- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
quinta-feira, 07 / julho / 2022
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img
Array

PARÁ: Fraude na Alepa usava domésticos como laranjas

Mais Lidas

O Ministério Público do Estado já colheu o depoimento de 14 ‘fantasmas’ ou ‘laranajas’ da Assembleia Legislativa. Segundo o promotor Arnaldo Azevedo, muitos dessas pessoas sequer sabem o endereço daquela Casa. Os protagonistas do esquema, que tem denegrido a imagem do Poder Legislativo, enganavam pessoas humildes para conseguir desviar dinheiro dos cofres públicos. Grande parte dos fantasmas morava no bairro da Terra Firme, em habitações precárias, sendo que a maioria teve seu nome envolvido no golpe por serem trabalhadores domésticos de funcionários da Alepa que faziam parte do esquema ou de algum conhecido dos fraudadores. ‘Eles (laranjas) entregavam os documentos com a promessa de que no final do ano receberiam brinquedos ou cestas básicas’, revela Arnaldo. Sem saber, essas pessoas eram incluídas na folha de pagamento com salários que variavam de R$ 4 mil a R$ 16 mil.

‘O mais repugnante não é o desvio de recursos públicos, que o povo já está calejado de tanto escândalo, o que mais causa desprezo é a utilização da miséria alheia, de pessoas humildes, que moram em subúrbios de Belém, que eram trabalhadores domésticos ou nunca tiveram a carteira de trabalho assinada, nunca tiveram um emprego. As pessoas eram ludibriadas. Essas pessoas não recebiam vantagem alguma e não sabiam que estavam na folha. Uma exploração sórdida’, destacou o promotor. As residências dessas pessoas foram visitadas pelo MP, que registrou as condições de habitação em fotos, anexadas ao inquérito. As vítimas vão desde vendedores de feira, donas de casa, domésticas e também foi identificado o caso de um servidor público do município de Benevides.

Entre as vítimas do esquema, havia pessoas que encaminharam currículos à Assembleia, contendo números de documentos pessoais, que foram usados para a inclusão na folha. Quando essas pessoas foram informadas pelo MP que estavam na folha da Alepa, demonstraram espanto e indignação. Mas o promotor não descarta algumas situações em que os funcionários aceitavam obter vantagens financeiras ilegais para elevar o próprio contracheque em troca de dividir o salário com alguém. ‘É uma forma de exploração imoral, uma afronta ao princípio da moralidade pública’, criticou. (Portal ORM)

- Publicidade -spot_img

1 Comentário

Assinar
Notificar-me
guest
1 Comentário
Mais antigo
Mais recente Mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
SOL LIS

PORQUE DIABOS OS BENS DESSA GENTE QUE ROUBA
NA MAIOR CARA DE PAU PORQUE O GOVERNO OU SEJA
QUEM FOR Ñ OBRIGA ESSA GENTE DEVOLVER O QUE ROUBARAM?
SIM, CLARO ROUBOU VAI PRESO E DEVOLVE O ROUBO
AH, LEMBREI PORQUE, PORQUE A MESMA LEI QUE SERVE PRA
BANDIDO PERIGOSO TBM SERVE PRA BANDIDO ENGRAVATADO
A DIFERENÇA É QUE SÓ FUNCIONA EM SITUAÇÕES DIFERENTE
POR ISSO O ROUBO NÃO ACABA NUNCA E NÓS É QUE PAGAMOS POR ISSO!!!

- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias