Connect with us

Pará

Pará realiza primeiro transplante de fígado da Região Norte

Publicado

em

Foi realizado, na madrugada deste sábado, 28, no Hospital Porto Dias (HPD), o primeiro transplante de fígado do estado do Pará e Região Norte, um momento histórico para a medicina paraense, que até então só realizava transplante de córnea e rim. O beneficiado foi um jovem de 20 anos, morador de Tucuruí, que sofria com doença hepática crônica desde 2007 e recebeu o órgão de um jovem de 22 anos, vítima de acidente de motocicleta do município de Santarém.

A doação aconteceu coincidentemente no dia 27 de setembro, data em que se comemora o Dia Nacional de Doação de Órgãos. Nesse mesmo dia, uma equipe de cirurgiões de Belém embarcou rumo a Santarém para captar o órgão, que chegou à capital paraense no início da madrugada de sábado direto para a sala de cirurgia, onde o paciente receptor já aguardava para recebê-lo.

Em entrevista coletiva, na manhã deste domingo, 29, no auditório do HPD, a coordenadora da Central de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos (CNCDO), Ana Cristina Beltrão; o coordenador da equipe de cirurgia de transplante de fígado do HPD, Paulo Soares; o chefe da UTI, Augusto César Santana; e o cirurgião Luiz Nazareno Moura falaram sobre o procedimento e o que representa esse avanço para a população.

De acordo com Ana Beltrão, o HPD foi credenciado pelo Ministério da Saúde para realizar transplantes de fígado e coração, “portanto esse primeiro transplante significa o início do acesso da população a um tratamento altamente especializado e gratuito por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), viabilizado por uma parceria público-privada entre a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) e o Hospital Porto Dias”.

“Queremos que a população acredite que a medicina existe para melhorar a qualidade de vida e saúde das pessoas, mas para que haja transplantes é necessário que haja doadores de órgãos, por isso é importante que cada um de nós comunique à família que concorda em ser um doador”, alertou a Ana Beltrão. Segundo ela, “este é um momento histórico que precisa ser guardado na nossa memória. O próximo passo será a implantação do transplante de coração, que ocorrerá nos próximos meses”.

O cirurgião e coordenador da equipe que fez o transplante, Paulo Soares, informou que há oito anos a equipe médica vinha se preparando para esse momento. E relatou que a cirurgia teve duração de dez horas, contando com a participação de cinco cirurgiões, um intensivista e um hepatologista – na verdade uma equipe multidisciplinar – totalizando 12 pessoas. “O paciente está evoluindo satisfatoriamente, mas as primeiras horas após o transplante são fundamentais para evitar complicações, por isso ele permanece o tempo todo monitorado”, explicou o médico.

Paulo Soares lembrou que o Brasil tem o maior programa público de transplantes do mundo e é o segundo país que mais realiza esse procedimento, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, incluindo transplante com órgãos de falecidos e intervivos. “Porém, no que se refere ao transplante de fígado, aqui no Pará a prioridade é utilizar órgão de doador falecido, para evitar colocar um doador vivo em risco, o que não significa que esse procedimento não será feito futuramente”, explicou.

Sobre a fila de espera por um fígado no Pará, Soares explicou que ela está sendo formada agora, porque até então todos os pacientes que precisavam de transplante de fígado tinham que ir para outros estados, como o Ceará. No entanto, no Pará, os médicos da área sabem da existência de 100 pacientes que precisam de transplante de fígado, porque nem todos têm condições de se deslocar para outros estados.

Por outro lado, o Pará sempre foi um captador de fígado e desde 2004 mais de 130 órgãos foram captados pelo Hospital Ophir Loyola (HOL) e disponibilizados à Central Nacional de Transplantes (CNT). O médico cirurgião informou, ainda, que conforme a Organização Mundial de Saúde (OMS), cerca de 20 pessoas por cada grupo de um milhão de habitantes precisam de transplante em todo o mundo anualmente, daí a importância da doação de órgãos.

Ainda segundo Paulo Soares, para estabilizar o programa de translantes no Estado há necessidade de se aumentar a doação de órgãos, “por isso a população precisa se conscientizar que a doação é um procedimento seguro e bem feito. Está faltando a cultura da doação e para isso é fundamental o apoio da mídia, porque sem doação não há transplante”, afirmou. Na Amazônia, as principais causas que levam à necessidade de transplante hepático são as hepatites B e C. “O custo de uma doença hepática crônica é mais alto do que um transplante, e o transplante é a única forma de reverter esse quadro”, assegurou o médico.

Na opinião do chefe da UTI, Augusto César Santana, a medicina paraense está dividida entre antes e depois do primeiro transplantes de fígado. “É uma satisfação enorme vivenciarmos este momento ímpar”, comemorou. Sobre o paciente, Santana disse que ele está lúcido “mas ainda tem uma árdua batalha pela frente”.

O cirurgião hepatologista Luiz Nazareno Moura esclareceu que no Brasil, a morte encefálica é constatada por meio de dois exames clínicos e um exame de imagem, que comprovam a completa e irreversível parada de todas as funções do cérebro.

Estatística – Este ano, o Pará realizou 155 transplantes de córnea e 29 de rim, mas há 580 pacientes na fila de espera por uma córnea e 904 por um rim. Para ser doador de órgão, basta que o indivíduo declare essa vontade e comunique a sua família.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

Remo está na final da Série C. Paysandu não consegue acesso

Publicado

em

Londrina vence o Remo e garante o acesso à Série B 2021

O Londrina venceu o Clube do Remo por 1 a 0 na tarde-noite deste sábado, no Estádio Mangueirão, em Belém, e garantiu o acesso à Série B do Brasileiro 2021. Antes do confronto iniciar, o Tubarão tinha a missão mais difícil do quadrangular da Terceirona. Só a vitória interessava e ainda teria que torcer por um tropeço do Paysandu contra o Ypiranga-RS. E deu tudo certo. Com gol contra de Gilberto Alemão, aos 42 minutos do segundo tempo, os paranaenses fizeram o resultado na capital paraense e contaram com a vitória do Canarinho gaúcho pelo mesmo resultado diante do Papão. O Leão Azul, mesmo derrotado em casa – já havia conquistado a vaga na Segundona com uma rodada de antecedência – está na final da competição nacional, aguardando as definições do Grupo C, neste domingo, para saber qual será o adversário.

Classificação final do quadrangular

O Remo terminou na liderança do Grupo D com 10 pontos em seis jogos, seguido pelo Londrina, com nove, fechando o G2 do acesso. O Ypiranga-RS ficou na terceira posição com sete, enquanto que o Paysandu se despediu do torneio na última colocação com os mesmos sete pontos, mas perdeu nos critérios de desempate: saldo de gol -2 contra -1 dos gaúchos.

Partidas da final da Série C

O Londrina, agora, irá se preparar para as competições de 2021, entre elas a Série B. O Clube do Remo ainda terá mais dois jogos pela frente na final da Série C, marcados para os dias 24 e 31 deste mês, dois domingos. O adversário ficará entre Brusque e Vila Nova, que jogam neste domingo, dia 17. Somente o Brusque poderia tirar a possibilidade de vantagem azulina de decidir a competição em casa. Se os catarinenses vencerem o Santa Cruz no Recife, se igualam aos paraenses em pontos (41), vitórias (11), mas teriam que tirar uma vantagem no saldo de gols que hoje é de 12 para o Remo contra apenas 2.

Paysandu fora

Em campo, o Papão jogou melhor o primeiro tempo, sofreu gol logo no início do segundo e viu o time Canarinho segurar o resultado. A vitória do Ypiranga garantia o clube na Segundona até os 42 minutos da etapa final, quando, no Pará, o Londrina abriu o placar sobre o Leão, mexendo em toda a tabela. Jogadores bicolores ficaram desolados em campo após o apito final, enquanto o time gaúcho esteve apreensivo até o término da partida em Belém. No fim, os dois clubes foram eliminados no Colosso da Lagoa.

O Paysandu dependia apenas de si para voltar à Série B. Bastava a difícil tarefa de vencer o Ypiranga-RS no Colosso da Lago. O Papão teve mais posse de bola, mas levou pouco perigo ao gol adversário. Deivity fez três defesa ao longo de toda partida. A derrota mantém o bicolor paraense por mais uma temporada na Série C, que disputa desde 2019. (Com informações GR / Foto: Silvio Garrido)

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Marginais roubam ótica dentro do Partage Shopping

Publicado

em

Dois bandidos aproveitaram o final de expediente da loja Ótica Maia, dentro do Partage Shopping, na cidade de Parauapebas, na região de Carajás, no estado do Pará, para realizar um roubo.

O registro feito por câmeras de segurança mostra a ação dos assaltantes.

Após o assalto os bandidos saíram em retirada sem serem notados pela Segurança do shopping. A Polícia Militar foi acionada mas os criminosos não foram localizados.

Continue lendo

Pará

Embarcações de passageiros estão proibidas a partir desta quinta entre Pará e Amazonas

Publicado

em

Está proibida, a partir desta quinta-feira (14), a circulação de embarcações de passageiros entre os estados do Pará e do Amazonas, como medida de prevenção à proliferação da Covid-19. A determinação foi publicada no Diário Oficial do Estado (DOE), por meio do Decreto Estadual 1.273/2020.

A partir deste momento, os órgãos e as entidades enquadrados no Sistema de Segurança Pública e Defesa Social do Pará, assim como àqueles responsáveis pela fiscalização dos serviços públicos de transporte, ficam autorizados a aplicar sanções para os casos de descumprimento, que podem ser: advertência; multa de R$ 10 mil por embarcação, no caso de reincidência; até a apreensão da embarcação. 

A aplicação das penalidades previstas pelo decreto não exclui que os responsáveis pelas embarcações sofram, também, responsabilizações civis ou criminais.

“Esta é uma medida preventiva, porque estamos vendo que o Amazonas voltou a ter números altos de hospitalização pela doença. Por isto, o Pará decidiu proibir embarcações de passageiros, estando liberadas aquelas que fazem o transporte de cargas. Seguem liberados também os transportes terrestres”, explicou Ricardo Sefer, procurador-geral do Pará.

Em suas redes sociais, na noite de quarta-feira (14), o governador do Pará, Helder Barbalho reforçou que a medida visa garantir que pessoas contaminadas pelo novo coronavírus, oriundas do Amazonas, entrem em território paraense e acabem aumentando o número de casos da doença no Pará. 

“Isto é uma medida fundamental para evitar o contágio dentro do Estado e, consequentemente, evitar problemas de saúde em face da pandemia. Portanto, nossas fronteiras com o Amazonas estarão fechadas, com fiscalizações da Polícia Militar do Pará e apoio de embarcações e aeronaves, para que possamos fazer cumprir a medida preventiva de restrição e proteger nossa população”, informou o chefe do Poder Executivo.

Continue lendo
publicidade Bronze