Connect with us

Pará

PARÁ: Defesa Civil prepara plano de contingência contra as cheias dos rios

Publicado

em

A Coordenação Estadual de Defesa Civil (Cedec) deve apresentar, no próximo dia 23, o Plano de Contingência para o enfrentamento das cheias nos municípios do interior. O primeiro quadrimestre do ano é marcado pelo aumento dos índices pluviométricos na região, o que provoca a cheias dos rios e traz uma série de transtornos à população que vive nas áreas mais afetadas, que são o Baixo Amazonas, sob a influência dos rios Amazonas e Tapajós; Carajás, sob a influência do Tocantins e afluentes; e a região do Xingu, onde o rio chega ao sinal de alerta quando atinge 7,5 metros de altura.

Atualmente, o Xingu está com 5,75 metros de altura, como informa o coordenador adjunto da Defesa Civil do Estado, Major Augusto Lima, que está em Altamira. De acordo com o capitão Arthur Vieira, chefe de operações da Cedec, nesta quarta-feira, apenas um município havia decretado sinal de alerta por causa das cheias: Parauapebas, onde o rio de mesmo nome, afluente do Tocantins, atingiu a cota de alerta ao marcar 6,5 metros de altura. “Apesar do Rio Parauapebas estar 20 centímetros acima da marca registrada no mesmo período do ano passado, não devemos ter muitos problemas por lá. O nível das águas, inclusive, já baixou um pouco”, disse o oficial.

Hoje a Defesa Civil tem homens em campo nas principais regiões afetadas pelas cheias, coletando informações para atualizar o Plano de Contingência. “Esse plano, que nós fazemos anualmente, é uma fonte segura que nos permite avaliar os impactos de uma provável cheia. E com base nele podemos dizer que não teremos problemas tão graves quanto os que ocorreram em 2009, por exemplo”, explicou Capitão Arthur.

Há dois anos o Pará sofreu uma das maiores tragédias causadas pelas cheias, que deixou dezenas de municípios em estado emergência e centenas de famílias desabrigadas. Com a monitoração antecipada, a prevenção fica muito mais eficaz. “Nós trabalhamos com quatro etapas de ação nesses casos. Prevenção, preparação, resposta e reconstrução. Estamos em fase de prevenção e preparação junto à Defesa Civil dos municípios, para saber o que eles podem oferecer em casos de alerta, quais as áreas de riscos, o número de famílias que podem ser afetadas, etc”, explica o oficial.

Entre as ações a serem adotadas em caso de um aumento perigoso do nível das águas fluviais está a decretação de estado de alerta pelas prefeituras, quando os rios atingirem a cota de alerta, que varia em cada caso. No Tocantins, por exemplo, essa marca é de 10 metros. Para que seja decretado estado de emergência, as conseqüências da cheia devem comprometer 5% do PIB ou do orçamento do município e 10% da população. Acima disso já se configura estado de calamidade pública, que envolve a Defesa Civil Nacional.

No estado de alerta, não há interferência da Defesa Civil Estadual porque o município ainda tem condições de lidar com as conseqüências. “Parauapebas, por exemplo, dificilmente ultrapassa o estado de alerta e está bem preparado para tratar do problema”, explica capitão Arthur, que trabalha com equipamentos conectados a todas as regionais do Estado.

Graças ao monitoramento do Plano de Contingência, o estado de emergência pode ser previsto com até cinco dias de antecedência. “Com os dados de campo, que apontam as áreas de risco, o número de pessoas existentes nelas e do que o estado e o município dispõem para responder ao desastre, nós conseguimos evacuar as áreas e abrigar as famílias com antecedência”, explica o Major Lima.

A partir de hoje a Defesa Civil deve divulgar boletins regulares de situação para avaliação e monitoramento da situação do municípios sob risco. (Elielton Amador)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

MARABÁ: Campanha de vacinação antirrábica inicia nesta segunda, 20, pelo núcleo Morada Nova

Publicado

em

Na próxima segunda-feira, (20), os donos de cães e gatos em Morada Nova e Residencial Jardim do Éden  terão a oportunidade de imunizar os pets contra a raiva animal sem sair de casa. É que o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) dará inicio a campanha nacional de vacinação antirrábica na cidade e a ação será em sistema de arrastão, ou seja,  as equipes visitarão casa a casa, em busca dos animais saudáveis a partir dos 3 meses de vida.

De acordo com Flávio Ferreira da Silva, coordenador do CCZ, a expectativa é que o município atinja a meta de 35 mil animais vacinados entre a zona urbana e a zona rural que também será visitada pelas equipes.

“A previsão que nós temos é de 25 dias de vacinação aqui na zona urbana, após o dia 25 de outubro, iremos fazer a zona rural também. Aqui na cidade daremos inicio em Morada Nova e depois São Félix, Nova Marabá, Velha Marabá, e núcleo Cidade Nova. Nós divulgaremos o calendário dia a dia e as pessoas devem ficar atentas”, esclarece o médico veterinário.

Para os donos de pets que perderem o arrastão, o CCZ já está com doses da vacina disponíveis no próprio centro durante toda a semana, inclusive aos fins de semana. O coordenador do CCZ enfatiza que as doses da vacina antirrábica são anuais, por isso, é preciso estar atento à carteira de vacinação do animal como forma de proteger o amigo de quatro patas contra a doença.

“A vacina antirrábica é anual, uma única dose imuniza o animal. Então é importante não perder os prazos. A melhor forma de prevenção da raiva é a vacinação, só assim, se o animal entrar em contato com a raiva ele não será acometido e nem será transmissor”, ressalta.

Vale frisar, que durante a campanha os demais atendimentos como testagem para Leishmaniose estarão acontecendo normalmente no CCZ. (Leydiane Silva / Fotos: Paulo Sérgio)

Continue lendo

Pará

MARABÁ: Comemorando produção de melancia, agricultores fazem doação do fruto para Prefeitura

Publicado

em

A Associação de Hortifrutigranjeiros, Pescadores e Ribeirinhos de Marabá, na comunidade Boa Esperança, distante 15 quilômetros, próximo à região do Carrapato, está comemorando a surpreendente colheita de melancia, ao todo foram trezentas toneladas da fruta.

Na manhã desta sexta-feira (17), uma parte dos agricultores esteve na Secretaria de Obras, para agradecer o apoio e incentivo da gestão municipal no trabalho de desenvolvimento do projeto, garantido pela doação de insumos, máquinas, orientação técnica e análise de solo.

O produtor rural, Aldenir Pereira de Souza, popular Maranhão, presidente da Associação informou que se surpreendeu, pois na região não havia ainda a iniciativa de se produzir melancia, até que um representante da Secretaria de Agricultura esteve com os produtores e propôs uma parceria com os produtores para transformar a região.

“Esse projeto  foi iniciado com alguns produtores e logo fomos convidados para plantar melancia no início deste ano. Levamos um representante da Secretaria de Agricultura que se propôs a nos ajudar com insumos, pessoal técnico, arado, esteira, calcário e isso nos empolgou e começamos  a plantar e hoje estamos produzindo”, disse o representante da Associação.

Hoje na Associação são 80 famílias, no entanto, 18 produtores integram o projeto. “Estamos começando agora e posso afirmar que temos 300 toneladas somente nesta primeira safra e também temos o projeto de maracujá e temos fé que vai dar certo porque já iniciamos a venda da melancia e vamos seguir com fé”, disse Aldenir Pereira de Souza.

A doação foi feita com a participação de 10 agricultores da região. O Prefeito Tião Miranda, disse que o investimento em agricultura é um dos mais gratificantes, pois resulta em renda para o agricultor e produtos mais acessíveis à população.

“A secretaria de agricultura vem fazendo um trabalho fabuloso com os agricultores e é importante porque o custo de vida fica mais barato para quem mora na cidade e hoje são vários projetos em desenvolvimento como melancia, maracujá, apicultura e outros que estão dando renda para o agricultor e a cada dia vamos fomentar com orientação técnica, análise de solo e outros que se torna um avanço muito grande e vamos continuar investindo pesado nesse setor”, disse Tião Miranda.

O prefeito também afirmou que parte da produção da agricultura familiar está sendo adquirida para a alimentação escolar e os produtos da doação desta manhã serão distribuídos às escolas. “E todo o produto doado hoje, num total de 30 melancias e maracujás, será encaminhado às escolas para servir de alimentação para nossas crianças que adoram melancia”, disse o gestor.

O Secretário de Agricultura, Adailton de Sá, comemorou junto aos agricultores o bom momento da safra de melancia no município. Segundo ele, é o resultado de uma política voltada para o atendimento amplo a todos os trabalhadores do campo e que mais projetos estarão sendo encaminhados.

“Nos últimos sete anos, onde pegamos uma secretaria sem praticamente nada e começamos a estruturar e hoje podemos somar os resultados e estamos avançando em vários outros projetos como a suinocultura fazendo o trabalho direito para evitar problemas ambientais e sanitários e vai ser tudo certinho e atenderá dezenas de agricultores em breve”, disse Adailton de Sá.

Continue lendo

Pará

Helder cobra retomada de obras da BR-316

Publicado

em

Para assegurar a conclusão das obras de requalificação da BR-316, o governador Helder Barbalho assinou, neste sábado (18), contrato de retomada dos serviços junto à nova empresa que ficou em segundo lugar no processo licitatório em 2017. Com a substituição da empreiteira, o Governo do Pará, por meio do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM), reafirma o compromisso de término das obras até o final de 2022 a fim de melhorar a mobilidade urbana e o transporte público a fim de beneficiar 2,5 milhões de pessoas da Região Metropolitana de Belém.

“Temos pressa para que essa obra aconteça. A população não tem mais paciência com o trânsito. Que possa ser entregue o mais rápido possível e chegue para dar solução da região metropolitana”, disse o governador durante evento que ocorreu na avenida Ananin, em Ananindeua, ocasião em que foi assinada a Ordem de Serviço para a requalificação da via.

De acordo com Helder Barbalho, nas próximas duas semanas, novas equipes estarão trabalhando em diversos pontos da rodovia BR-316 para dar continuidade às obras de requalificação que visam construir a estrutura necessária para a implantação do BRT Metropolitano.

Para uma plateia de moradores da região e autoridades, ele explicou que a mudança de empresa se deu devido à primeira empresa vencedora não ter cumprido com o calendário contratado”. “Nós, por entendermos a urgência de toda a população em ver a BR requalificação e o BRT em pleno funcionamento, imediatamente agimos para que houvesse a mudança na execução dessa obra. E hoje, estamos com contrato assinado e o prazo de duas semanas para que as obras sejam retomadas e concluídas até o final de 2022”, afirmou. 

As obras iniciaram no dia 15 de janeiro de 2019, momento em que estava licitada pelo governo anterior e com ordem de serviço firmado junto à vencedora do processo. “Chamei o governo japonês [agente financiador] e disse que não me sentia seguro porque a empresa tinha muitos problemas no Brasil. Passado dois anos, as obras não aconteceram no ritmo que havíamos planejado e com vários atrasos. A partir daí, fizemos as notificações necessárias até que hoje estamos substituindo por nova empresa. Apenas cumprimos o que a lei e hoje estamos aqui para iniciar a obra novamente”, detalhou.

A partir de agora, assume as obras um consórcio de empresas, uma brasileira outra estrangeira, que ficou em segundo lugar do processo licitatório internacional de 2017, que deverá se instalar na região nos próximos dias e iniciar a contratação dos trabalhadores. Na ocasião, Helder orientou o representante de uma das empresas que dê prioridade à mão de obra local. “Aproveitem para dar oportunidade para as pessoas daqui, de preferência de Ananindeua e Marituba”, destacou. Os candidatos deverão se cadastrar no SINE, instituição responsável pela seletiva.

O diretor geral do NGTM, engenheiro Eduardo Ribeiro, órgão estadual responsável pelas obras, explicou que algumas etapas terão prioridade, como a conclusão dos terminais de integração, viaduto, túneis e estações de passageiros. “Paralelo à isso, a nova empresa dará continuidade aos serviços de drenagem, nova pavimentação da via, construção de passarelas de pedestres, ciclovias, calçadas, iluminação pública e, por fim, o paisagismo”.

Para o presidente da Assembleia Legislativa do Estado (Alepa), Chicão, o BRT é uma das maiores obras, não só para a Região Metropolitana de Belém, mas também para o Estado. “Se tem hoje um problema para a nossa capital é essa entrada. As vezes a gente passa duas ou três horas de Benevides pra cá por causa desse trecho. Então, o BRT é uma obra estruturante e de fundamental importância para a qualidade de vida das pessoas que moram na região. É uma obra que merece todos os esforços para que a gente possa concluir”, destaca.

O prefeito de Ananindeua, Daniel Santos, ressaltou a parceria com o Governo do Estado em outras inúmeras obras dentro do município, principalmente a requalificação da BR-316, já que cerca de 70% dos serviços são executados no trecho de Ananindeua. “Essa obra muda a realidade da mobilidade urbana no município. Através da nossa parceria, que possamos fazer o melhor por Ananindeua”, disse.

A técnica de enfermagem Joseane Monteiro, de 29 anos, moradora na região, aposta as vão trazer melhorias para a vida da população. “Com esse trânsito turbulento que existe hoje, principalmente em horário de pico, nossa esperança é que a obra vai melhorar a rapidez e o fluxo na BR. Até mesmo para quem vai para o trabalho de bicicleta porque muitos motoristas não respeitam. A gente espera que essa volta dos serviços melhore para todo mundo que usa a BR”, comenta.

As expectativas do camelô Edson Rodrigues, de 38 anos, que trabalha há 10 na rodovia, também são grandes. “Espero que melhore o fluxo, pois já vi muitos acidentes. Acho que o BRT [Metropolitano] vai melhorar principalmente para as pessoas trabalham no centro da cidade. Já vi gente andando e reclamando por causa do engarrafamento. Que as pessoas parem de ser prejudicadas”.

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze