Connect with us

Pará

PARÁ: CredPará libera mais de 300 mil para economia popular de Marabá

Publicado

em

O governo do Estado em parceria com a Secretaria Municipal de Ação Comunitária de Marabá fizeram a entrega da segunda remessa do CredPará, na tarde desta segunda-feira, 3. Foram liberados R$ 307.993,00 divididos em 122 operações de créditos que vão beneficiar microempreendimentos nas áreas de comércio, produção e serviços na cidade, localizada na região de Carajás. O coordenador de planejamento e controle do CredPará, Osmar Cebuliski, disse que o programa já atendeu 16.994 pessoas somando um investimento de R$ 41 milhões em 71 municípios do Estado.

O município de Marabá foi contemplado com R$ 2,7 milhões em quatro parcelas liberadas nos últimos quatro anos, beneficiando 1.200 pessoas. Segundo o coordenador, a renovação de contratos de créditos e acesso a novos cadastros são resultados da confiança depositada pelo usuário que mantém em dias as mensalidades do empréstimo. Além disso, o governo do Estado mantém um sistema rigoroso de acompanhamento e fiscalização do uso do dinheiro, ou seja, os municípios que apresentarem inadimplência acima de 10% o CredPará automaticamente corta o benefício.

O CredPará é um programa de microcrédito destinado ao fomento de pequenos negócios na área economia popular com taxas de juros que variam entre 0,5% e 1%. Por determinação da governadora Ana Júlia Carepa a ajuda deve chegar a todos os 143 municípios do Estado até o final de 2011, conforme explicou Osmar Cebuliski. “Para 2010 está previsto o atendimento de 100 municípios”, disse. Atualmente, o CredPará tem convênio com 80 prefeituras, das quais 71 já foram atendidas. “Queremos dizer que estamos à disposição das prefeituras para realização de convênios em Belém”, completou.

Para quem quer iniciar ou ampliar o negócio, o CredPará é uma boa opção. O presidente da Associação da Indústria de Movelaria de Marabá, Cinisvaldo Andrade Mota, parabenizou a governadora Ana Júlia pela iniciativa. A entidade tem adotado uma gestão compartilhada para fazer o dinheiro render mais, além de economizar na hora da compra da matéria-prima. “É mais vantajoso. A Associação ajuda seus associados e elimina a figura do atravessador”, ensinou. O pequeno moveleiro Wilson da Silva Brito, 50 anos, que trabalha produzindo portas e janelas, o dinheiro do crédito vai servir para ampliar o espaço físico da oficina. “Estamos juntos na esperança de melhorias”, disse.

Já a dona-de-casa Valdenilde Aguiar Rodrigues, 58 anos, vai iniciar uma venda de confecção. Ela ainda não tem ponto fixo, porém espera alcançar bons resultados. “Vou sair de porta em porta até conseguir vender minhas mercadorias”, disse. A presidente da Associação dos Moradores do bairro Belo Horizonte, que falou em nome dos beneficiados, disse que o crédito é uma porta que se abre para o pequeno comerciante iniciar uma carreira de sucesso. Ela desejou boa sorte a todos, além de agradecer a prefeitura de Marabá e ao governo do Estado pela liberação dos créditos.

A solenidade de entrega da segunda remessa do CredPará em Marabá reuniu dezenas de usuários na tarde desta segunda-feira, no auditório da Secretaria Municipal de Saúde. O prefeito Maurino Magalhães e as vereadoras Toinha do PT e Irismar Vasconcelos acompanharam o evento, que foi animado pela banda de música da Fundação Casa da Cultura de Marabá.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

“Novo Cangaço” volta a atacar no Pará

Publicado

em

Uma quadrilha tomou as ruas de Cametá, no interior do Pará, a 235 km de Belém, no começo da madrugada desta quarta-feira (2), para assaltar bancos. Moradores relataram em redes sociais uma noite de terror. Um morador da cidade identificado como Alessandro de Jesus Lopes foi morto pelos assaltantes após ser feito de refém.

A ação tem características semelhantes à registrada em Criciúma, no Sul de Santa Catarina, na madrugada desta terça (1º), em que uma quadrilha também fez ataques pelo município em ação para assaltar uma agência bancária.

Assim como ocorreu em Criciúma, a quadrilha que atacou Cametá também usou reféns como escudos para se locomover pelas ruas da cidade. As pessoas foram capturadas em bares. Os criminosos atiraram para cima durante mais de uma hora. O grupo usou armas de alto calibre e explosivos.

Um quartel da Polícia Militar (PM) foi atacado, impedindo a saída dos policiais. Esse método também foi utilizado pelos homens que levaram terror a Criciúma.

“Muita gente estava assistindo ao jogo, os bares estavam lotados”, diz Márcio Mendes, morador da cidade, em entrevista a GloboNews. “Renderam as pessoas e levaram para frente da base da Polícia Militar.”

Ao menos 2 agências bancárias foram atacadas, segundo relatos de moradores. Uma, do Banco do Brasil, fica no prédio da Câmara dos Vereadores e ficou destruída. A outra é do Banpará, o banco estadual.

Os bandidos deixaram a cidade por volta de 1h30. Segundo a PM, o grupo fugiu usando carros e barcos – a cidade fica às margens do Rio Tocantins. Ainda não se sabe o que foi levado, qual é o tamanho da quadrilha e se alguém foi detido.

Por volta das 2h, o prefeito da cidade pediu que as pessoas ficassem em casa. “Nossa cidade sempre foi pacífica”, escreveu Valente.

Cametá é uma das 10 maiores cidades do Pará, com cerca de 136 mil habitantes, segundo o IBGE.

O governador Helder Barbalho (MDB) disse que acompanha o caso.

“Já estou em contato com a cúpula da segurança pública do Estado acompanhando as providências que estão sendo tomadas neste episódio, no município de Cametá. Não mediremos esforços para que o quanto antes seja retomada a tranquilidade e os criminosos sejam presos. Minha total solidariedade ao povo cametaense”, escreveu governador.

Em 2020, o estado registrou ao menos dois outros assaltos semelhantes: um em Ipixuna do Pará, em 30 de janeiro, e em São Domingos do Capim, em 3 de abril. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, “praticamente todos os envolvidos” foram presos.

Cametá está localizada às margens do Rio Tocantins, próximo à Ilha do Marajó, no Norte do estado. O acesso à cidade não é considerado fácil. Muitas pessoas usam barcos pela região.

Continue lendo

Pará

REDENÇÃO: Operação Seguro Fake apura fraudes em benefícios do seguro desemprego

Publicado

em

A Polícia Federal deflagrou nesta manhã de terça, 1, a Operação Seguro Fake II, que visa apurar esquema de fraudes ao seguro desemprego, e outros benefícios sociais, no Pará.

Foram cumpridos 16 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 4ª Vara Federal da Seção Judiciária de Belém, a maioria deles relacionados a alvos localizados na cidade de Redenção/PA, sendo um dos  mandados cumprido em Palmas/TO. A Justiça determinou também a indisponibilidade de bens de quatro alvos, para fins de ressarcimento dos prejuízos causados à Fazenda Pública, que comprovadamente já ultrapassam o valor um milhão de reais.

Os crimes investigados são o estelionato previdenciário (art.171, parágrafo 3, do Código Penal), inserção de dados falsos em sistema de informação (art.313-A do Código Penal) e organização criminosa (art.2, caput, da Lei n° 12850/2013).

Continue lendo

Pará

DOM ELISEU: Mais de 106 mil latas de cerveja

Publicado

em

Equipe de fiscalização da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa) apreendeu, na madrugada deste domingo (29), 106.656 latas de cerveja, na unidade de Coordenação de Mercadorias em Trânsito do Itinga, no município de Dom Eliseu, na região de Carajás, no estado do Pará, na divisa com o Maranhão.

A carga foi localizada em um caminhão oriundo do Centro-Oeste do Brasil com destino ao município de São Sebastião da Boa Vista, no Arquipélago do Marajó. O transportador apresentou nota fiscal incompatível com a mercadoria. A equipe de fiscalização vistoriou a carga e encontrou as latas da bebida, com valor estimado em R$ 255 mil.

O imposto e a multa totalizaram R$ 85.741,30. Com esta apreensão, a unidade de controle de mercadoria em trânsito do Itinga somou 300 toneladas de bebidas apreendidas em um ano, por

Continue lendo
publicidade Bronze