- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
sexta-feira, 20 / maio / 2022
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img
Array

PARÁ: Cúpula da segurança vai a Marabá acompanhar investigações de assassinato

Mais Lidas

A cúpula da área de Segurança Pública do Estado chegou ao município de Marabá, região sudeste paraense, no início da noite desta terça-feira (24), para acompanhar de perto as investigações sobre o assassinato do casal de extrativistas José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva.

O casal de colonos, que era defensor do uso sustentável dos recursos da floresta e denunciava crimes contra o meio ambiente, foi morto a tiros na manhã desta terça-feira (24), na área do Projeto de Assentamento Agroextrativista Praialta-Piranheira, na comunidade de Maçaranduba  2, que fica a 45 quilômetros da sede do município de Nova Ipixuna, no sudeste do Pará. A Delegacia de Polícia Civil local recebeu a denúncia por telefone.

O secretário de Segurança Pública do Pará, delegado Luiz Fernandes Rocha, e o delegado geral da Polícia Civil, Nilton Athayde, seguiram de Belém, com destino a Marabá, no avião do governo do Estado e, logo após desembarcarem no aeroporto do município, partiram diretamente para a Delegacia de Conflitos Agrários (Deca), da Polícia Civil, onde tiveram reunião com a equipe de policiais e peritos que foi mobilizada para acompanhar e apurar o caso ‘in loco’.

A equipe é formada pelo delegado geral adjunto da Polícia Civil, Rilmar Firmino da Costa; diretor de Polícia Civil do Interior, delegado Silvio Maués; superintendente regional da Polícia Civil em Marabá, delegado Alberto Teixeira; delegado titular da Deca e presidente do inquérito policial que apura o duplo homicídio, José Humberto de Melo Júnior; coordenador do Núcleo de Apoio à Investigação da polícia Civil, em Marabá, delegado Álvaro Luiz Beltrão Ikeda; comandante do Policiamento Regional II da Polícia Militar, tenente coronel Edson José da Costa Bentes; peritos José Augusto Andrade e Marcelo Salame, do Centro de Perícias Científicas ‘Renato Chaves’, sediado em Marabá.  

Punição

Luiz Fernandes determinou à equipe rigor na apuração, afirmando que o Pará não vai admitir esse tipo de crime. “Vamos acompanhar de perto toda a investigação policial até a prisão dos responsáveis por esse duplo homicídio”, enfatizou o secretário. Segundo as primeiras informações levantadas pela polícia, o casal foi emboscado e assassinado a tiros de espingarda cartucheira, quando seguia para o assentamento, numa motocicleta de propriedade do Sindicato dos Seringueiros.

Segundo os policiais que permanecem na área fazendo buscas, a estrada tem muitas vicinais e é de difícil acesso. A polícia encontrou um capuz abandonado há alguns metros da cena do crime, e investiga se ele foi usado pelo autor dos disparos que assassinou o casal de extrativistas.

Após a reunião com o grupo de policiais, o titular da Segup seguiu para a funerária localizada na avenida Transamazônica, no bairro da Cidade Nova, onde familiares das vítimas aguardavam a liberação dos corpos para dar início ao velório, em Marabá. No local, o secretário conversou com a professora Luiza Santos Sampaio, 45, irmã de Maria do Espírito Santo, e Claudenor Ribeiro Santos, 52, irmão de José Cláudio. “Esse é um momento triste e de muita dor, mas deve ser também um momento de união, para que as forças de segurança possam descobrir e prender os culpados por esse crime o mais rápido possível”, disse Luiz Fernandes.

“É importante que os responsáveis sejam punidos e que todos entendam que o governo não vai compactuar nem admitir nenhum tipo de impunidade, principalmente em se tratando de casos de violência e criminalidade no campo. Já solucionamos outros crimes semelhantes, e com este não será diferente”, reforçou o secretário.

Os corpos do José Cláudio e Maria do Espírito Santo estão sendo velados na rua Floriano Peixoto, número 5, no bairro de São Félix, em Marabá. O enterro vai ocorrer na tarde desta quarta-feira (25), no Cemitério da Saudade, na Folha 29, Nova Marabá.

- Publicidade -spot_img

1 Comentário

Assinar
Notificar-me
guest
1 Comentário
Mais antigo
Mais recente Mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
linha correta

é verdade vão solucionar o crime e prender os mandantes e assassinos, mais não vão passar cinco anos na cadeia, e logo estarão em liberdade pronto pra matar mais outra pessoas, desde de quando no pará tem justiça, só no papel porque o pará e o nordeste são os piores estado do brasil, com o maior índice de homicídios do mundo, por que a corrupção e a impunidade é a maior do mundo, em todo Brasil tem corrupção e impunidade, mais se falando em pará e nordeste não merece nem comentários, me desculpe as pessoas de bem desses estados, mais é a realidade basta assistir os tele jornais, e outros programas que comenta sobre a violência no Brasil.

- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias