- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
terça-feira, 17 / maio / 2022
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img
Array

PARÁ: Cametá se prepara para receber 100 mil turistas neste mês

Mais Lidas

O município de Cametá, apesar de ser mais conhecido pelo Carnaval, deve ser o destino de pelo menos 100 mil pessoas nas férias de julho deste ano. Pelo menos é o que espera a prefeitura, que preparou a infraestrutura e programações culturais para receber os turistas. Os principais atrativos são as praias d’Aldeia, Pacajá e Cametá-Tapera. Alimentação e hospedagem têm custos variados, mas com faixas de preço para várias classes. Saindo de Belém, a viagem, de carro, demora pelo menos seis horas, com acesso pela Alça Viária e travessia em três balsas (R$ 40 pelas três). As estradas estão bastante deterioradas e exigem cuidado dos condutores, principalmente à noite, de madrugada ou durante chuvas.

A Alça Viária está em condições razoáveis, apesar de a sinalização ser quase inútil de tão deteriorada ou mal posicionada. Isso quando há alguma placa. Saindo da Alça, a viagem segue pela PA-252, que está bastante esburacada. Em alguns trechos, as falhas são profundas e durante uma chuva podem formar armadilhas com as poças de água. Entre a primeira e a segunda balsas, a velocidade recomendável é até 100 quilômetros por hora.

Dentro de Cametá, as vias estão em boas condições e os turistas devem chegar até a praia d’Aldeia sem problemas. Porém, o acesso às praias Pacajá e Cametá-Tapera, pela BR-422 e um ramal de três quilômetros, está intrafegável para carros pequenos, pois a estrada é de terra e com muitos buracos. Há atoleiros enormes. O ideal é utilizar picapes 4×4 ou motos (o que também pode ser arriscado). É muito distante para ir a pé. O transporte no município é basicamente feito com carros e motos. É possível ir para quase qualquer lugar com R$ 2 num mototáxi.

A cidade está bastante limpa. Pontos com entulhos ou lixo acumulado são raros, o que deve ser um alívio para quem não aguenta mais a sujeira da Região Metropolitana de Belém (RMB). As praias também estão muito limpas, pelo menos sem a presença de veranistas. As águas são verde escuro, mas são limpas e é possível ver o fundo, diferente dos balneários de água doce mais famosos da RMB, como Mosqueiro e Outeiro, onde a água é turva. Perto da praia d’Aldeia é possível encontrar hotéis, bares e restaurantes. (Portal ORM)

- Publicidade -spot_img
Assinar
Notificar-me
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias