- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
quinta-feira, 19 / maio / 2022
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img
Array

PARÁ: Praias do Parque Serra das Andorinhas e APA Araguaia recebem monitoramento

Mais Lidas

Em São Geraldo do Araguaia, a preservação é destaque para os que têm visitado, recentemente, as praias e ilhas do Rio Araguaia. Essa conquista é resultado de um trabalho de educação ambiental realizado no perímetro correspondente ao Parque Estadual Serra das Andorinhas (Pesam) e Área de Proteção Ambiental (APA) Araguaia desde o mês passado, quando técnicos e estagiários da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), órgão estadual responsável pela gestão da área, percorreram o espaço.

O principal objetivo da ação é sensibilizar visitantes e pescadores sobre a importância de reduzir a quantidade de lixo e a predação de quelônios. O Monitoramento Ambiental é uma parceria da gerência do Parque com a colônia de pescadores do município, cujo foco consiste nos males causados pelo lixo. Baseada nisso, a equipe detalha em suas ações o tempo de decomposição dos objetos mais encontrados nos acampamentos; orientam as pessoas a recolher os resíduos produzidos nos acampamentos, levar para a cidade e acondicioná-los nas lixeiras urbanas. Para isso, são distribuídas sacolas.

Por causa da grande quantidade de lixo acumulado às margens das praias, é necessário o monitoramento da área, visto que por muito tempo, diversos objetos eram encontrados flutuando nas águas do rio Araguaia. Neste ano, porém, por causa das frequentes ações educativas, já é possível perceber significativa mudança dessa realidade, e a Sema já planeja para o próximo ano, abordar o tema pesca predatória de peixes ameaçados de extinção em suas atividades.

O grupo também explica a importância de preservar os quelônios da região, e por causa desse contato é bem recebido pelo público. “O trabalho da Sema é de grande importância para garantir a limpeza do rio e a sobrevivência dos quelônios. É preciso educar a população para não jogar o lixo nas águas do rio”, destaca a pescadora Maria Necy, que está no ofício há 15 anos e nunca viu órgão ambiental desenvolvendo trabalho semelhante na região do Rio Araguaia.

Por meio de relatos de pescadores, percebe-se que a tartaruga da Amazônia tem desaparecido dos rios. Os principais fatores são a coleta de ovos, a caça e a pesca predatória. Para combater a predação de quelônios, a Sema elabora um projeto para implantar programa com fins a proteger e monitorar a população de quelônios na região.

- Publicidade -spot_img
Assinar
Notificar-me
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias