- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
sexta-feira, 20 / maio / 2022
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img
Array

PARÁ: Professores protestam pela implantação de plano de carreira

Mais Lidas

Com placas, carro som e uma série de reivindicações, os professores das escolas públicas do Pará se reuniram em frente à Sead (Secretária do Estado de Administração), na tarde desta segunda-feira (30), para cobrar providências do governo em relação aos direitos da categoria.

A principal reivindicação dos professores é a implantação do Plano de Cargos, Carreira e Salários. De acordo com a coordenadora do Sintepp (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará), Conceição Holanda, um ano após a aprovação do plano a categoria ainda não recebeu o que o Governo Federal decretou como direito. ‘Em julho fará um ano que o projeto foi aprovado e até agora ninguém recebeu um centavo. Caso o governo não resolva esse problema até agosto, o segundo semestre será iniciado com greve dos professores’, afirma.

A secretária de administração, Alice Monteiro, recebeu a comissão do sindicato em uma audiência pública. ‘O governo ainda não conseguiu regularizar as dívidas deixadas pela gestão anterior, ou seja, nós não podemos pagar o que eles estão pedindo em agosto. Nossa proposta é que o plano seja implementado em outubro’, explica.

O governo analisa a proposta feita pelo sindicato. Para Alice Monteiro, uma irregularidade foi constatada. ‘Eles estão pedindo a gratificação SOME (Sistema Modular de Ensino) e que seja feira com o pagamento duplicado, isso não pode’, explica.

Durante a sessão, a secretária ressaltou que o governo está cumprindo tudo o que prometeu e o Estado continuará as negociações para evitar uma possível greve. ‘Qualquer greve tem o efeito ruim para a população e nós vamos continuar negociando para que isso não aconteça’, ressalta Alice.

Do lado de fora, o professor Haroldo Freitas aguardava ansioso pelo resultado. ‘Nós estamos aqui lutando por um direito. É revoltante esperar anos para conseguir um direito que é nosso, além de saber que o dinheiro que deveria ser investido na educação foi para o bolso dos funcionários da Assembleia Legislativa. Isso é muito revoltante’, desabafa.

As negociações continuam e uma nova audiência foi marcada para o dia 1º de junho, a partir das 15h, no prédio da Secretaria do Estado de Administração. O sindicato também realizará, no dia 2 de junho, uma assembleia geral, a partir das 9h, no Centro Social de Nazaré. (Portal ORM)

- Publicidade -spot_img
Assinar
Notificar-me
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias