Connect with us

Pará

PARÁ: Elegância e sedução no desfile de abertura da VII Pará Expojoia

Publicado

em

A diversidade da cultura amazônica e a criatividade dos profissionais do Polo Joalheiro do Pará ganharam a passarela montada no Espaço São José Liberto na noite de quarta-feira, 8, no desfile de lançamento da coleção “O Luxo da Cultura e da Natureza Amazônica”. Junto com o lançamento do novo site da instituição e do catálogo virtual com as peças da coleção, o desfile marcou a abertura da VII Pará Expojoia – Amazônia Design, a feira de joias que é referência no setor joalheiro do norte do país.

As 104 joias produzidas para a coleção seduziram o público adornando pescoços, orelhas, braços e dedos de 14 modelos, orientadas por Diogo Carneiro, produtor de moda. Responsável pela concepção do desfile apresentado na abertura e pelo desfile que aconteceu nesta quinta-feira, 9, para lançar a coleção de joias Anima Mundi, Diogo informou ter criado um “desfile clássico e elegante, para dar bastante visibilidade às joias”.

As peças em ouro, prata, várias gemas minerais e orgânicas, inspiradas na beleza dos elementos culturais e da natureza da região, foram criadas durante o wokshop coordenado por Regina Machado, consultora de Estilo do Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos (IBGM). Toda essa riqueza de formas, cores, brilhos e texturas, que formam a diversidade amazônica, também foi expressa nos traços das modelos – negras, brancas, morenas e orientais -, que personificam a miscigenação de raças característica do povo brasileiro.

Resultados

Na solenidade de abertura, o professor Evaldo Raimundo Pinto da Silva, presidente do Instituto de Gemas e Joias da Amazônia (Igama), ressaltou o trabalho realizado pela instituição nos últimos quatro anos de gestão do Espaço São José Liberto/Polo Joalheiro, desenvolvendo projetos e ações de capacitação, promoção e divulgação da joia do Pará no Brasil e no exterior.

O presidente enfatizou que a administração do Igama deixa projetos em andamento, um quadro de funcionários enxuto e “o orgulho do trabalho realizado”. O Igama responde pela gestão do São José Liberto desde maio de 2007, quando foi qualificado pelo Governo do Estado.

Sobre a realização da Pará Expojoia, disse Evaldo Pinto que era um compromisso do Igama com todos os profissionais atendidos pelo Projeto de Gemas e Joias, que precisava ser cumprido mesmo em período de transição de governo. “Hoje, esses profissionais são reconhecidos internacionalmente, e esperamos que o trabalho realizado pelo Igama sirva de referência para os novos administradores”.

Patrocinador da feira desde sua primeira edição, o Sebrae-PA foi representado pelo gerente da Unidade de Indústria, Marcelo Ribeiro Araújo, que destacou o êxito alcançado pelo Projeto de Gemas e Joias com a parceria do Igama, ressaltando a expansão das ações para a região de Carajás, já concretizada no município de Parauapebas, e para o município de Itaituba, no oeste do Pará, que deverá acontecer em 2011.

Marcelo Araújo lembrou que, há 10 anos, o Polo Joalheiro ainda “estava engatinhando”, e hoje a produção de joias local é referência nas feiras do setor realizadas no Brasil e em outros países. E acrescentou que a Pará Expojoia se firmou como “a única feira no Norte a representar o setor”.

Representando os produtores, João Amorim, vice-presidente da Associação dos Joalheiros do Espaço São José Liberto no Pará (Ajepa), relembrou o apoio institucional dado ao Polo Joalheiro e disse que hoje essa produção “é um orgulho para cada produtor, empresário, ourives, designer e lapidário, que vem trabalhando ao longo desses anos”.

Superação

Rosa Helena Neves, diretora executiva do Igama, agradeceu ao Sebrae-PA, ao Governo do Estado/Secretaria de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia (Sedect), a todos os profissionais do Polo Joalheiro e ao Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos (IBGM), que apoiou o projeto desde o início.

Ela destacou a superação da meta de produção de peças para a coleção deste ano. “Não é um trabalho fácil, mas é possível porque há uma rede de pessoas e instituições que trabalham com esse objetivo”. Rosa Helena Neves anunciou para a próxima semana a inauguração do Laboratório de Design, e agradeceu a participação dos profissionais italianos Stefano Ricci, Cláudio Franchi e Paolo Carlucci, responsáveis pelos três Workshops Internacionais de Design e Ourivesaria realizados em sua gestão.

A diretora finalizou afirmando que o Polo Joalheiro “é um projeto único no mundo, reconhecido na Europa, Ásia e América do Norte. Em todos os eventos que participamos, sempre são destacadas a importância do projeto de gemas e joias e a beleza do Espaço São José Liberto. E todo esse trabalho só foi possível porque sempre existiu confiança, respeito e seriedade”.

Após os pronunciamentos, o diretor de Comercialização do Igama, Thiago de Albuquerque, e o diretor da empresa Equilibrium Web, Sebastião Farias, apresentaram o novo site do Espaço São José Liberto (www.saojoseliberto.com.br), que, além de informações sobre a instituição, joias e artesanato, terá a opção de comercialização virtual dos produtos.

Também participaram da solenidade Ana Elisabete Reimão, representando a Secretaria de Estado de Governo (Segov), Rosângela Gouvêa, coordenadora do Curso de Design da Universidade do Estado do Pará (Uepa), que representou a reitora Marília Xavier, e Regina Caraciollo, do Sindicato de Guias de Turismo do Pará.

A programação da VII Pará Expojoia – Amazônia Design prossegue até domingo, 12, com a oficina de lapidação de gemas, coordenada pela lapidária Leila Salame, os lançamentos da coleção Anima Mundi e do Preview Design de Joias e Bijuterias, palestras, atrações culturais e sorteio de joias e brindes.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

MARABÁ: Foram sepultadas nesta terça, 1º, ex-secretária de Turismo e filha mortas por pistoleiros

Publicado

em

Os corpos de Vanuza Barbosa, 41 anos, e sua filha, Jackciane Barbosa, 25 anos, foram enterrados na manhã desta terça-feira (1º) em um cemitério no núcleo São Félix, no bairro Novo Progresso, em Marabá, na região de Carajás, no estado do Pará.

As vítimas foram assassinadas na noite de domingo (29) em uma chácara que fica no núcleo São Félix. De acordo com informações preliminares colhidas pela Polícia Civil, Vanuza foi assassinada com um tiro no rosto e a Jackciane com um tiro no rosto e outro no peito.

Vanuza Barbosa foi secretária de turismo do município no período de 2009 a 2012. Jackciane Barbosa é bacharel de Direito e passou recentemente na proba da OAB.

Polícia Civil informou que investigação do caso segue em sigilo e que nenhum suspeito foi preso ainda.

Continue lendo

Pará

“Novo Cangaço” volta a atacar no Pará

Publicado

em

Uma quadrilha tomou as ruas de Cametá, no interior do Pará, a 235 km de Belém, no começo da madrugada desta quarta-feira (2), para assaltar bancos. Moradores relataram em redes sociais uma noite de terror. Um morador da cidade identificado como Alessandro de Jesus Lopes foi morto pelos assaltantes após ser feito de refém.

A ação tem características semelhantes à registrada em Criciúma, no Sul de Santa Catarina, na madrugada desta terça (1º), em que uma quadrilha também fez ataques pelo município em ação para assaltar uma agência bancária.

Assim como ocorreu em Criciúma, a quadrilha que atacou Cametá também usou reféns como escudos para se locomover pelas ruas da cidade. As pessoas foram capturadas em bares. Os criminosos atiraram para cima durante mais de uma hora. O grupo usou armas de alto calibre e explosivos.

Um quartel da Polícia Militar (PM) foi atacado, impedindo a saída dos policiais. Esse método também foi utilizado pelos homens que levaram terror a Criciúma.

“Muita gente estava assistindo ao jogo, os bares estavam lotados”, diz Márcio Mendes, morador da cidade, em entrevista a GloboNews. “Renderam as pessoas e levaram para frente da base da Polícia Militar.”

Ao menos 2 agências bancárias foram atacadas, segundo relatos de moradores. Uma, do Banco do Brasil, fica no prédio da Câmara dos Vereadores e ficou destruída. A outra é do Banpará, o banco estadual.

Os bandidos deixaram a cidade por volta de 1h30. Segundo a PM, o grupo fugiu usando carros e barcos – a cidade fica às margens do Rio Tocantins. Ainda não se sabe o que foi levado, qual é o tamanho da quadrilha e se alguém foi detido.

Por volta das 2h, o prefeito da cidade pediu que as pessoas ficassem em casa. “Nossa cidade sempre foi pacífica”, escreveu Valente.

Cametá é uma das 10 maiores cidades do Pará, com cerca de 136 mil habitantes, segundo o IBGE.

O governador Helder Barbalho (MDB) disse que acompanha o caso.

“Já estou em contato com a cúpula da segurança pública do Estado acompanhando as providências que estão sendo tomadas neste episódio, no município de Cametá. Não mediremos esforços para que o quanto antes seja retomada a tranquilidade e os criminosos sejam presos. Minha total solidariedade ao povo cametaense”, escreveu governador.

Em 2020, o estado registrou ao menos dois outros assaltos semelhantes: um em Ipixuna do Pará, em 30 de janeiro, e em São Domingos do Capim, em 3 de abril. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, “praticamente todos os envolvidos” foram presos.

Cametá está localizada às margens do Rio Tocantins, próximo à Ilha do Marajó, no Norte do estado. O acesso à cidade não é considerado fácil. Muitas pessoas usam barcos pela região.

Continue lendo

Pará

REDENÇÃO: Operação Seguro Fake apura fraudes em benefícios do seguro desemprego

Publicado

em

A Polícia Federal deflagrou nesta manhã de terça, 1, a Operação Seguro Fake II, que visa apurar esquema de fraudes ao seguro desemprego, e outros benefícios sociais, no Pará.

Foram cumpridos 16 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 4ª Vara Federal da Seção Judiciária de Belém, a maioria deles relacionados a alvos localizados na cidade de Redenção/PA, sendo um dos  mandados cumprido em Palmas/TO. A Justiça determinou também a indisponibilidade de bens de quatro alvos, para fins de ressarcimento dos prejuízos causados à Fazenda Pública, que comprovadamente já ultrapassam o valor um milhão de reais.

Os crimes investigados são o estelionato previdenciário (art.171, parágrafo 3, do Código Penal), inserção de dados falsos em sistema de informação (art.313-A do Código Penal) e organização criminosa (art.2, caput, da Lei n° 12850/2013).

Continue lendo
publicidade Bronze