Connect with us

Pará

PARÁ: Novas fontes energéticas podem movimentar até R$ 30 milhões

Publicado

em

Aperfeiçoar o posicionamento estratégico da matriz elétrica do Pará na promoção do desenvolvimento sustentável no Estado, onde a segurança energética e as questões ambientais são determinantes em termos de competitividade. Essa é a principal proposta da tese de pós-doutorado do professor da Universidade da Amazônia, Fabrício Quadros Borges, intitulada ‘A matriz elétrica no Estado do Pará e seu posicionamento na promoção do desenvolvimento sustentável na Amazônia’.

Em seu estudo, o pesquisador traça um panorama das atuais fontes elétricas do estado e apresenta um plano de diversificação desses meios para 2020, mostrando que além de serem sustentáveis, essas fontes contribuirão significativamente para a geração de renda e empregos na região.

Para chegar a tais resultados, Fabrício Borges levou em consideração as especificidades econômicas, tecnológicas e naturais do Pará, utilizando equações matemáticas que lhe forneceram a proporção ideal da participação de cada fonte de energia na matriz elétrica de 2020. Foram avaliadas as fontes: biomassa, solar, eólica e nuclear.

Dessas, apenas a biomassa e a solar mostraram-se fontes pontenciais e sustentáveis de geração elétrica. Em relação à biomassa, o estudo verificou que o Pará apresenta alto desempenho para a dimensão econômica, médio desempenho para a dimensão social, médio desempenho para a dimensão ambiental e médio desempenho para a dimensão tecnológica, portanto sua utilização é indicada.

O Estado é o terceiro maior beneficiador de espécies florestais do Brasil, consequentemente, gera grande quantidade de resíduos, o que representa potencial significativo para utilização dessa biomassa para fins energéticos. No que diz respeito à fonte solar, o estudo constatou que o Estado apresenta baixo desempenho na dimensão econômica, médio desempenho para a social, alto desempenho na dimensão ambiental e médio desempenho para a dimensão tecnológica. A utilização dessa fonte é indicada ao Pará graças a uma enorme quantidade de radiação solar que o Estado dispõe durante todo o ano.  

Hoje, a fonte hídrica do Pará responde por 96% da geração de eletricidade no estado. A meta é que esta participação seja reduzida, até 2020, para 80%, já que as fontes de biomassa e solar desempenharão papel de destaque no processo de transformação da matriz elétrica paraense. Juntas devem responder por 19% da matriz em 2020, sendo 12% gerado pela biomassa e 7% pela solar. Atualmente, as duas fontes respondem por 1% da participação na geração de eletricidade no Pará. Conforme o estudo, as demais fontes não devem ultrapassar 1%.

Emprego e renda

De acordo com Fabrício Borges se forem direcionados esforços para a diversificação da matriz elétrica paraense, as empresas envolvidas com a cadeia energética de fontes solar e biomassa constituirão dois novos setores que devem movimentar juntos até 2020 cerca de R$ 30 milhões e gerar cerca de 20 mil empregos diretos nos próximos 10 anos.  

Além disso, a inclusão destas fontes de energia na matriz elétrica deverá evitar o lançamento de emissões em cerca de 15 milhões de toneladas de gás carbônico em 10 anos. ‘Este novo cenário reduziria a contribuição paraense na emissão de gases poluentes a partir de fontes de eletricidade e demonstraria uma iniciativa de compensar uma pequena parte dos impactos causados ao aquecimento global pelas imensas áreas alagadas, por ocasião das usinas hidrelétricas no Estado’, afirma o pesquisador.

Os estudos para a conclusão da tese de pós-doutorado do pesquisador Fabrício Borges foram realizados em um período de 18 meses, entre os Estados do Pará e de São Paulo, e contaram com a parceria da professora doutora Désirée Zouain, do Ipen (Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares) da Universidade de São Paulo (USP).

Ações públicas

De acordo com o pesquisador, a matriz elétrica pode ser utilizada na análise da produção e uso de eletricidade em determinado contexto local, de modo a permitir uma leitura a partir da conjuntura energética global. ‘Esta condição permite observar que a quantidade de energia elétrica produzida deve ter sua importância associada aos tipos de fontes de geração deste insumo, assim como às formas de acesso da população. Logo, possibilita levantar subsídios de análise na tentativa de orientar ações públicas do setor elétrico que sejam mais comprometidas com o desenvolvimento sustentável. Neste sentido, o presente estudo pretende questionar quais transformações a matriz elétrica paraense deve sofrer na intenção de aperfeiçoar seu posicionamento e favorecer o desenvolvimento sustentável no Estado’, conclui Fabrício Borges.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

PARAUAPEBAS: Marginais roubam ótica dentro do Partage Shopping

Publicado

em

Dois bandidos aproveitaram o final de expediente da loja Ótica Maia, dentro do Partage Shopping, na cidade de Parauapebas, na região de Carajás, no estado do Pará, para realizar um roubo.

O registro feito por câmeras de segurança mostra a ação dos assaltantes.

Após o assalto os bandidos saíram em retirada sem serem notados pela Segurança do shopping. A Polícia Militar foi acionada mas os criminosos não foram localizados.

Continue lendo

Pará

Embarcações de passageiros estão proibidas a partir desta quinta entre Pará e Amazonas

Publicado

em

Está proibida, a partir desta quinta-feira (14), a circulação de embarcações de passageiros entre os estados do Pará e do Amazonas, como medida de prevenção à proliferação da Covid-19. A determinação foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE), por meio do Decreto Estadual 1.273/2020.

A partir deste momento, os órgãos e as entidades enquadrados no Sistema de Segurança Pública e Defesa Social do Pará, assim como àqueles responsáveis pela fiscalização dos serviços públicos de transporte, ficam autorizados a aplicar sanções para os casos de descumprimento, que podem ser: advertência; multa de R$ 10 mil por embarcação, no caso de reincidência; até a apreensão da embarcação. 

A aplicação das penalidades previstas pelo decreto não exclui que os responsáveis pelas embarcações sofram, também, responsabilizações civis ou criminais.

“Esta é uma medida preventiva, porque estamos vendo que o Amazonas voltou a ter números altos de hospitalização pela doença. Por isto, o Pará decidiu proibir embarcações de passageiros, estando liberadas aquelas que fazem o transporte de cargas. Seguem liberados também os transportes terrestres”, explicou Ricardo Sefer, procurador-geral do Pará.

Em suas redes sociais, na noite de quarta-feira (14), o governador do Pará, Helder Barbalho reforçou que a medida visa garantir que pessoas contaminadas pelo novo coronavírus, oriundas do Amazonas, entrem em território paraense e acabem aumentando o número de casos da doença no Pará. 

“Isto é uma medida fundamental para evitar o contágio dentro do Estado e, consequentemente, evitar problemas de saúde em face da pandemia. Portanto, nossas fronteiras com o Amazonas estarão fechadas, com fiscalizações da Polícia Militar do Pará e apoio de embarcações e aeronaves, para que possamos fazer cumprir a medida preventiva de restrição e proteger nossa população”, informou o chefe do Poder Executivo.

Continue lendo

Pará

No Pará, homem tem surto psicótico, agride policiais e acaba morto

Publicado

em

Um homem identificado como Luís Carlos Rodrigues, de 44 anos, foi morto a tiros na tarde desta segunda-feira, 11, depois de atacar policiais militares das Rondas Ostensivas Táticas Metropolitanas (Rotam), possivelmente durante um surto psicótico. A tragédia aconteceu na rua Tancredo Neves, na comunidade Fé em Deus, no bairro do Tenoné, em Belém, por volta de 17h30. A confusão que resultou na morte do deficiente mental foi registrada em vídeo por diversos moradores da localidade e amplamente divulgada nas redes sociais.

De acordo com vizinhos da vítima, Luís Carlos Rodrigues teria tido um surto por volta das 15h30 e começou a quebrar toda a residência onde morava a pouco tempo com a família, situada na vila da Lourdes. Os parentes dele, assustados, acionaram o Serviço de Atendimento Móvel (SAMU) e o Corpo de Bombeiros Militar do Pará (CBMP) para tentar conter a fúria do homem, que estava transtornado. Ainda conforme relatos dos moradores do entorno, as equipes de socorristas do Samu e dos bombeiros também foram agredidas por Luís Carlos. O homem, segundo testemunhas, empunhava um barra de ferro pesada e com o objeto teria quebrado a ambulância e a viatura do CBMP. Estilhaços de vidro dos dois veículos se espalharam pela via e as equipes, com medo, acabaram deixando o local rapidamente.

Moradores e comerciantes do entorno, apavorados, se trancaram em suas casas e se esconderam, com receio de também serem atacados por Luís Carlos, que continuava visivelmente alterado.

Ainda numa tentativa de frear a violência de Luís Carlos, foi requisitado o apoio das Rotam, que chegaram ao local por volta de 17h20. O homem, no entanto, ao se ver encurralado por vários policiais armados, não exitou e começou a agredir os agentes de segurança pública, ainda com a barra de ferro. Os policiais revidaram a ação e dispararam munições de borracha contra ele, mas os tiros não o contiveram. Luís Carlos continuou a se insurgir contra os policiais e correu atrás de um deles para tentar espancá-lo. O PM,  que corria de costas, tropeçou e caiu ao chão. Luís Carlos, então, o golpeou pelo menos três vezes na região da cabeça. Para impedir que o policial fosse morto, os agentes de segurança pública efetuaram disparos de arma de fogo contra Luís Carlos, que morreu ainda no local.

O PM ferido, identificado apenas como cabo Vilhena, foi amparado por colegas de farda e por moradores do entorno, ainda no local. Ele foi socorrido por uma guarnição da PM e levado inicialmente para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Icoaraci, distrito de Belém, em estado gravíssimo. Em seguida, foi transferido para o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE) e até o fechamento desta edição o estado do policial era considerado grave.  

A família de Luís Carlos se manteve perto do cadáver e lamentou a tragédia. O corpo dele foi removido e encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) no final da noite.

Continue lendo
publicidade Bronze