Connect with us

Pará

PARÁ: Exportação da pecuária paraense cresce 552% nos últimos três anos

Publicado

em

Os números das exportações de 2009 mostram que o setor da pecuária no Pará vem aumentando sua participação por meio da diversificação de seus produtos. Com um total de 14 produtos na pauta de exportação, a pecuária movimenta hoje a maior parte do agronegócio paraense. Só o boi vivo gerou uma receita de 423 milhões de dólares em 2009, contra 359 milhões de dólares no ano anterior.

Apesar do gado vivo ser hoje o carro chefe das exportações da pecuária paraense, o item que mais cresceu em 2009 foi a carne desossada resfriada, com 240% em relação ao ano anterior, seguida da carne desossada congelada, com 112%, enquanto o boi em pé cresceu apenas 14% no mesmo período.

Dados da Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento da Indústria e Comércio (Secex/Midic) informam que os 14 produtos exportados pelo setor pecuário do Pará geraram, em 2009, uma receita de 511 milhões de dólares, 106 milhões de dólares a mais que o ano passado. Em 2006, a receita foi de 92,5 milhões de dólares, com uma pauta de apenas oito produtos, o que representa um crescimento de 552% nos últimos 3 anos. Significa que a contribuição da pecuária paraense passou de 1,3% em 2006 para 6,1% em 2009, o que destaca a importância deste segmento na pauta de exportações do Estado.

Isso se deve a maior organização dos produtores e a adoção de uma linha que segue os padrões internacionais de uma economia baseada na sustentabilidade ambiental, o que revela o bom momento pelo qual passa, hoje, a pecuária paraense. “O crescimento se intensificou a partir de 2007 e se consolidou no ano passado, com a ampliação do leque de exportação”, informa o secretário estadual de Agricultura, Cássio Alves Pereira. Entre os novos produtos exportados estão o boi em pé para fins de genética, ou seja, são usados para melhoria do rebanho da Venezuela por meio de cruzamento, além das tripas, língua, rabo e outras miudezas comestíveis.

Esse resultado também se deve a área livre de febre aftosa, que compreende todo o sul e sudeste do Estado, onde estão os principais frigoríficos exportadores. Além, é claro, da alta qualidade dos rebanhos bovino e bubalino paraenses. Para reforçar esse crescimento, a Secretaria de Estado de Agricultura (Sagri) vem implantando a Guia de Transporte Animal, a GTA eletrônica, que garante a procedência do boi de áreas já desmatadas e incentiva o registro das propriedades no Cadastro Ambiental Rural (CAR).

Todos esses fatores habilitam o Pará a um maior acesso ao mercado exterior e, para isso, o Governo do Estado, por meio da Sagri, incentiva a organização dos pequenos pecuaristas, que são a maioria no processo produtivo. A exportação de gado vivo é uma tendência da pecuária que vem se consolidando em todo o país e o Pará lidera com 95% das exportações.

O Pará tem o 5º maior rebanho bovino e bubalino do país, com quase 19 milhões de cabeças. Cerca de 115 mil produtores rurais se dedicam à atividade no Pará, com destaque para os pequenos e médios que criam até 200 cabeças. Eles representam 85% das propriedades que desenvolvem a pecuária no Estado.

O Pará pretende diversificar ainda mais essa produção, por meio do incentivo ao desenvolvimento da cadeia produtiva. “A carne beneficiada, com aproveitamento do couro, língua, tripas e outras miudezas do boi, que já tem mercado garantido no exterior, aumenta a geração de emprego e renda no setor”, garante o secretário Cássio Pereira. Os produtores e a indústria, com apoio do governo, buscam novos mercados para a produção pecuária do Pará. (Leni Sampaio)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

MARABÁ: Foram sepultadas nesta terça, 1º, ex-secretária de Turismo e filha mortas por pistoleiros

Publicado

em

Os corpos de Vanuza Barbosa, 41 anos, e sua filha, Jackciane Barbosa, 25 anos, foram enterrados na manhã desta terça-feira (1º) em um cemitério no núcleo São Félix, no bairro Novo Progresso, em Marabá, na região de Carajás, no estado do Pará.

As vítimas foram assassinadas na noite de domingo (29) em uma chácara que fica no núcleo São Félix. De acordo com informações preliminares colhidas pela Polícia Civil, Vanuza foi assassinada com um tiro no rosto e a Jackciane com um tiro no rosto e outro no peito.

Vanuza Barbosa foi secretária de turismo do município no período de 2009 a 2012. Jackciane Barbosa é bacharel de Direito e passou recentemente na proba da OAB.

Polícia Civil informou que investigação do caso segue em sigilo e que nenhum suspeito foi preso ainda.

Continue lendo

Pará

“Novo Cangaço” volta a atacar no Pará

Publicado

em

Uma quadrilha tomou as ruas de Cametá, no interior do Pará, a 235 km de Belém, no começo da madrugada desta quarta-feira (2), para assaltar bancos. Moradores relataram em redes sociais uma noite de terror. Um morador da cidade identificado como Alessandro de Jesus Lopes foi morto pelos assaltantes após ser feito de refém.

A ação tem características semelhantes à registrada em Criciúma, no Sul de Santa Catarina, na madrugada desta terça (1º), em que uma quadrilha também fez ataques pelo município em ação para assaltar uma agência bancária.

Assim como ocorreu em Criciúma, a quadrilha que atacou Cametá também usou reféns como escudos para se locomover pelas ruas da cidade. As pessoas foram capturadas em bares. Os criminosos atiraram para cima durante mais de uma hora. O grupo usou armas de alto calibre e explosivos.

Um quartel da Polícia Militar (PM) foi atacado, impedindo a saída dos policiais. Esse método também foi utilizado pelos homens que levaram terror a Criciúma.

“Muita gente estava assistindo ao jogo, os bares estavam lotados”, diz Márcio Mendes, morador da cidade, em entrevista a GloboNews. “Renderam as pessoas e levaram para frente da base da Polícia Militar.”

Ao menos 2 agências bancárias foram atacadas, segundo relatos de moradores. Uma, do Banco do Brasil, fica no prédio da Câmara dos Vereadores e ficou destruída. A outra é do Banpará, o banco estadual.

Os bandidos deixaram a cidade por volta de 1h30. Segundo a PM, o grupo fugiu usando carros e barcos – a cidade fica às margens do Rio Tocantins. Ainda não se sabe o que foi levado, qual é o tamanho da quadrilha e se alguém foi detido.

Por volta das 2h, o prefeito da cidade pediu que as pessoas ficassem em casa. “Nossa cidade sempre foi pacífica”, escreveu Valente.

Cametá é uma das 10 maiores cidades do Pará, com cerca de 136 mil habitantes, segundo o IBGE.

O governador Helder Barbalho (MDB) disse que acompanha o caso.

“Já estou em contato com a cúpula da segurança pública do Estado acompanhando as providências que estão sendo tomadas neste episódio, no município de Cametá. Não mediremos esforços para que o quanto antes seja retomada a tranquilidade e os criminosos sejam presos. Minha total solidariedade ao povo cametaense”, escreveu governador.

Em 2020, o estado registrou ao menos dois outros assaltos semelhantes: um em Ipixuna do Pará, em 30 de janeiro, e em São Domingos do Capim, em 3 de abril. Segundo a Secretaria de Segurança Pública, “praticamente todos os envolvidos” foram presos.

Cametá está localizada às margens do Rio Tocantins, próximo à Ilha do Marajó, no Norte do estado. O acesso à cidade não é considerado fácil. Muitas pessoas usam barcos pela região.

Continue lendo

Pará

REDENÇÃO: Operação Seguro Fake apura fraudes em benefícios do seguro desemprego

Publicado

em

A Polícia Federal deflagrou nesta manhã de terça, 1, a Operação Seguro Fake II, que visa apurar esquema de fraudes ao seguro desemprego, e outros benefícios sociais, no Pará.

Foram cumpridos 16 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 4ª Vara Federal da Seção Judiciária de Belém, a maioria deles relacionados a alvos localizados na cidade de Redenção/PA, sendo um dos  mandados cumprido em Palmas/TO. A Justiça determinou também a indisponibilidade de bens de quatro alvos, para fins de ressarcimento dos prejuízos causados à Fazenda Pública, que comprovadamente já ultrapassam o valor um milhão de reais.

Os crimes investigados são o estelionato previdenciário (art.171, parágrafo 3, do Código Penal), inserção de dados falsos em sistema de informação (art.313-A do Código Penal) e organização criminosa (art.2, caput, da Lei n° 12850/2013).

Continue lendo
publicidade Bronze