- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
terça-feira, 05 / julho / 2022
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img
Array

PARÁ: Carta em defesa dos rios e povos aponta outras opções para Belo Monte

Mais Lidas

Ao término do seminário “Energia e desenvolvimento: a luta contra as hidrelétricas na Amazônia”, professores e pesquisadores de importantes universidades assinaram no auditório da Universidade Estadual do Pará (UEPA), a “Carta de Belém – Em defesa dos rios, da vida e dos povos da Amazônia”. No documento eles se comprometem a fortalecer grandes frentes contra o barramento dos rios da Amazônia e o movimento para barrar o Complexo Hidrelétrico de Belo Monte, inclusive criando novos comitês, e cobrando debate sobre o assunto no Senado Federal, em Brasília (DF), com a participação dos povos do rio Xingu. O documento será enviado à imprensa, autoridades e organizações locais, nacionais e internacionais.

“O evento é mais uma das nossas ações que visa apresentar à sociedade os elementos técnicos, científicos, políticos, sociais, econômicos e culturais sobre a obra. Contudo, avaliamos que Belo Monte não tem sustentabilidade, e existem outras sugestões para geração de energia no País”, disse Dion Monteiro, que é mestre em Planejamento do Desenvolvimento e componente do Movimento Xingu Vivo Para Sempre (MXVPS), que realizou o seminário.

Algumas alternativas apontadas por Dion envolvem o processo de recuperação do sistema de transmissão de energia e das máquinas e energia que o País já possui. “Com isso, obtém-se o ganho de 8 mil MWh e gasto de R$ 10 bilhões, bem menos que Belo Monte, o qual, segundo estimativa das empreiteiras, gerará 4,5 MWh e custará R$ 30 bilhões. Outras possibilidades são a utilização da energia solar, eólica e biomassa”, sugeriu.

À tarde a palestra tratou sobre “Os diversos olhares sobre a luta contra as hidrelétricas na Amazônia”, ministrada pelo procurador Felício Pontes, do Ministério Público Federal (MPF) no Pará. Contou com a participação de Antônia Melo (MXVPS em Altamira) e o cacique Payré, do povo akrãtikatêjê (Gavião da montanha), que relatou a luta travada contra a Eletronorte desde que iniciou a construção da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, sudeste paraense, no início dos anos 80.

Ações

Segundo o procurador federal, quatro das nove ações judiciais ainda em curso impetradas pelo MPF/PA podem ter a decisão do Tribunal Regional Federal, em Brasília, a qualquer momento. Para o MPE, a mais importante delas trata do mesmo motivo que levou a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da Organização dos Estados Americanos (OEA) a solicitar oficialmente que o governo brasileiro suspenda imediatamente o processo de licenciamento e construção do Complexo Hidrelétrico de Belo Monte na semana passada. “Ela trata dos direitos dos povos indígenas, que não foram ouvidos sobre o projeto, e o governo federal tenta confundir a opinião pública dizendo que as audiências públicas que acontecem para qualquer licenciamento foram as oitivas das comunidades indígenas. Não é verdade. Uma coisa é audiência pública para licenciamento ambiental e outra é oitiva de comunidade indígena que deve ser feita pelo Congresso Nacional. E isso nunca houve”, garantiu Felício Pontes.

A senadora Marinor Brito (PSOL), o deputado estadual Edmilson Rodrigues (PSOL) e Guilherme Carvalho, educador da Fundação de Atendimento Sócio-Educativo (Fase), ajudaram a enriquecer o debate sobre os “Modelos energéticos e políticas de desenvolvimento para a Amazônia”, apresentado por Francisco Del Moral Hernandez, mestre em energia pela Universidade de São Paulo (USP).

Marinor afirmou que busca mobilizar no Senado Federal a discussão sobre Belo Monte e, no dia 16 de maio, levará uma comitiva de senadores para ouvir as comunidades tradicionais, em Altamira, que serão afetadas pelo projeto, caso ele aconteça. “Tento dialogar com outros setores da sociedade para garantir com que as pessoas interajam nessa discussão, porque não tem como defender Belo Monte quando nos deparamos com os estudos dos impactos socioambientais da obra já feitos por cientistas. Estamos muito preocupados e atuamos em parceria com quem queira quebrar os mitos criados pelo governo federal sobre o tema. Espero que a pressão e resistência social sejam grandes o suficiente para conseguir impedir esse projeto que será um crime absurdo, um massacre e que lesa a pátria”, denunciou. (O Liberal)

- Publicidade -spot_img
Assinar
Notificar-me
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias