Connect with us

Pará

PARÁ: Após escolha de Jatene, Almir Gabriel pede desfiliação do PSDB

Publicado

em

almir_gabrielO dia de festa dos tucanos terminou com o gosto amargo da ressaca. De Bertioga, onde se autoexilou desde a derrota tucana para os petistas em 2006, o ex-governador Almir Gabriel anunciou sua desfiliação do PSDB, partido que ajudou a fundar há 21 anos.

Num comunicado, ditado por telefone, Almir Gabriel, explica que tomou a decisão “em razão dos atuais desvios dos princípios políticos e éticos que alicerçavam” o PSDB do Pará. Também lamentou a escolha de Simão Jatene como pré-candidato ao governo, segundo ele, “fundada na tola e odiosa discriminação aos idosos”. Aos 77 anos, Gabriel afirmou na última entrevista que concedeu que estava pronto para governar mais uma vez o Pará. “Estou feliz da vida e nenhuma junta dói”, brincou, em reportagem publicada neste jornal 20 dias antes do anúncio do acordo entre Mário Couto e Jatene que garantiu ao último a pré-candidatura tucana ao governo.

A saída de Almir Gabriel do PSDB representa o fim de uma era dentro do partido e é o saldo de uma queda-de-braço com o ex-amigo e pupilo Simão Jatene. Em 2002, Almir com a teimosia com que ficou conhecido, enfrentou aliados e tucanos de todas as plumagens para fazer do então secretário de Produção, Simão Jatene, o governador do Pará. Numa eleição disputadíssima com a candidata petista Maria do Carmo, Jatene se elegeu, mas quatro anos depois, não concorreu à reeleição, embora pesquisas encomendadas pelo PSDB apontassem alto índice de aprovação do governo. Gabriel foi o candidato e acabou derrotado por Ana Júlia Carepa. Mudou-se para Bertioga e só voltou ao noticiário político no início deste ano, lutando para fazer de Mário Couto o candidato ao governo contra Simão Jatene, de quem o ex-governador se tornou desafeto. Almir Gabriel culpava o ex-pupilo pela derrota em 2006 a quem acusava de ter feito “corpo mole” durante a campanha.

A escolha de Jatene como o candidato não teria deixado a ele outra opção senão deixar o partido. Um dos fundadores do PSDB nacional, o médico Almir Gabriel foi prefeito de Belém, senador da República e candidato à vice-presidência na chapa de Mário Covas em 1989. Governou o Pará por dois mandatos entre 1994 e 2002.

O presidente do PSDB do Pará, senador Fernando Flexa Ribeiro, admitiu que Gabriel já acenava com a decisão de deixar o partido, mas afirmou que ainda havia esperanças de demovê-lo da ideia, tarefa que foi dividida entre as lideranças paraenses e nacionais do PSDB. “O que nos surpreende é o fato de ele ter antecipado a decisão”, afirmou Flexa Ribeiro, dizendo não ver razões para o ex-governador deixar a legenda, já que todos só seguiram as lições que aprenderam com ele. “Sempre seguimos e vamos continuar seguindo a orientação que ele deu a todos nós”, completou o senador, para quem Almir foi e será sempre presidente de honra da legenda. “Só tenho a lamentar. Ele não nos deu a possibilidade de continuar as conversas que vínhamos tendo”.

O líder do PSDB na Assembleia, deputado José Megale, disse lamentar a saída, mas afirmou que Almir estava ausente da vida no partido. “(Ele) Já tinha se despedido da vida partidária em outros momentos. Só lamento. Ele era uma pessoa emblemática”, disse Megale, para quem “a vida continua”.

O senador Mário Couto não foi encontrado para falar do assunto. O ex-governador Simão Jatene informou, por meio da assessoria de imprensa, que queria primeiro ver o comunicado de Almir para depois comentar. (Diário do Pará – Foto: Alex Ribeiro)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

Helder tem celular clonado e Toni Cunha dispara, “Será que fez bobagem pelo telefone…?”

Publicado

em

Esta semana o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), disse por meio de suas redes sociais, que mais uma vez, teve seu telefone clonado. “Boa noite, pessoal. Fui vítima de crime cibernético. Meu número de telefone foi clonado. Já fiz boletim de ocorrência e estou tomando as providências para resolver o problema”, escreveu.

Encabulado, com a quantidade de vezes que o governador já teve seu aparelho alvo de ataques cibernéticos, o deputado estadual, Toni Cunha (PTB), seu adversário, escreveu. “De novo!! Será que o governador está mal orientado por quem cuida de sua privacidade!!? Toda vez é isso!! Acho que é o governador que mais teve telefones “clonados” na história do Brasil. Vá ser clonado assim “lá na China”!!. Será que fez bobagem pelo telefone e quer dizer que não foi ele?”

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Morre aos 68 anos Faisal Salmen

Publicado

em

Faisal Salmen, médico e primeiro prefeito de Parauapebas, município da região de Carajás, Pará, morreu na noite desta sexta, 23.

Faisal vinha lutando contra as sequelas de um câncer.

Faisal Faris Mahmoud Salmen Hussain, tinha 68 anos e era paulista de Agudos. Foi eleito prefeito de Parauapebas, em novembro de 1988 e cumpriu o mandato de 1989 a 1992.


O atual prefeito de Parauapebas, Darci Lermen (MDB), comentou sobre a morte. “Obrigado Faisal Salmen, nosso primeiro prefeito, por ter compartilhado, com todos nós, tanto carinho e dedicação. Nesse momento doloroso em que a natureza subverte o curso da vida. Parauapebas terá sempre muito orgulho desse cidadão parauapebense. A força de Faisal Salmen vem do seu exemplo e do seu caráter. leal à família, aos amigos, ao povo de Parauapebas, sua garra nos inspira e seu trabalho nos motiva”, disse o gestor.

O corpo de Faisal Salmen será velado na Câmara Municipal de Parauapebas a partir das 15 horas deste sábado e seu sepultamento está marcado para as 18 horas no Cemitério local.

A Prefeitura de Parauapebas decretou luto oficial de três dias.

Continue lendo

Pará

Assista o Conexão Rural deste final de semana – Dias 24 e 25

Publicado

em

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze