- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
domingo, 22 / maio / 2022
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img
Array

PARÁ: Plebiscito vai ter custo recorde

Mais Lidas

A consulta popular que vai definir se o Pará vai se desmembrar em três partes ou não vai custar caro no bolso dos contribuintes. Segundo estimativa do Tribunal Superior Eleitoral, o custo financeiro do plebiscito será de R$ 24 milhões, o que, proporcionalmente, deverá ser a eleição mais cara que o País já teve. Nas eleições gerais do ano passado, a Justiça Eleitoral brasileira totalizou R$ 490 milhões em gastos, o equivalente a R$ 3,63 por eleitor. No caso da consulta paraense, na qual os eleitores responderão se querem dividir o estado para a criação das unidades federativas do Tapajós e do Carajás, o custo será de R$ 4,98 para cada pessoa apta a votar.

O valor é 37% maior do que o registrado nas eleições de 2010. Mesmo com a atualização da inflação no período, a diferença continua bem superior. Com os valores corrigidos pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), as eleições custariam hoje, em média, R$ 3,90 – ainda assim, o plebiscito sairia 27,6% mais caro. Em comparação ao referendo do desarmamento, realizado em outubro de 2005, os gastos com o plebiscito chegam a ser mais de duas vezes acima. De acordo com o TSE, aquela consulta pública custou R$ 2,07 por eleitor. Na época, 64% dos brasileiros disseram não à proibição da venda de armas no País. Levada em conta a inflação do período, ainda assim, o referendo custou menos que o plebiscito paraense, com média de R$ 2,77 per capita.

Segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Pará (TRE-PA), os R$ 24 milhões são apenas uma previsão orçamentária e podem não corresponder ao montante gasto ao final do plebiscito. ‘Em função do planejamento que estamos fazendo, existem dois tipos de despesas: tem as que são custeadas pelo orçamento do próprio TRE e alguns contratos que são pagos com recursos do TSE. A estimativa de gastos do orçamento do Tribunal é em torno de R$ 13,8 milhões. Então, esse é o valor da nossa estimativa de gastos com os contratos que serão geridos pelo TRE, como transporte de urna, alimentação de mesário, por exemplo’, explicou o secretário de controle interno e auditoria do Tribunal Regional Eleitoral, Marcos Leão. (O Liberal)

- Publicidade -spot_img
Assinar
Notificar-me
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias