- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
sexta-feira, 20 / maio / 2022
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img
Array

PARÁ: Polícia investiga morte de testemunha em Nova Ipixuna

Mais Lidas

Mais um assassinato, em Nova Ipixuna, no sudeste do Pará, acirra os ânimos dos pequenos agricultores da região. Moradores do Assentamento Agroextrativista Praialta-Piranheira, onde foram mortos na terça-feira passada os extrativistas José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva, encontraram na manhã deste sábado (28) o corpo do colono Eremilton Pereira dos Santos, de 25 anos. Eles avisaram uma equipe do Ibama que fazia inspeção na área e identificou o cadáver.

A Polícia Civil, que está com equipe reforçada em Marabá há cinco dias, já começou as investigações sobre a morte do agricultor. Desaparecido desde a última quinta-feira, ele foi achado às 8h30 da manhã, às margens de um lago, na área do projeto de assentamento, a cerca de 7 km do local onde os líderes Zé Cláudio e Maria foram vítimas de uma emboscada.

O cunhado de Eremilton foi ouvido em depoimento durante a tarde na sede da Seccional da Polícia Civil de Marabá pelo delegado Silvio Maués, diretor de Polícia do Interior. A testemunha afirmou que a vítima estava caída de bruços com o rosto ferido, com características de disparo de arma de fogo.

Ele contou ainda que Eremilton foi visto, pela última vez, ao sair de casa para comprar peixe, na quinta-feira. Teria deixado sua moto perto de uma fazenda. O veículo foi encontrado no local. Ainda hoje, serão ouvidos em Marabá os sogros de Eremilton. O depoimento foi acompanhado pela Comissão Pastoral da Terra (CPT), em Marabá.

“É muito cedo para vincular este episódio à morte do casal de  extrativistas ocorrida esta semana na mesma área”, afirma o secretário de Segurança, Luiz Fernandes Rocha. “O momento agora é de investigação. Se existe um vínculo, ele aparecerá naturalmente no curso das apurações”, alertou.

Outra informação precipitada é a de que o colono Eremilton seria testemunha da morte do casal de extrativistas e por isso foi executado. O delegado Silvio Maués descarta essa possibilidade, até porque não houve testemunha ocular do crime de terça-feira. “Tudo será investigado”, informou Silvio Maués.

Em Nova Ipixuna, as equipes da Polícia Civil, Polícia Federal e do Ibama, em diligências no assentamento, deslocaram-se até a área para apurar o novo homicídio. Enquanto a testemunha era ouvida, policiais civis da Delegacia de Conflitos Agrários de Marabá e peritos do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves deslocavam-se até o local do crime para iniciar os levantamentos e proceder à perícia de local de crime.

O delegado-geral adjunto, Rilmar Firmino, coordena pessoalmente as investigações em Nova Ipixuna. Ao todo, cerca de 20 policiais civis estão em atuação na região.

- Publicidade -spot_img
Assinar
Notificar-me
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias