- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
sexta-feira, 20 / maio / 2022
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img
Array

PARÁ: Público lota o Estádio Olímpico no primeiro RexPa do ano

Mais Lidas

A tarde deste domingo (13) foi marcada por várias estréias. Foi o primeiro embate do ano entre os dois principais clubes paraenses de futebol profissional, Remo e Paysandu; a primeira partida a contar com as novas regras do Estatuto do Torcedor, aplicadas pela Secretaria de Estado de Segurança Pública e inaugurou as reformas feitas pela Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel) para garantir a liberação total do Mangueirão no primeiro ‘Clássico da Amazônia’. Saldo do dia: estádio cheio e festa dos remistas, que comemoraram a vitória por 3 a 1 sobre o Paysandu. O público, estimado em mais de 35 mil torcedores, fez e aprovou o espetáculo.

Estréia também para a estudante Dulciléia Macedo, 20 anos, que esteve pela primeira vez no Mangueirão para assistir a um jogo. Ela escolheu o primeiro RE x PA do ano para conhecer o estádio e não disfarçava a ansiedade e até um pouco de apreensão pouco antes da partida começar. “Eu esperava encontrar um lugar mais sujo e menos organizado, achei que teria muita confusão, mas me surpreendi com o que vi. Estou me sentindo segura e ansiosa para torcer pelo Paysandu”, disse ela, que foi ao campo acompanhada do namorado Eduardo Cardoso, 35 anos.

Mais acostumado à festa nas arquibancadas, Eduardo elogiou a organização do estádio: “Está muito melhor, as catracas eletrônicas fizeram a diferença na entrada, deram um novo visual. A sensação que se tem é que agora o negócio é sério, e dessa forma a torcida também se organiza. O futebol é uma paixão nossa e é muito bom desfrutar disso com segurança”, disse ele.

O frentista Dirley Marques, 34 anos, também aprovou as mudanças. “Está tudo bem organizado. As novas catracas eletrônicas deram um aspecto diferente que não tinha antes, facilitando o acesso. Jogo é isso, para quem não está acostumado é um pouco cansativo, mas quando se acostuma é fácil entender como as condições adequadas favorecem o torcedor”, disse.

O secretário de Esporte e Lazer em exercício, Christian Costa, destacou os esforços empreendidos pelos funcionários da Seel para dar condições de segurança e conforto aos torcedores, proporcionando o espetáculo visto nesta tarde. “Foram criadas seis frentes de trabalho para recuperar o gramado e o sistema de drenagem, recuperar o monitoramento eletrônico, reformar os vestiários, limpar todos os 45 mil assentos do estádio, ligar os dois mil pontos de energia, enfim, conseguimos fazer um bom trabalho depois de uma jornada de vinte dias em que saíamos daqui já bem tarde da noite”, relatou.

Christian Costa ressalto, ainda, a segurança que o laudo dos engenheiros Paulo Barroso e Nagib Charone deu para que a Seel pudesse trabalhar. Esse laudo garantiu que a parte estrutural não oferecia risco aos torcedores. Foi graças a esse documento, que subsidiou o Ministério Público, que pudemos liberar a capacidade total do estádio”, disse o secretário em exercício.

Segurança

A segurança dos atletas e torcedores foi garantida por um efetivo de 800 homens da Polícia Militar, que atuaram dentro e fora do Estádio Olímpico do Pará. Outros 200 homens do Corpo de Bombeiros atuaram na parte preventiva, evitando a entrada de qualquer objeto que oferecesse risco ao torcedor. As novas determinações do Estatuto do Torcedor também possibilitaram que a Seel e os clubes reformassem a Brigada de Incêndio, uma equipe formada por civis capacitados pelo Corpo de Bombeiros para atuar em casos de sinistros, acidentes e incêndios.

De acordo com o tenente coronel Hilton Benigno de Souza, que coordenou a operação de segurança durante o jogo, não houve maiores incidentes. “Tivemos apenas ocorrências consideradas normais para um clássico como o RexPa. No aspecto geral, tudo transcorreu dentro do esperado”, disse, ressaltando que o efetivo da PM, assim como os demais órgãos da área de segurança e organização do trânsito, permanecerá nos arredores do Mangueirão até as 22 horas, para garantir a saída pacífica dos torcedores e o fluxo de pedestres e motoristas na volta para casa.

Transmissão

Além da manutenção física e da segurança, a Funtelpa levou 60 funcionários e mais 30 convidados que trabalharam na cobertura do evento e na transmissão do programa Meio de Campo, levado ao ar antes do jogo começar. “Transmitimos a partida pela Rádio e pelo Portal. O próximo passo é aumentar a capacidade do site junto à Prodepa para proporcionar ao maior numero de internautas a oportunidade de acompanhar os jogos pela rede mundial de computadores”, disse a presidente da Funtelpa, Adelaide Oliveira.

- Publicidade -spot_img
Assinar
Notificar-me
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias