Connect with us

Pará

PARÁ: Famílias flageladas de Parauapebas continuam abrigadas em barracão

Publicado

em

Quarenta e seis famílias, num total de 201 pessoas, continuam abrigadas em barracão cedido pela Prefeitura de Parauapebas, na promessa de serem atendidas com lotes e casas populares pelo poder público. O número de famílias atingidas pela enchente e alojadas desde fevereiro deste ano no barracão da Usimig ultrapassou a casa dos 100, mas hoje conta com menos de 50, à espera de morada digna prometida pela prefeitura.

Na manhã desta quarta-feira (16), a reportagem visitou as famílias que ainda resistem em permanecer acampadas num enorme barracão coberto de telhas de aço, às margens da estrada Faruk Salmen, nas proximidades do Parque de Exposições Agropecuárias de Parauapebas, e ouviu algumas pessoas flageladas.

A dona de casa Maria Raimunda Mendonça declarou à reportagem que se encontra alojada no barracão desde o mês de fevereiro deste ano, portanto, há nove meses, quando a casa em que ela morava, no Bairro Riacho Doce, foi atingida pela água da enchente.

Como o local em que Maria Raimunda morava, a exemplo de outras famílias que até hoje se encontram no abrigo, era considerado área de risco para moradia, a prefeitura proibiu que as famílias retornassem para o Riacho Doce, na promessa de entregar a essas pessoas lotes para construção de casa própria.

De acordo com Maria Raimunda, a situação no abrigo é muito precária, “porque aqui não temos assistência de saúde, não temos remédio, não temos transporte e nem água tratada. Além do mais, quando chove é um deus-nos-acuda pra todos nós, pois o barracão enche todo de água, isso sem falar no calor insuportável que a gente enfrenta aqui”, lamenta a dona de casa, temendo passar mais um período de inverno no abrigo.

A abrigada Raimunda Alice de Freitas também falou ratificando que a situação do abrigo é muito precária. Ela denuncia que dia desses uma moradora do barracão teve dores de parto e foi levada para o hospital numa moto, porque não tinha como chamar uma ambulância da prefeitura. “Só estamos neste sofrimento porque o prefeito prometeu nos dar um lote”, frisa.

Dona Miriam Souza da Conceição aumenta o coro das reclamações, adicionando que só que quem vive naquele galpão durante nove meses sabe na pele o quanto é sofrível a vida daquelas famílias. “Estamos aqui esperando receber nossos lotes ou casas populares, mas até agora só promessa”, desabafou a dona de casa, revelando que a única ajuda que vem recebendo da prefeitura é uma cesta básica duas vezes por mês.

Jonas Conrado, um dos líderes das famílias acampadas, não quis entrar no mérito das reclamações feitas pelas donas de casa, limitando-se a dizer que uma comissão de flagelados vem negociando com a Secretaria Municipal de Habitação para entrega de lotes às famílias que continuam acampadas no galpão da Usimig.

Na Coordenação de Defesa Civil do Município, a agente Márcia Mendes Leandro confirma que as 46 famílias alojadas no barracão recebem cestas básicas duas vezes por mês, água tratada em caminhão-pipa e outros tipos de assistência, mas discorda da queixa de que as famílias não estejam recebendo assistência social, médica e psicológica. (Correio Tocantins)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

PARAUAPEBAS: Fiscalização de trânsito é intensificada no final de semana

Publicado

em

A fim de reduzir os índices de imprudência no trânsito, que vêm ocasionando diversos acidentes, a Secretaria Municipal de Segurança Institucional e Defesa do Cidadão (Semsi), por meio do Departamento Municipal de Trânsito e Transporte (DMTT), está intensificando as operações de fiscalização de trânsito no município.

Durante o último fim de semana, foram realizadas mais de 200 abordagens e registradas 128 infrações de trânsito, além da remoção de 44 veículos irregulares. Uma das operações desencadeadas, foi a Operação Kadron, fundamentada no artigo 230, inciso VII do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), que fiscaliza a utilização de escapamentos irregulares. A fiscalização também foi estendida para a zona rural, e nas entradas e saídas da cidade.

No último dia 5, foi publicado pelo Departamento de Trânsito do Estado do Pará (Detran) o convênio de nº 064/2021 com o DMTT que tem como objeto a delegação recíproca de competências entre os participantes, como órgãos do Sistema Nacional de Trânsito, para fins de autuação, retenção, recolhimento de documentos vencidos, remoção, julgamento e processamento dos autos de infração lavrados por agentes de trânsito do Detran Pará e DMTT.

A fiscalização segue durante a semana com blitze em vários pontos da cidade com o apoio da Guarda Municipal, além da fiscalização por meio do sistema de videomonitoramento realizada pelo Centro de Controle e Operações (CCO). (Édila Nunes / Fotos: Irisvelton Silva)

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Diário Oficial do município agora é 100% on-line

Publicado

em

A partir de agora a população ficará por dentro de todas as ações da gestão no Diário Oficial Eletrônico do Município de Parauapebas (E-Domp).

Para isso, basta acessar o novo portal da Prefeitura, que foi totalmente reformulado, proporcionando maior navegabilidade ao cidadão.

A Prefeitura informou que visa dar a gestão pública mais rapidez e inovação.

Continue lendo

Pará

MARABÁ: Fiéis celebram o Círio com missa, trajeto rodoviário e Banda Municipal

Publicado

em

Na manhã de domingo (17), fiéis se reuniram na Catedral Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, na Velha Marabá, para a apresentação da Banda Municipal, com um repertório tradicional da fé católica e, para a missa cujo tema foi: “Ó Maria e José, fortalecei-nos na unidade da paz em Cristo”, celebrada pelo bispo da Diocese de Marabá, Dom Vital Corbellini e após isso, seguiram por um trajeto rodoviário até a missa de encerramento no Santuário da Folha 16.

Mesmo sem as tradições, a fé, esperança por dias melhores e agradecimento pela vida e pedidos atendidos, era um sentimento unânime entre os fiéis que estavam às 6h30 reunidos para celebrar as bênçãos concedidas. Dom Vital Corbellini, diz que “é uma grande alegria estarmos aqui, seguindo todos os protocolos necessários para termos um bom círio, o importante é fazermos a nossa parte. A igreja está a favor da vida, já são mais de 600 mil pessoas que morreram por esse vírus, não podemos ser negacionistas, mas a nossa intenção é primar e celebrar a vida” ressalta.

Além das pessoas que estavam assistindo a missa na catedral, foi montado um telão em frente a igreja para que as pessoas pudessem acompanhar a celebração. De pés descalços, o terço na mão, Marlene Saraiva, é marabaense, mas atualmente mora no Tocantins e viaja todos os anos para passar o Círio na cidade. “Este momento é de renovação de fé, mais de 30 anos que participo deste evento, meu pai despertou isso em mim, e hoje ele não está aqui mais, mas agradeço, pela minha família, amigos, o sentimento hoje é de gratidão por termos passado por um ano com tantas turbulências.”

A apresentação da Banda Municipal aconteceu em frente ao Municipal Francisco Coelho em Marabá e segundo o regente Walkimar Guedes, todos os anos a Banda participa desse evento que é tão tradicional na cidade. “Esse evento faz parte do calendário da cidade e é um evento cultural. Para contribuir com a comunidade católica, a banda trouxe um repertório exclusivo para essa festividade e trouxemos 18 músicos selecionados que estão vacinados, sem  sintomas de gripe e seguindo todos os cuidados.”

Francisco Taveira, é diretor de decorações de eventos e é responsável pela confecção do manto, “esse ano criamos um ornamentação em tons claros, rosê, lilás e branco, lírios representando o ano de São José. Em 2020, muitas pessoas nos acompanharam, mas esse ano, devido a chegada da vacina e grande parte da população vacinada, o povo está mais fervoroso e tranquilo. O povo que faz o círio e a berlinda e Nossa Senhora conduzem toda essa experiência que é movida pela fé.”

Silvio Rodrigues, vigilante, conta que Círio de Nazaré, para ele, é fé em Deus e em Nossa Senhora de Nazaré. “Minha mãe estava doente e eu fiz um voto, e até quando Deus me der saúde estarei aqui, celebrando, mesmo com máscara, o romeiro, cidadão de fé, tem que continuar acompanhando com fé e alegria no coração.”

O percurso da berlinda passou pelos três núcleos da cidade, saindo da Catedral, a imagem seguiu para o Núcleo Cidade Nova, percorreu a Rodovia Transamazônica até o Aeroporto e no retorno, a romaria seguiu em direção à Nova Marabá e após isso, seguiu o caminho tradicional do Círio até a chegada ao Santuário da Folha 16, encerrando o 41º Círio de Marabá.

Círio Fluvial

No sábado (16) foi realizado o Círiio Fluvial, com a Travessia da Santa pelo Rio Itacaiunas e pela orla da Marabá Pioneira. O evento foi acompanhado pela banda Waldemar Henrique, formada por alunos e músicos  da Fundação Casa da Cultura de Marabá (FCCM).

“São momentos que marcam nossas vidas, com respeito e amor. Estamos fazendo está homenagem, na chegada da Santa a Paroquia São Félix de Valois. Estamos aqui para homenagear e abrilhantar um evento que faz parte do turismo da cidade”, comenta Roni Ramos, professor da Banda Waldemar Henrique.

Fieis que estavam no local aproveitaram para prestar a homenagem a Santa e acompanhar a trilha sonora dos músicos. “Está ótimo. Adoro a banda da FCCM. Tocam muito bem. Vim sem saber que teria e estou amando. Serve para dar um gostinho especial e matar a saudade”, acrescenta Jucilene da Silva Santos, professora aposentada e devota.

A presidente da FCCM, Wanda América, explica que todos os anos  a banda faz a homenagem a Nossa Senhora. “Sempre homenageamos. Ano passado não foi possível, mas esse estamos aqui, pedindo que nossa senhora nos proteja e que todo mundo se vacine. Momento emocionante, com tanta gente chorando diante de tantas mortes, pedindo e tirando foças de sua fé”, conclui.

O advogado Doni Francisco, 50 anos, afirma eu participa do Círio todos os anos e que o momento é um misto de emoções. “Momento de alegria e tristeza. Feliz pelo Círio e triste pela pandemia. Mas pelo menos esse ano, por conta da vacina e da consciência das pessoas, que vem aflorando, apesar de tudo que vemos por ai, podemos prestar pelo menos essa pequena homenagem. Muito boa a apresentação da banda, cultura é algo que alegra o povo e isso é sempre bom”, complementa. (Osvaldo Henriques e Jéssica Brandão / Fotos: Aline Nascimento)

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze