Connect with us

Pará

PARÁ: Após escolha de Jatene, Almir Gabriel pede desfiliação do PSDB

Publicado

em

almir_gabrielO dia de festa dos tucanos terminou com o gosto amargo da ressaca. De Bertioga, onde se autoexilou desde a derrota tucana para os petistas em 2006, o ex-governador Almir Gabriel anunciou sua desfiliação do PSDB, partido que ajudou a fundar há 21 anos.

Num comunicado, ditado por telefone, Almir Gabriel, explica que tomou a decisão “em razão dos atuais desvios dos princípios políticos e éticos que alicerçavam” o PSDB do Pará. Também lamentou a escolha de Simão Jatene como pré-candidato ao governo, segundo ele, “fundada na tola e odiosa discriminação aos idosos”. Aos 77 anos, Gabriel afirmou na última entrevista que concedeu que estava pronto para governar mais uma vez o Pará. “Estou feliz da vida e nenhuma junta dói”, brincou, em reportagem publicada neste jornal 20 dias antes do anúncio do acordo entre Mário Couto e Jatene que garantiu ao último a pré-candidatura tucana ao governo.

A saída de Almir Gabriel do PSDB representa o fim de uma era dentro do partido e é o saldo de uma queda-de-braço com o ex-amigo e pupilo Simão Jatene. Em 2002, Almir com a teimosia com que ficou conhecido, enfrentou aliados e tucanos de todas as plumagens para fazer do então secretário de Produção, Simão Jatene, o governador do Pará. Numa eleição disputadíssima com a candidata petista Maria do Carmo, Jatene se elegeu, mas quatro anos depois, não concorreu à reeleição, embora pesquisas encomendadas pelo PSDB apontassem alto índice de aprovação do governo. Gabriel foi o candidato e acabou derrotado por Ana Júlia Carepa. Mudou-se para Bertioga e só voltou ao noticiário político no início deste ano, lutando para fazer de Mário Couto o candidato ao governo contra Simão Jatene, de quem o ex-governador se tornou desafeto. Almir Gabriel culpava o ex-pupilo pela derrota em 2006 a quem acusava de ter feito “corpo mole” durante a campanha.

A escolha de Jatene como o candidato não teria deixado a ele outra opção senão deixar o partido. Um dos fundadores do PSDB nacional, o médico Almir Gabriel foi prefeito de Belém, senador da República e candidato à vice-presidência na chapa de Mário Covas em 1989. Governou o Pará por dois mandatos entre 1994 e 2002.

O presidente do PSDB do Pará, senador Fernando Flexa Ribeiro, admitiu que Gabriel já acenava com a decisão de deixar o partido, mas afirmou que ainda havia esperanças de demovê-lo da ideia, tarefa que foi dividida entre as lideranças paraenses e nacionais do PSDB. “O que nos surpreende é o fato de ele ter antecipado a decisão”, afirmou Flexa Ribeiro, dizendo não ver razões para o ex-governador deixar a legenda, já que todos só seguiram as lições que aprenderam com ele. “Sempre seguimos e vamos continuar seguindo a orientação que ele deu a todos nós”, completou o senador, para quem Almir foi e será sempre presidente de honra da legenda. “Só tenho a lamentar. Ele não nos deu a possibilidade de continuar as conversas que vínhamos tendo”.

O líder do PSDB na Assembleia, deputado José Megale, disse lamentar a saída, mas afirmou que Almir estava ausente da vida no partido. “(Ele) Já tinha se despedido da vida partidária em outros momentos. Só lamento. Ele era uma pessoa emblemática”, disse Megale, para quem “a vida continua”.

O senador Mário Couto não foi encontrado para falar do assunto. O ex-governador Simão Jatene informou, por meio da assessoria de imprensa, que queria primeiro ver o comunicado de Almir para depois comentar. (Diário do Pará – Foto: Alex Ribeiro)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

Remo, Paysandu, Tuna e Castanhal ficam no empate nas semifinais do Parazão 2021

Publicado

em

As semifinais do Campeonato Paraense 2021, ficaram empatadas. As duas partidas aconteceram neste domingo, 9.

Tuna vs Remo

Tuna e Remo fizeram um bom jogo na manhã deste domingo, dia 9, no estádio do Souza, em Belém. Ambos os times vieram com posturas ofensivas para o jogo, mas quem aproveitou melhor as chances no começo foi o Remo, que abriu o placar com Uchôa, aos 20 da etapa inicial. Em seguida, Léo Rosa marcou de pênalti, aos 34, e empatou a partida. Na segunda etapa, o Leão foi superiou, criou mais chances, levou mais perigo, mas parou em uma atuação de gala do goleiro tunante Gabriel Bubniack. Vaga na final precisará ser definida na quarta-feira, no jogo de volta, no Baenão.

Com o resultado, nenhuma das equipes obteve vantagem para o jogo de volta das semifinais. A vaga na final será decidida na quarta-feira, dia 12, às 19h30, no estádio do Baenão. Caso o segundo jogo termine em empate novamente, a classificação será definida nos pênaltis.

Castalhal vs Paysandu


Castanhal e Paysandu realizaram uma partida fraca tecnicamente e de poucas oportunidades. O destaque do primeiro tempo foi para o atacante Marlon, responsável pelas principais chances no jogo, acertando o travessão de Axel Lopes. O Castanhal tentava chegar à meta de Victor Souza, mas não conseguia dar o último passe de forma correta, ficando a maioria das vezes sob o domínio da defesa bicolor. As coisas melhoraram um pouco mais na etapa complementar, principalmente com a entrada do atacante Fidélis, do Castanhal. Ele deu maior dinamismo ao time, que conseguiu levar certo perigo à meta bicolor. Desta forma, cedeu a oportunidade de ataque do Papão trabalhar no contra-ataque, como foram nas chegadas do volante Elyeser e do lateral-esquerdo Bruno Collaço, que finalizaram bem, mas viram o goleiro Axel evitar que o gol.

Definição da vaga para a final do Parazão 2021 fica para a próxima quarta-feira, dia 12, na Curuzu, em Belém. (Fotos: Samara Miranda/Remo e John Wesley/Paysandu)

Continue lendo

Pará

Assista o Conexão Rural deste fim de semana – 8 e 9 de maio

Publicado

em

Continue lendo

Pará

MARABÁ: Infraestrutura do Novo Terminal de Integração avança

Publicado

em

As obras da construção do novo Terminal de Integração de Marabá não param. O novo espaço pretende reduzir o tempo de espera nos pontos de ônibus e também reduzir custos para o usuário.

O engenheiro civil, Alex Amoury, da Secretaria de Viação e Obras Públicas (Sevop), é o responsável por acompanhar o andamento da obra. Ele conta que no momento os serviços se concentram nos dois blocos onde irão funcionar o setor administrativo e comercial do novo Terminal.

“Nos dois, as fundações foram executadas, assim como a estrutura de concreto, laje pré-fabricada (treliçada), o fechamento em alvenaria com blocos cerâmicos, tubulação de água e esgoto, laje para a caixa d’água, contrapiso dos dois blocos”, explicou o engenheiro.

Além desta etapa, os operários já iniciaram a construção da plataforma de embarque e desembarque que liga o bloco comercial e administrativo, além da construção de banheiros e outros setores.

“O prédio administrativo terá duas lojas na parte inferior, recepção da administração, banheiros masculino e feminino. No piso superior teremos a administração do terminal. Teremos também uma plataforma de aproximadamente 50 metros até o bloco comercial que será composto de seis lojas”, afirmou Alex Amoury.

A proposta é fazer com que a partir do funcionamento do Terminal os veículos possam ter um percurso menor, tendo em vista que serão planejadas novas linhas, num total de 14, atendendo os usuários em todos os bairros, com um tempo de espera bastante reduzido.

Está é uma das obras mais aguardadas para quem utiliza o transporte público em Marabá..

“Com o terminal de integração, numa área central da cidade, todas as linhas irão convergir e dar maior rapidez ao usuário, pois irá diminuir o tempo de viagem. Com o sistema integrado teremos melhor atendimento com conforto e mais segurança”, relatou Jair Barata Guimarães, secretário de segurança institucional e presidente do Conselho Municipal de Transporte do município. (Victor Haor / Fotos: Paulo Sérgio)

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze