Connect with us

Pará

PARÁ: Galpão de Artes de Marabá é premiado pelo Minc

Publicado

em

O Galpão de Artes de Marabá (GAM) recebeu duas premiações do Ministério da Cultura como referência em ponto de cultura no Brasil. O prêmio Asas, concedido em fevereiro passado, reuniu 64 outras experiências exitosas na promoção cultural; já o prêmio Tuxaua foi de reconhecimento ao trabalho de Deize Botelho como personalidade gestora e mobilizadora do projeto redes culturais no estado do Pará.

O Galpão de Artes de Marabá é legalmente representado pela Associação dos Artistas Plásticos de Marabá. A entidade foi criada em 1997 por iniciativa de artistas e ativistas culturais atuantes em diversas linguagens artísticas. Atualmente, o GAM é um Ponto de Cultura, que funciona por meio do convenio Nº696/2005/SSPC/ MINC, e gerencia uma rede de cooperação cultural no município de Marabá e região.

O público alvo do GAM são artistas, arte-educadores, ativistas culturais, escolas, organizações socioculturais e comunidade. No local, são ministrados cursos, oficinas e atividades culturais como artes visuais, cênicas, musicais, comunicação audiovisual, gráfica, dentre outras. Além disso, ocorrem exposições de artes, rodadas de artistas, projeção de vídeos e filmes e oficinas de leitura. Um infocentro, do projeto NavegaPará, do governo estadual, funciona local com internet gratuita e uso de programas livres.

As ações são divulgadas para rede de cooperação cultural coordenada pela instituição que demandam inscrições de participantes conforme o perfil de cada ação. Nas ações de oficinas para crianças e adolescentes são priorizadas as demandas de escolas publicas e projetos sociais que atuam com o público infanto-juvenil. Na formação de arte-educadores são priorizados as escolas, universidades, artistas e iniciativas que atuam na área.

O GAM funciona no bairro da Marabá pioneira. O local era um antigo galpão de uma empresa metalúrgica e serviu de encontros de artistas que gostariam de promover ações culturais de forma integrada com o poder público e a comunidade. O GAM nasceu da inquietação dos irmãos Deize e Antônio Botelho, que, a partir de 2005, tornaram o local em ponto de cultura da Secretaria Estadual e Ministério da Cultura. Pelo trabalho desenvolvido na área, Deize Botelho foi escolhida como personalidade de gestão cultural (Prêmio Tuxaua), e o Galpão de Artes de Marabá como valorização cultural (Prêmio Asas).

As premiações serão efetuadas em Belém durante a programação da Teia Cultura da Amazônia, que será realizada no período de 4 a 7 de março no parque dos Igarapés, em Belém.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

PARAUAPEBAS: Morre aos 68 anos Faisal Salmen

Publicado

em

Faisal Salmen, médico e primeiro prefeito de Parauapebas, município da região de Carajás, Pará, morreu na noite desta sexta, 23.

Faisal vinha lutando contra as sequelas de um câncer.

Faisal Faris Mahmoud Salmen Hussain, tinha 68 anos e era paulista de Agudos. Foi eleito prefeito de Parauapebas, em novembro de 1988 e cumpriu o mandato de 1989 a 1992.


O atual prefeito de Parauapebas, Darci Lermen (MDB), comentou sobre a morte. “Obrigado Faisal Salmen, nosso primeiro prefeito, por ter compartilhado, com todos nós, tanto carinho e dedicação. Nesse momento doloroso em que a natureza subverte o curso da vida. Parauapebas terá sempre muito orgulho desse cidadão parauapebense. A força de Faisal Salmen vem do seu exemplo e do seu caráter. leal à família, aos amigos, ao povo de Parauapebas, sua garra nos inspira e seu trabalho nos motiva”, disse o gestor.

O corpo de Faisal Salmen será velado na Câmara Municipal de Parauapebas a partir das 15 horas deste sábado e seu sepultamento está marcado para as 18 horas no Cemitério local.

A Prefeitura de Parauapebas decretou luto oficial de três dias.

Continue lendo

Pará

Assista o Conexão Rural deste final de semana – Dias 24 e 25

Publicado

em

Continue lendo

Pará

Após queda de torres, hospital da Transamazônica destaca importância do protocolo de múltiplas vítimas

Publicado

em

Na última sexta-feira (16), o Hospital Regional Público da Transamazônica (HRPT), em Altamira, precisou ativar o plano de contingência da unidade para atender quatro vítimas da queda de duas torres no município de Pacajá, sudoeste do Pará.

Assim que foi informado sobre o acidente, o HRPT deu início ao protocolo de triagem conhecido pela sigla START (Simples Triagem e Rápido Tratamento). O objetivo é avaliar de forma rápida e segura as condições clínicas das vítimas, podendo assim estabelecer prioridade de tratamento médico e evitar mortes ou sequelas nos pacientes.

O protocolo integra as práticas assistenciais da unidade em situações catastróficas, quando se tem muitas vítimas. A triagem rápida nestes casos é imprescindível para identificar os traumas e lesões dos feridos que precisam de atendimento de urgência e emergência.


Segundo Mário Franco, diretor Técnico do Hospital Regional da Transamazônica, além da preparação da equipe multiprofissional, leitos, macas e cadeiras de rodas são colocados à disposição para o atendimento dos pacientes.

“O protocolo envolve diferentes cuidados e a devida atenção para que ocorra um atendimento ágil, seguro e que, ao mesmo tempo, não haja prejuízos na rotina da unidade, garantindo assistência a todos”, ressalta.

Ainda, segundo o diretor, a última vez em que o protocolo START havia sido ativado na unidade foi no ano de 2010, quando o Regional da Transamazônica recebeu oito pacientes vítimas de um acidente com um avião bimotor em Senador José Porfírio, a 155 km de Altamira.

Atendimento de vítimas de Pacajá

Na assistência aos feridos no acidente de Pacajá, o protocolo teve início com uma área exclusiva de acesso às ambulâncias, no Pronto Atendimento do HRPT. No local, um aparato com cerca de 30 profissionais da saúde, entre médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e maqueiros realizavam a triagem das vítimas.

Assim, os pacientes foram classificados como muito graves (pulseira vermelha), graves (pulseira amarela) e estáveis (pulseira verde), seguindo o sistema internacional de classificação de risco.

Após a triagem, as vítimas foram encaminhadas para o Pronto Atendimento do hospital.Todas as vítimas receberam os primeiros socorros e realizaram exames específicos para identificar os ferimentos e traumas sofridos.

Alerta permanente

Anualmente, a coordenação do Pronto Atendimento, junto com o Núcleo de Educação Permanente (NEP) e o Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho (SESMT) do HRPT promovem treinamentos com foco em múltiplas vítimas para a equipe assistencial de emergência da unidade.

Segundo a diretora assistencial do hospital, Luciane Madruga, os treinamentos são realizados para que as equipes tenham visão de todos os protocolos, ações e condutas que devem ser tomadas em situações de catástrofes.

“Os treinamentos são importantes para nos manter em alerta, pois precisamos agir de forma rápida e segura, principalmente em casos com múltiplas vítimas. Dessa forma, a segurança do paciente é mantida com maior êxito e garantimos a nossa missão de salvar vidas”, explica a gestora.

Para o secretário de Saúde do Pará, Rômulo Rodovalho, a importância dos treinamentos reside na agilidade do atendimento, permitindo que os pacientes mais graves ganhem prioridade e sejam atendidos rapidamente. “Dessa forma, é possível aumentar as chances de sucesso e dessa forma salvar mais vidas e evitar possíveis sequelas”, disse. 

O Hospital Regional da Transamazônica é reconhecido nacionalmente entre os melhores hospitais públicos do Brasil. A unidade possui a certificação ONA 3 – Acreditado com Excelência, concedido pela Organização Nacional de Acreditação (ONA). O reconhecimento atesta a qualidade dos serviços prestados à população no interior do Pará. (Karine Sued)

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze