- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
sexta-feira, 20 / maio / 2022
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img
Array

PARÁ: Rio Tocantins em Marabá baixa as famílias não devem deixar abrigos

Mais Lidas

O nível do Rio Tocantins continua baixando. A régua fluviométrica, por volta das 18 horas de ontem, segunda-feira (21), indicava que as águas já estavam a 11,20, metros acima do nível normal.  Ainda assim, o diretor da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec), Joab Pontes, desaconselha o retorno das famílias desabrigadas às suas casas, tendo em vista as previsões da Eletronorte, cuja perspectiva é de que o rio alcance a marca 11, 90 metros, até quarta-feira (23).

De acordo com Joab, já haviam sido distribuídas, até a tarde de ontem, 510 cestas básicas doadas pela Prefeitura Municipal de Marabá (PMM), por meio da Secretaria de Assistência Social. Hoje, mais cestas devem ser entregues pela secretaria às 324 famílias desabrigadas pela enchente e às 75 ilhadas, também atendidas pelos órgãos de assistência. Conforme informou o diretor da Comdec.

“Agora, nosso trabalho tem sido só o de monitoramento nos abrigos”, contou ele, acrescentando que, o problema tem sido convencer as famílias a permanecerem nos alojamentos, já que estas insistem em querer voltar para casa. “Não podemos permitir, com a atual previsão da Eletronorte”, sustentou, ratificando que o apoio de volta aos lares só se dará quando o rio estiver abaixo de 10 metros. Nível considerado seguro, segundo Joab.

Questionado a respeito da segurança nos abrigos, Pontes afirmou que, até o momento, nenhum caso de violência envolvendo os abrigados teria chegado ao conhecimento dos órgãos de apoio aos flagelados. “Temos o apoio da Polícia Militar, rondando constantemente os abrigos. Além disso, os agentes patrimoniais da prefeitura estão presentes, a fim de inibir qualquer ocorrência”, garantiu.

Problemas

Perguntado ainda a propósito de eventuais problemas nos abrigos, Joab ressaltou o acúmulo de lixo como sendo o principal. “É preciso que os moradores se policiem e se conscientizem. A prefeitura faz a coleta, mas é necessária a organização”, apontou, destacando as condições do Ginásio Poliesportivo da Escola “Irmã Teodora”, no Bairro Liberdade. “Lá eles quebraram torneiras, porta de banheiro, fechadura… O monitoramento tem que ser mais intenso, por falta de conscientização dos alojados naquele lugar”, revelou o diretor da Defesa Civil Municipal.

Ainda conforme Joab Pontes há um caminhão do Corpo de Bombeiros e um da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) abastecendo os abrigos com água potável. Além de uma ambulância para atendimento emergencial nesses lugares.

Decreto

Ele informou também que o Decreto de Situação de Emergência, expedido pelo prefeito municipal Maurino Magalhães, há mais de 15 dias, foi protocolado na Casa Civil, em Belém, na quarta-feira (16), mas ainda não foi homologado pelo governador do Estado.

Ação

Uma empresa de comunicação da cidade, em parceria com os órgãos de socorro aos flagelados, iniciou, no último sábado (19), uma campanha que visa arrecadar alimentos e materiais para ajudar à assistência aos atingidos pela cheia. No primeiro dia foram arrecadados alimentos para a montagem de 15 cestas básicas, 200 quilos de roupas, dois colchões e 1fogão. “A gente arrecada e a Seasp distribui, imediatamente”, salientou Joab.

Haverá arrecadação, ainda, hoje (22), na Praça do Bairro Liberdade; amanhã (23) na Praça da Folha 33; na quinta-feira (24) a ação se dará na Praça da folha 16 e na sexta-feira (25), na Praça Duque de Caxias, Velha Marabá. Ele destaca a importância da doação de alimentos, em maior número. (Carmem Sevilla – Correio Tocantins)

- Publicidade -spot_img
Assinar
Notificar-me
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias