Connect with us

Pará

PARÁ: Gripe suína cresce 4 vezes em um mês

Publicado

em

Em menos de 30 dias o número de casos confirmados de gripe suína no Pará quadruplicou. Em 12 de agosto, a Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) confirmou 61 casos de infecção pelo vírus H1N1, e, ontem, após a divulgação do último boletim do órgão, é possível observar um salto considerável nas estatísticas da doença no Estado, que encabeça a lista dos que mais registram casos da nova gripe em toda a região Norte: são 248 pessoas infectadas, contrariando, assim, as afirmativas das autoridades em saúde de que a doença estaria estabilizada no Pará.

No boletim de ontem, a Sespa informa que o número de notificações chegou a 847. Das confirmações, 164 foram por exames laboratorialmente testados pelos pesquisadores do Instituto Evandro Chagas e 84 por vínculo epidemiológico, quando é possível diagnosticar a doença através do quadro clínico do paciente. Dois óbitos foram confirmados. Segundo a Vigilância Epidemiológica estadual, 143 casos suspeitos aguardam resultado laboratorial.

Para o médico Newton Bellesi, especialista em infectologia, a capacidade de produzir a doença (virulência) tem se mantido firme desde o início da pandemia. Mesmo com o evidente aumento no número de casos notificados e confirmados, ele acredita que as estatísticas devem cair. ‘O número de casos deve diminuir com o decorrer do tempo e a gravidade da doença deve se manter. A gripe pandêmica não é mais grave que a gripe sazonal (anual). A taxa de letalidade está em torno de 0,3%, ou seja, de cada 300 a 400 pessoas infectadas, uma morre. De forma geral, tudo depende da abordagem de cada caso, da aplicação precoce dos recursos médicos disponíveis’, avalia o especialista.

Diminuição

O infectologista diz que, como a maioria das pessoas não está imunizada, a disseminação do vírus é muito rápida. ‘Conforme as pessoas forem sendo infectadas, o número de casos suscetíveis começará a diminuir, ocorrendo a redução da velocidade de progressão da moléstia, o que já está acontecendo em muitos países, inclusive no Brasil. Vimos que estar infectado não significa estar doente. Muitas pessoas infectadas não apresentam quadro clínico ou um quadro ameno, um mal estar passageiro, como um resfriado comum, mas ficam imunizadas’, explica Newton Bellesi.

A diretora do Instituto Evandro Chagas, Elisabeth Santos, defende a dimuição da circulação do H1N1 no Pará. Segundo ela, à medida que a população se informa mais, vai ficando mais impressionada com a doença e acaba se prevenindo mais. ‘O vírus está estabilizado, sim. As pessoas estão se cuidando mais. Mesmo processando muitos testes diariamente, o ‘Evandro Chagas’ processa a cada dia menos confirmações para o H1N1, o que é proporcional e muito natural’, justifica a pesquisadora. (O Liberal)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

MARABÁ: ADEPARÁ realiza saneamento em fazendas

Publicado

em

Servidores da Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará) de Marabá, no sudeste paraense, promoveram uma ação sanitária com coleta sanguínea para Anemia Infecciosa Equina (AIE) em equídeos de uma prioridade rural do município, a fim de investigar se os animais da propriedade são portadores ou não da AIE.

Para o trabalho sanitário, na última quarta-feira (12), a propriedade foi interditada para trânsito de equídeos até à finalização do saneamento. Para a liberação da propriedade, é preciso que dois exames consecutivos constem como negativos.

“A Adepará se dirigiu até à propriedade para realizar os exames porque um animal contaminado passou pelo rancho e criou um vínculo epidemiológico. É uma doença altamente infecciosa e não podemos deixar os animais positivos transitar no estado”, disse Geraldo Teotônio Pereira Jota, gerente regional da Adepará de Marabá.

A propriedade com foco de AIE pode seguir até 60 dias interditada, podendo ter o prazo estendido, se caso uma amostra positivar. As amostras foram colhidas pela Fiscal Estadual Agropecuária (FEA) Raika Dias, que contou com o apoio dos servidores Leandro Sousa e José Cleudo para a contenção dos animais. O material recolhido será enviado para análise do laboratório oficial do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Para a médica veterinária Raika Dias, o trabalho tem uma grande importância para a defesa animal no Pará. Ela destacou que o Estado segue as legislações vigentes em instruções normativas e portarias estabelecidas, que contribuem para a erradicações de doenças em equídeos.

“A importância desse trabalho para a defesa animal é um trabalho que se dá em duas frentes: preventiva e corretiva, uma que atua antes e durante a ocorrência de um foco, minimizando assim, a proliferação da doença”, ressaltou veterinária Raika Dias.

Doença – A Anemia Infecciosa Equina (AIE) acomete os equídeos (cavalos, jumentos, burros e mulas) de todas as idades. Não há cura para a doença e nem vacinas, por isso há todo um trabalho de prevenção por parte dos órgãos de defesa animal, como a Adepará.

A transmissão ocorre por meio de picada de mutucas e das moscas dos estábulos; e materiais contaminados com sangue infectado como agulhas, instrumentos cirúrgicos, groza dentária, sonda esofágica, aparadores de cascos, arreios, esporas e outros materiais, além da placenta, colostro e acasalamento.

O vírus, uma vez instalado no organismo do animal, permanece por toda a vida, mesmo quando não provoca sintomas. Não há tratamento efetivo ou vacina para a doença. O animal infectado torna-se portador permanente da doença, sendo fonte de infecção.

SERVIÇO

A Adepará trabalha com orientações para os produtores, para que haja a prevenção contra a AIE e realizem regularmente exame de todos os equídeos da propriedade. Em caso de suspeita, a notificação deve ser feita no escritório da Agência mais próximo de onde a propriedade está localizada.

Presente nos 144 municípios paraenses, a Adepará disponibiliza canais de comunicação e uma Ouvidoria para recebimento de denúncias. No site da Agência – há os contatos dos escritórios das regionais. O telefone fixo da Gerência dos Programas Estaduais Suídeos e Equídeos (Gpese) é o 3210-1188 e, caso a preferência seja por celular, o contato é o (91) 99392-4250.

Continue lendo

Pará

Pará recebe mais um lote de vacinas contra a Covid-19

Publicado

em

O Pará recebeu, na tarde desta sexta-feira (14), mais uma remessa das vacinas contra a Covid-19. Essa é a 22ª enviada pelo Ministério da Saúde desde janeiro. São 34.200 doses da CoronaVac/Sinovac, vacina que é desenvolvida no Brasil pelo Instituto Butantan, localizado em São Paulo. No total, o Pará já recebeu 2.687.220 doses, sendo 1.239.440 da CoronaVac, 1.396.300 da Oxford/AstraZeneca e 51.480 da Pfizer. 

A expectativa é que a distribuição das doses que chegaram hoje, seja realizada já a partir deste sábado (15), para os Centros Regionais de Saúde. O envio será feito por vias terrestre, aérea e fluvial, e contará com o apoio da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup).

“A equipe de logística da Sespa vai se reunir, ainda na tarde de hoje, para organizar o envio das doses para os municípios da Região Metropolitana e interior do Estado. A prioridade é enviar doses aos locais que precisam acelerar a vacinação nos grupos da terceira etapa do plano estadual de vacinação”, explica Marcus Coura, coordenador de Logística da Sespa. 

A aplicação da vacina é responsabilidade das secretarias municipais de saúde. “A Sespa está viabilizando a campanha junto aos municípios, mas nós reforçamos que a população deve continuar fazendo a sua parte sem deixar de lado os cuidados com a higienização das mãos assim como distanciamento social, uso de álcool em gel e máscara”, afirma o Secretário de Estado de Saúde Pública do Pará, Rômulo Rodovalho. 

“A chegada de mais remessas ao Estado é importante, pois dessa forma vamos avançando a vacinação em todo o Estado. Ressaltamos que é importante que todos fiquem atentos ao calendário de vacinação do seu município e não deixem de tomar a segunda dose, pois só assim é possível completar o ciclo da imunização”, reforça o secretário.

Continue lendo

Pará

MARABÁ: ARCON coíbe circulação do transporte clandestino

Publicado

em

Com o intuito de coibir a circulação do transporte clandestino, a equipe de fiscalização da Agência de Regulação e Controle de Serviços Públicos do Estado do Pará (Arcon-Pa) realizou durante esta semana uma  operação de combate ao transporte  irregular de passageiros nas estradas do município de Marabá, sudeste do Estado.

A fiscalização atuou na região sudeste do Estado, no período dos dias 10 a 14/05.  A Arcon vem realizando operações periódicas para impedir a circulação do transporte clandestino nas estradas de todo o Estado. A ação, mobilizada pela equipe de fiscalização da Agência, contou com o apoio da Polícia Militar. 


“O objetivo da operação é garantir a prestação do serviço do transporte intermunicipal de forma segura, e autorizada pelo órgão estadual para a segurança nas viagens da população paraense e a garantia no cumprimento ao protocolo de sanitário de enfrentamento à Covid-19”, explica Ivan Bernaldo – Diretor de Fiscalização da Arcon.

Durante a operação em Marabá, foram apreendidos 10 veículos clandestinos e aplicados 17 autos de infração. Os fiscais da Arcon também observaram o cumprimento do protocolo de segurança por conta da Covid-19 (Decreto nº 800/2020) a capacidade de lotação, dentre outros itens para a segurança da viagem, como, por exemplo, as condições dos veículos.

Serviço: Denúncias e reclamações podem ser feitas presencialmente, nas salas da Ouvidoria da Arcon-Pa localizadas nos terminais rodoviário e hidroviário de Belém, pelo telefone 08000911717, no e-mail [email protected], e através do  aplicativo de celular “Ouvidoria Arcon-Pa”.

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze