Connect with us

Pará

PARÁ: Paraense vê a divisão do Estado como uma paixão, diz Idesp

Publicado

em

A discussão sobre a divisão do Estado do Pará em mais duas unidades federativas, Tapajós e Carajás, tem gerado muita polêmica entre os paraenses nos últimos meses. Para esclarecer dúvidas importantes antes do plebiscito que será realizado até o mês de dezembro, o Idesp (Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará) fará uma reunião, no dia 1º de julho, com representantes do governo do Estado, da UFPA (Universidade Federal do Pará) e do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) para definir a programação das pesquisas que serão feitas no período que antecede a consulta popular.

‘A nossa preocupação é conseguir coletar a maior quantidade de dados possíveis para ter informações científicas do que será a divisão do Estado em três. O que observamos até agora é que os paraenses estão vendo essa divisão apenas pelo lado da paixão e falta esclarecimentos técnicos sobre o assunto’, explica a presidente do Idesp, Adelina Braglia.

No último dia 20 de junho, uma reunião do Idesp com os professores da UFPA, Roberto Corrêa e Gilberto Miranda Rocha, além de Carlos Augusto da Silva Souza, da Unama (Universidade da Amazônia), foram apresentados alguns dados feitos pelos acadêmicos que já estudavam esta divisão. Os estudos ainda são superficiais sobre a realidade que pode ser modificada com o decorrer do processo de separação do Pará.

‘As informações que temos até o momento são pontuais. É como se tivéssemos feito um corte seco no Estado e observamos como ficaria a economia e o desenvolvimento social dessas possíveis unidades federativas. Então, por mais que o estudo mostre que não há como o Tapajós se sustentar, isso não significa que seja uma projeção, pelo contrário é apenas um indicativo. Esses Estados irão sofrer mudanças no decorrer de suas criações, que podem ou não ser positivas. Isso só um estudo mais aprofundado poderá dizer’, ressalta a gestora.

Adelina também reafirma que a posição do órgão em relação ao plebiscito é a imparcial, apesar de representantes do Governo do Estado, como é o caso do chefe da Casa Civil, Zenaldo Coutinho, que é totalmente contra a separação do Estado. ‘O nosso objetivo, independente dos interesses de grupos específicos que podem se prejudicar ou se beneficiar com a separação, é mostrar o que essa divisão trará de bom para o desenvolvimento social dessas regiões afetadas’, pontua Braglia.

Um conjunto de indicadores reunidos na publicação de uma revista acadêmica, no artigo ‘Retrato da Divisão do Estado’, mostra que o Pará ficaria com 56% do Produto Interno Bruto (PIB), Carajás com 33% e Tapajós com 11%. No comportamento da balança comercial, em 2010, no cenário da divisão do Estado, tem-se a distribuição: US$ 9.242 milhões no Carajás, US$ 2.830 milhões no Pará e US$ 596 milhões no Tapajós. (Redação Portal ORM)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

MARABÁ: Bolsonaro faz entrega de títulos de terra

Publicado

em

O presidente Jair Bolsonaro cumpriu agenda nesta sexta, 18, na cidade de Marabá, região de Carajás, no Pará, onde participou da entrega de títulos de propriedade para famílias beneficiárias do Programa Nacional da Reforma Agrária.

Segundo o Governo Federal foram entregue entregou 50 mil títulos fundiários.

Bolsonaro estava acompanhado do senador Zequinha Marinho (PSC), de deputados ferais e estaduais, prefeitos e vereadores.

Líderes religiosos como Silas Malafaia e Marcos Feliciano, também acompanharam a comitiva do presidente.

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Obra emergencial de construção da nova ponte na rua 11 está adiantada

Publicado

em

Iniciada dia 28 de abril, a obra de construção da nova ponte da rua 11 – que interliga os bairros Liberdade I e União, avança. De acordo com o engenheiro civil, Roginaldo Rocha, mais de 50% do cronograma já foi executado. A obra é realizada de forma emergencial e vai garantir a segurança do trânsito na ponte.

“Nós estamos trabalhando de domingo a domingo para que, o mais breve possível, volte à normalidade aqui para a população que transita no local”, afirma Roginaldo. A obra integra o Programa de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap).

A contratação emergencial do serviço e a respectiva antecipação da obra que estava prevista no cronograma do Prosap ocorreu em função de problemas estruturais decorrentes das fortes chuvas do início do ano. O contrato prevê um prazo de 120 dias para a conclusão da ponte, mas a meta da equipe é reduzir esse tempo e entregar a ponte na segunda quinzena de julho.

Estrutura da ponte

A nova ponte terá 45 metros de comprimento por 11 metros de largura, com calçada dos dois lados, corrimão e guarda-corpo. Dez pilares de concreto darão suporte às vigas que estão em construção.

“As vigas estão sendo concretadas em um espaço próximo da ponte e já estão praticamente todas prontas. Quando os pilares estiverem finalizados vamos conduzir essas estruturas utilizando um caminhão munck para levá-las até o local da obra e assim fazer o encaixe nos pilares”, detalha Roginaldo. (Karine Gomes / Fotos: Renato Resende)

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Construção de galeria subterrânea vai conter alagamentos na área do Mercado Municipal

Publicado

em

Foi iniciada a construção da galeria subterrânea que vai conter os alagamentos na região do Mercado Municipal. A galeria é formada por uma linha dupla de aduelas, estruturas de concreto que medem 2,5 x 2,5 metros. As águas da chuva e do Igarapé Guanabara, localizado nas proximidades do Mercado Municipal, irão escoar pela galeria até o encontro com o Igarapé Ilha do Coco, em frente ao prédio da prefeitura.

Manoel Afonso é um dos comerciantes no Mercado Municipal e relata as dificuldades enfrentadas com as chuvas, “o pessoal que vende farinha sempre teve muitos prejuízos na época da chuva, realmente a gente está contando com essa obra para que solucione o problema. Além disso, vai valorizar o mercado”, destacou o comerciante.

A galeria terá quase mil metros de extensão, a obra tem previsão de ser concluída no prazo de seis meses e as interdições no trânsito durante o período serão gradativas. “Fizemos um desvio na avenida Liberdade, para termos condições de trabalhar com o início das obras em frente ao mercado. Ao finalizarmos essa etapa, vamos liberar a via para o trânsito no local e iremos fazer a interdição da PA 275, interferindo o mínimo possível no trânsito e na vida das pessoas”, explicou Thiago Oliveira, engenheiro do Prosap. (Com informações de Karine Gomes / Fotos: Renato Resende)

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze