, autora do projeto da termelétrica em Barcarena. O gás natural pode ser usado pela indústria em geral, por padarias e como combustível para automóveis, com baixo custo.

“Temos infraestrutura logística para sustentar os acordos que estamos discutindo”, garantiu a governadora, destacando que as obras do PAC no Pará incluem a ampliação do Porto de Vila do Conde e a construção de mais um terminal em Barcarena, com acesso pelo mar.

Para a governadora, os interesses que movem as relações com a Venezuela não são apenas comerciais, mas técnicos e culturais. Prova disso, são as reuniões que ela teve pela manhã com ministros de diversas áreas: Saúde, Ciência, Tecnologia e Ciências Internacionais, Obras Públicas e Habitação, Agricultura e Educação Superior.

Petrocasa

A agenda de negócios entre Pará e Venezuela inclui também estudos de utilização de resíduos de petróleo como material de construção de casas, com custo baixo e rápida montagem. Nesta quarta-feira (11), a missão paraense visitará obras e casas construídas com esse tipo de material ecológico.

Os acordos preveem ainda cooperação técnica entre povos indígenas do Pará e da Venezuela, no sentido de se ampliar o aproveitamento da mandioca naquele país. Atualmente, a yuca (como é chamada a mandioca no país) só oferece como derivados a farinha e o beiju.

Enquanto a governadora Ana Júlia se reúne com ministros e com o presidente Hugo Chávez, empresários paraenses e venezuelanos participam de rodadas de negócios no Banco de Comércio Exterior, em Caracas.

Embora os compromissos da missão paraense se estendam até esta quinta-feira, a governadora retorna no final desta terça-feira para o Brasil, onde tem encontro com o presidente Lula para avaliar os resultados das operações Arco Verde e Terra Legal.

Antes da missão, o titular da Secretaria de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia, Maurílio Monteiro, esteve na Venezuela, em maio, para alinhavar os acordos. Depois disso, missões governamentais venezuelanas estiveram no Pará em junho e outubro.

Além da governadora e de Maurílio, integram a comitiva do governo, entre outras autoridades, os secretários de Agricultura, Cássio Pereira; da Justiça e Direitos Humanos, Fábio Filgueiras; a secretária de Pesca e Aquicultura, Socorro Pena; e o presidente do Basa, Abdias José de Souza Júnior. (João Vital)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

Pará anuncia medidas para população afetada por interdição de ponte

Publicado

em

O ferry boat está garantindo o transporte gratuito de pessoas e veículos

O governo do Pará e a prefeitura de Belém anunciaram uma série de medidas para minimizar e reparar os prejuízos e os transtornos que a interdição da ponte Enéas Martins causou à população da Ilha do Outeiro, um distrito da capital paraense.

Na última segunda-feira (17), os órgãos de segurança interromperam o trânsito de veículos e de pedestres, bem como a navegação de embarcações próxima ao local, logo após serem alertados de que um pedaço da ponte tinha se desprendido sobre o Rio Maguari e uma rachadura se abriu ao longo da via.

Segundo o governo estadual, testemunhas afirmam ter visto uma balsa se chocar contra o pilar central da ponte. Após a interdição, técnicos que vistoriaram a estrutura constataram danos em dois dos pilares de sustentação. A Polícia Civil, no entanto, não descarta a hipótese de os problemas terem sido causados por uma sucessão de colisões.

“Estamos fazendo perícias e, em breve, vamos divulgar a dinâmica: se foi uma embarcação que provocou a queda ou [se foram] sucessivos choques, de diversas embarcações”, disse o delegado Daniel Castro a jornalistas, ontem (23).

Na mesma coletiva de imprensa, o secretário estadual de Transportes, Adler Silveira, anunciou que o governo estadual vai construir uma nova ponte para interligar os distritos de Outeiro e Icoaraci

A nova ponte, de 360 metros de comprimento, utilizará o sistema de cabos-estais, ganhando uma espécie de mastro central onde serão afixados os cabos de aço que sustentarão seu peso. Segundo o governo estadual, a solução permitirá a ampliação do vão de navegação dos atuais 60 metros para 100 metros, aumentando a segurança da navegação. Os pilares remanescentes e todo o resto da estrutura deverão ser integralmente restaurados.

Segundo o secretário estadual de Transportes, as obras começarão imediatamente e devem ser concluídas em até sete meses. A rapidez deve-se ao fato de que o governo estadual será dispensado de selecionar a empresa responsável por meio de licitação pública, conforme destacaram os representante do Ministério Público de Contas do estado, Patrick Bezerra, e do Tribunal de Contas estadual, Marcelo Aranha.

“Necessário frisar que todas as informações das obras devem ser disponibilizadas para análise do Tribunal de Contas para que colaboremos com os órgãos de controle”, disse Aranha. “Na medida em que a fiscalização avançar, encaminharemos as conclusões à Setran para as medidas cabíveis.”

Para permitir que as milhares de pessoas que vivem na Ilha do Outeiro acessem a área continental e que turistas atraídos pela orla urbanizada da ilha façam o caminho inverso, o governo estadual disponibilizou barcos e balsas que estão fazendo a travessia ininterrupta de veículos e pedestres. Nas lanchas rápidas que transportam passageiros entre a ilha e o Trapiche de Icoaraci, a travessia dura cinco minutos. Já nos ferry-boats destinados a transportar veículos entre o porto da Brasília, em Outeiro, e o Terminal Hidroviário de Belém, a viagem pode durar cerca de 1 hora.

Prefeitura

A prefeitura de Belém também anunciou, ontem, medidas emergenciais e assistenciais que contemplam os moradores de Outeiro afetados pela interdição da ponte. Uma das medidas busca ampliar o número de beneficiários do programa Bora Belém entre as famílias residentes no distrito que vivem em extrema pobreza. Executado em conjunto com o governo estadual, o programa repassa de R$ 150 a R$ 450 mensais a cada família, conforme o número de filhos.

Outra medida contemplará, por pelo menos seis meses, os donos e os funcionários das barracas de praia, que receberão uma ajuda de R$ 500, e os trabalhadores autônomos e informais cadastrados pela prefeitura, que receberão R$ 300. No total, a prefeitura prevê um investimento da ordem de R$ 1 milhão para auxiliar os profissionais ligados ao atendimento turístico.

Segundo o prefeito Edmilson Rodrigues, o Banco do Povo de Belém também vai abrir uma linha de crédito solidário de R$ 1 milhão para emprestar aos pequenos empreendedores do distrito recursos para a manutenção de capital de giro e para cobrir custos fixos.

Além disso, a prefeitura promete outros investimentos em saúde e em ações sociais. “Apresentamos um conjunto de ações imediatas como o reforço das Unidades de Saúde, o aumento de funcionários, garantia de uma ambulancha [ambulância náutica], intensificação da vacinação e a instalação da Unidade Fluvial de Saúde, inaugurada recentemente para atender a população”, afirmou Rodrigues. (Alex Rodrigues)

Continue lendo

Pará

MARABÁ: Sinobras doa mil recargas de botijões de gás para famílias desabrigadas

Publicado

em

A Prefeitura de Marabá recebeu, na manhã desta segunda-feira (24), por meio de doação da empresa Aço Cearense/Sinobras, mil recargas de botijões de gás de cozinha para serem doadas às famílias desabrigadas pela enchente do rio Tocantins, que já atingiu mais de 4 mil famílias.

O termo de assinatura, feito no gabinete do Prefeito Sebastião Miranda Filho, contou com a presença do Gerente de Suprimentos da empresa, Rayner Caldeira Leite. “É uma satisfação muito grande para a Sinobras, pois estamos sempre apoiando as prefeituras e a comunidade e acompanhando tudo que está acontecendo e focado nas necessidades. Neste final de semana, fizemos a doação de 4.000 cestas básicas e agora a doação de mil recargas de gás para a população e estamos sempre dispostos a ajudar”, afirmou Rayner Caldeira Leite.

A Prefeitura de Marabá, através da Defesa Civil e Secretaria de Assistência Social, montará uma estratégia para realizar a distribuição do gás de cozinha para que possa atender as famílias. A pessoa leva o botijão vazio e volta com ele cheio.

“A Sinobras sempre foi parceira da cidade de Marabá e sempre nesses momentos difíceis, nesse estado de emergência, como estamos agora, na enchente, veio nos trazer essa ajuda de 1.000 botijões de gás e esse gás vai dar um gás a mais para essas pessoas que estão nos abrigos. São botijões cheios que trocaremos por vazios e vai servir para essa comunidade mais pobre que está com muita dificuldade nesse momento”, destacou Sebastião Miranda Filho, Prefeito de Marabá.

Continue lendo

Pará

Assista o Conexão Rural deste final de semana – Dias 22 e 23

Publicado

em

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze