Connect with us

Maranhão

PARÁ: Policial estaria trabalhando para quadrilha

Publicado

em

Policiais militares do 24º Batalhão da PM, comandado pelo major Neil Duarte, estavam realizando uma operação no conjunto Cordeiro de Farias, no bairro do Tapanã, periferia de Belém, quando receberam a informação de que um homem estava debaixo de uma residência. O major Neil e outros policiais que estavam em cerca de 10 viaturas se deslocaram até o local para verificar essa situação, quando o ajudante de pedreiro, Lucivaldo Leão dos Santos, de 26 anos, conhecido como “Civaldo”, pulou na frente das viaturas, na rua Cabana, e pediu socorro das guarnições. Ele estava bastante nervoso e com o braço esquerdo alvejado por um tiro.

O major Neil rapidamente parou para conversar com o rapaz, que acabou revelando que foi um policial militar, conhecido como Augusto, que efetuou vários disparos e por pouco não tirou sua vida. “Eu estava descendo a ladeira da rua, quando o cabo Augusto Cézar, que é da PM, pulou na minha frente e disse que era um assalto.

“Eu não parei. Ele disparou vários tiros e um deles pegou no meu braço”, conta Lucivaldo, que já tem passagem pela polícia por assalto cometido em 2008. Após ser baleado, Lucivaldo correu pulando muros de vários quintais até entrar na lama e se esconder debaixo de uma casa.

Augusto estava em companhia de um comparsa que foi apenas identificado como “Tutuca” e que deu apoio ao policial utilizando uma moto, pertencente à dona de casa Daniela Sampaio, de 22 anos.

Em depoimento ao delegado Walter Resende, Daniela conta que estava descendo da moto, uma Honda Fan preta, em frente a um supermercado, localizado na rua sargento Getúlio, no bairro do Bengui, quando por volta das 8h30 de ontem, foi abordada pelo PM Augusto Cézar e um outro bandido identificado apenas como “Tutuca”.

“Eu estava descendo da moto quando os dois chegaram e pediram para eu não olhar para trás e levaram a minha moto”, relata Daniela.

A equipe do DIÁRIO acompanhou com exclusividade toda a operação da PM na tentativa de prender os acusados. “Nós vamos fazer algumas buscas para tentar prender os acusados”, explica o cabo J. Carlos, da 22ª ZPol, que cobre a área do Bengui.

Uma moradora que preferiu não se identificar contou aos policiais que “Civaldo” faz parte de uma quadrilha de traficantes adversária ao bando que o policial militar pertence, levando a crer que o caso está voltado para uma disputa por pontos de tráfico de drogas nas áreas do Parque União, Parque Verde, Cordeiro de Farias, Tapanã e Bengui.

Desde domingo, vários homicídios foram registrados naquela região, todas as vítimas envolvidas em acerto de contas. Em meio a esses crimes, Jackson Batista de Souza, de 21 anos, foi preso na madrugada de ontem pelos policiais do 1º Batalhão da Polícia Militar, quando estava acompanhado de um rapaz que acabou sendo executado no Parque União. Ele estava com todos os pertences da vítima.

“A gente vem registrando esses homicídios que estão acontecendo por causa do tráfico, mas vamos acabar com isso aqui”, conta o major Neil, que já está com a identificação de vários traficantes que agem no bairro.

Assalto

Durante as buscas aos demais envolvidos no baleamento, a guarnição do capitão Mariúba se deparou com uma outra situação.Um adolescente de 17 anos que estava em atitude suspeita e ficou bastante nervoso ao avistar a PM. Ao ser abordado pelo capitão Mariúba, foi encontrada na cintura do menor uma pistola 765, modelo alemã. “Eu comprei essa arma por R$ 200,00”, contou o adolescente.

Em poucos minutos, aproximou-se uma senhora que acusou o rapaz de ter acabado de asssaltar o seu mercadinho, fugindo com a renda do estabelecimento. Diante do reconhecimento, ele confessou o crime. “Eu roubei porque estava querendo ir embora para o interior”, finaliza. (Diário do Pará)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Maranhão

IMPERATRIZ: Fiscalização contra transporte irregular de areia é intensificada

Publicado

em

É considerada infração de trânsito gravíssima, prevista no artigo 231, o derramamento de carga sobre a via pública, independentemente de estar o veículo com equipamento, ou não, de forma a impedir que isso ocorra. Para evitar sinistros, agentes de trânsito intensificaram trabalho de fiscalização contra veículos que transportam materiais (barro, areia, seixo etc) sem a proteção da carga.

Em patrulhamento pela Rua Luís Domingues, setor Mercadinho, o agente de trânsito Frank Gomes flagrou o transporte de barro em uma caçamba que, embora tivesse a lona proteção, não estava utilizando cobertura para evitar fragmentos da carga na via pública. “Temos orientado os condutores quanto ao cumprimento da legislação de trânsito e ambiental que versa sobre a exigência da utilização da lona de proteção”, explicou.

Em veículos de carrocerias abertas deve-se observar que o transporte de qualquer tipo de sólido a granel em vias de circulação pública é disciplinado pelo CTB que determina que “cargas transportadas devem ser totalmente cobertas por lonas ou dispositivos similares, devendo ainda, cumprir outros requisitos”.

“É preciso cobrir totalmente a carga transportada de forma eficaz e segura; estar em bom estado de conservação, para evitar o derramamento da carga transportada; devem estar devidamente ancorados à carroceria do veículo, e sem prejudicar a eficiência dos demais equipamentos obrigatórios de segurança”, observa o agente de trânsito Frank Gomes que ressalta que o patrulhamento tem sido realizado em todos os bairros de Imperatriz.

Vale lembrar que, além do transporte de carga a granel (em que a própria carroceria do veículo acondiciona o produto, como, por exemplo, transporte de areia), o Conselho Nacional de Trânsito, Contran, também regulamenta o transporte de outros tipos específicos de carga: toras de madeira [Resolução nº 196/06]; produtos siderúrgicos [Resolução nº 701/17]; rochas ornamentais [Resolução nº 354/10] e contêineres [Resolução 564/15].

Continue lendo

Maranhão

Reunião entre secretários e Caixa trata sobre celeridade nas obras do residencial Canto da Serra

Publicado

em

Reunião entre secretários da Prefeitura de Imperatriz e a Superintendência da Caixa Econômica Federal, realizada na última segunda-feira, 10, tratou sobre o andamento e celeridade nas obras do Conjunto Habitacional Canto da Serra. A construção ainda se encontra com pendência e o projeto passará por readequação para que seja entregue aos quase 3 mil contemplados.

No encontro, participaram os representantes das secretarias de Desenvolvimento Social, Infraestrutura e Planejamento Urbano e funcionários do banco, em Imperatriz. E por meio de videoconferência, também participaram representantes da Caixa de Brasília.

Foi realizada uma recapitulação e análise da situação em que se encontra o Residencial Canto da Serra, bem como de pendências da obra. Acerca do que cabe à Caixa, eles se mostraram disponíveis a buscar recursos para aprovação de projetos e o que for necessário (dentro da competência deles), para dar continuidade às obras do empreendimento, bem como dar agilidade à própria contratação de nova empresa para finalizar o residencial.

Os secretários também se colocaram à disposição para agilizar o que for de sua responsabilidade, inclusive alinhar todas as ações, com melhor comunicação entre os órgãos.

Para Janaína Ramos, secretária de Desenvolvimento Social, a comunicação entre eles deve ser constante, para que a Prefeitura acompanhe o andamento das obras. Ela falou pelos quase três mil sorteados para o Canto da Serra, que precisam de uma resposta e de suas habitações.

“São quase oito anos de espera, as pessoas precisam sair do aluguel, da casa de parentes, de morar de favor, como muitos dos sorteados se encontram atualmente. Nós da Sedes e as demais secretarias municipais temos, juntos, empreendido esforços dentro do que nos cabe fazer. Não é do nosso interesse ver essa situação continuar da forma que está. Sabemos que está é uma obra do Ministério do Desenvolvimento, e a Caixa Econômica Federal é o órgão financiador, portanto, não depende da gestão municipal”, destacou Janaína.

André Luiz Pinheiro foi um dos representantes da Caixa que participou da reunião em Brasília, e falou das pendências que precisam ser resolvidas. “A solução para o problema é técnica, independente de atuação política partidária, nós aguardamos pelo que pleiteamos ainda no ano passado. Hoje precisamos retomar o mais rápido possível, precisamos caminhar! Temos a obrigação de concluir essa obra, para fazermos a entrega o quanto antes”, enfatizou.

Próximos passos

Deve ser feito um levantamento situacional, uma análise técnica de pendências e, em seguida, será protocolado o pedido para contratação de nova empresa construtora. Não foi estipulado prazo, mas de acordo com a equipe da instituição, eles já se movimentam, desde a rescisão contratual com a Cagel Empreendimento, antiga responsável pelo Canto da Serra, para resolver com celeridade o problema.

Ficou pré-agendada uma reunião entre os secretários Alessandro Pereira, Planejamento Urbano; Leandro Braga, Trânsito e Transportes e Zigomar Filho, Infraestrutura, para discutir correções das irregularidades e posteriormente passar a obra para a nova empresa.

O secretário de Infraestrutura, Zigomar Filho, destacou a importância do empreendimento que contemplará quase três mil beneficiários com moradia. Ele ainda ressalta que “o departamento de fiscalização da Sinfra tem acompanhado a execução da infraestrutura e a construção dos imóveis para que a população receba esse benefício, transformando o sonho em realidade”. (Sara Batalha, com colaboração de Regilson Borges)

Continue lendo

Maranhão

No Maranhão, três crianças morrem em incêndio enquanto dormiam

Publicado

em

Na madrugada desta terça-feira (11), três crianças morreram carbonizadas após um incêndio dentro do quarto onde dormiam, em Centro Novo do Maranhão, a cerca de 265 km de São Luís.

As crianças foram identificadas como Sophia, Alice e Diogo, e tinham 3, 5 e 6 anos de idade. Segundo a polícia, a primeira hipótese é que uma pane elétrica teria iniciado o incêndio.


Os pais foram ouvidos e disseram que também estavam dormindo, que foram surpreendidos pelo incêndio e não conseguiram salvar as crianças. Ainda assim, a Polícia Civil investiga o caso e peritos de São Luís foram enviados ao local para analisar se foi morte acidental ou se o fogo foi criminoso.

O Corpo de Bombeiros mais próximo de Centro Novo do Maranhão é o de Santa Inês, a cerca de 150 quilômetros do local.

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze