Connect with us

Pará

PARÁ: Salinas ainda é a preferida dos turistas

Publicado

em

As praias de Salinópolis são as preferidas por famílias inteiras no veraneio. Para muitos, o sol, o mar e a comida paraenses são, inclusive, motivo para dispensar balneários mais badalados do País nesta época do ano, como os do Ceará e Maranhão. Para quem leva as crianças e quer garantir a segurança e tranquilidade, o horário preferido é a partir de 15 horas, quando o calor fica mais brando e a agitação do intenso fluxo de pessoas é menor. Quem conhece, prefere a temporada menos agitada, que é dos primeiros finais de semana ou de segunda a sexta-feira.

O médico Rogério Lucena, 43 anos, é um dos que prefere a praia do Atalaia ao invés de balenários mais badalados. Morador de Imperatriz (MA), ele inclusive prefere Salinópolis ao invés dois famosos Lençóis Maranhenses. Ele também já passou praias conhecidas internacionalmente, como Copacabana, Angra e Ipanema, no Rio de Janeiro, mas sempre volta para o clima quente e água salgada do Pará. ‘Há 20 anos eu venho a Salinas sempre que posso e trago minha mulher e duas filhas. Gostamos do conforto, do clima, da receptividade e hospedagem. Este mês viemos passar cinco dias, mas já estamos pensando em quando vamos voltar para essa praia linda. Sempre que vamos embora fica a vontade de ficar’, diz.

A advogada Paola Santos, 26 anos, é outra veranista apaixonada por Salinópolis. Ela diz ficar maravilhada com a praia do Atalaia por não ter praias em Macapá (AP), onde mora com o marido e filha. Ela também costuma trazer duas famílias amigas para que todos se divirtam. Para ela, nem as praias de Forteleza (CE) são tão agradáveis e aconchegantes. ‘Há cinco anos venho em todas as férias para passar pelo menos cinco dias com minha famílias e amigos. Para nós, além de bonito, é mais perto. Antes costumávamos vir pela manhã, mas agora, com minha minha filha que ainda é pequena, mudamos o hábito para o meio da tarde, pois está menos quente e menos agitado’, explica. (O Liberal)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

Uepa forma primeira quilombola como Mestra em Educação

Publicado

em

“Saudando a força de todos os quilombolas que lutavam bravamente para manter viva a nossa história”. Com os versos da canção “Negro de Luz”, do Ilê Aiyê, Shirley Amador iniciou a fala na banca de defesa. Neste semestre, apesar da pandemia, a Universidade do Estado do Pará (Uepa) formou a primeira mestra quilombola, no Programa de Pós-graduação em Educação (PPGED), do Centro de Ciências Sociais e Educação (CCSE). Defendendo a resistência por meio da palavra dita e os processos educacionais da tradição oral no quilombo, ela propõe a reflexão acerca deste que é o principal instrumento de luta nestas comunidades rotineiramente invisibilizadas pela história oficial do Brasil.

A influencia direta da mãe, ativista negra e militante do movimento quilombola, e a atuação da matriarca dentro e fora da comunidade Vila União/Campina, em Salvaterra, foram a inspiração para que Shirley percebesse o valor da educação para promover mudanças.

“Educar as novas gerações nestas bases significa buscar a dignidade, o exercício do pertencimento étnico que respalda a diversidade da memória histórica, social, e a luta pela conquista de direitos diante da situação de negação e de enfoques para aplicação de novas políticas, identidade social e cultural para os povos e comunidades tradicionais”, avalia Shirley.

“Para nós, a Educação é um instrumento de luta. Precisamos ocupar os espaços para sermos ouvidos, para termos os nossos direitos reconhecidos”. Para fomentar isso, ela desenvolve na Vila União/Campina um projeto de cursinho preparatório para vestibulandos quilombolas locais.

O espaço acadêmico foi o escolhido por ela, por perceber a necessidade de pesquisas que observem cientificamente os fenômenos educacionais contidos nas comunidades e os socializem com toda a academia.

“Esses processos educativos ocorrem no cotidiano, na medida em que os filhos dos quilombolas aprendem os saberes que são necessários para a existência, em relação aos conflitos, a tudo aquilo que a comunidade vivencia. Então, todos esses saberes circulam nos diversos espaços ali na comunidade. A educação é um processo muito mais amplo do que aquele que está dentro dos espaços institucionalizados como escola. Então, a tradição oral foi como eu aprendi e esse saber é significativo para todos nós”, resume. O conhecimento sobre a agricultura é um dos saberes desenvolvidos, aperfeiçoados e passados de geração a geração oralmente e possibilita a subsistência da comunidade. Histórias sobre a chegada dos antepassados à Amazônia também se perpetuam graças a este costume.

Por meio da oralidade, a cultura se interliga aos processos de ensinar e aprender desenvolvidos nas relações sociais. Eles preparam e orientam os quilombolas para a vida e a resistência. Isso possibilita a reconstrução da ancestralidade na contemporaneidade na medida em que os filhos dos quilombos aprendem e reproduzem os conhecimentos tradicionais, que dão significado para a existência da comunidade. “Os saberes tradicionais e acadêmicos se completam, mas os tradicionais não constam nos currículos escolares e demais ambientes institucionalizados. Por isso, eles precisam ser incluídos nas práticas pedagógicas dos educadores. Por exemplo, o diálogo acerca da consciência negra costuma estar atrelado às datas comemorativas, mas eles devem ser levantados em diversas outras ocasiões cotidianas do ensino. Por que só discutir o negro no Mês da Consciência Negra?”, questiona.

Shirley estende o debate para a necessidade de inclusão de fatos sobre os conflitos de terras enfrentados pelos quilombolas nos últimos séculos no Brasil. “As comunidades vivenciam inúmeros conflitos, que vão desde a instalação dos grandes projetos, do desmatamento, das queimadas, da venda de terra, a retirada de madeira ilegal, até as ameaças que muitos líderes quilombolas sofrem. Isso é algo recorrente na história das populações quilombolas. São saberes notórios dentro das comunidades e deveriam ser conhecidos por todos os brasileiros”, pontua. Para ela, não seria uma questão de corrigir ou retirar fatos históricos que constam atualmente nos currículos escolares, mas de apresentar os demais pontos de vista e traçar um diálogo entre eles.

PRIMEIRA MESTRA QUILOMBOLA

Shirley Amador se tornou, em setembro deste ano, a primeira mestra quilombola da Uepa, fato que foi motivo de orgulho para o orientador, professor doutor João Colares. “Fico feliz por ela ser titulada pelo PPGED da Uepa. Isso demonstra que o Programa está avançando do ponto de vista das discussões sobre Educação Quilombola, Educação Indígena, ou seja, educação daquelas pessoas que historicamente foram e são subalternizadas pelos processos sociais injustos e pelas desigualdades educacionais. Então é um sentimento de alegria e é um sentimento também de uma luta”, resume o professor, que espera que a partir de agora ela
possa contribuir para os processos educacionais na própria comunidade e, de maneira mais ampla, para a educação quilombola, no estado do Pará e na Amazônia.

Para ele, a alegria vem com a percepção de que o caminho à frente ainda é longo. “Nós precisamos avançar muito ainda, nas universidades em geral e na Uepa em particular, com ações afirmativas para que esses grupos sociais que estão fora da universidade possam ingressar e, desse modo, apresentar as suas sabedorias, epistemologias, suas tradições e o seu rico conjunto de conhecimentos”, reconhece Colares, que relembra a perspectiva de diálogo entre saberes, proposta por Paulo Freire. “Um diálogo entre essas distintas formas de conhecimento só vai se dar na medida em que essas populações que estão historicamente excluídas estiverem na universidade produzindo seus conhecimentos científicos a partir de um diálogo com as tradições, com as memórias, com as sabedorias, emergentes, insurgentes de suas próprias comunidades. É nesse sentido que nós precisamos avançar em políticas de ações afirmativas”, conclui.

A felicidade em fazer história na Uepa é algo que Shirley faz questão de dividir com toda a comunidade e professores. “Penso que essa não é uma conquista individual, mas sim coletiva, pois no decorrer do caminho nós vamos formando uma rede que nos faz prosseguir rumo aos nossos objetivos. Então essa foi uma maneira de me posicionar enquanto sujeito ético, político, de transcender também o lugar que sempre fora destinada aos negros”, comemora. A abertura de cotas raciais na Instituição também é um desejo da mestra, pois abrirá caminho a mais quilombolas nas diversas esferas da educação superior.

A defesa completa da dissertação pode ser vista neste link.

Continue lendo

Pará

Para reforçar segurança na Grande Belém, Governo do Estado lança a ‘Operação Impacto’

Publicado

em

Foi iniciada, neste sábado (21) a “Operação Impacto”, que irá reforçar a segurança nos 27 bairros da capital e também nos municípios de Ananindeua, Benevides e Marituba, que integram a Região Metropolitana de Belém. A medida irá garantir um acréscimo de 120 viaturas e 360 policiais militares nas ruas. Eles irão atuar de 17h às 23h até o próximo dia 28, dando um incremento à Operação Polícia Mais Forte, que acontece normalmente todos os dias desde o ano passado. 

“A Operação Impacto vem para ampliar o efetivo com objetivo de prevenir ações criminosas. São 120 viaturas a mais 360 policiais militares trabalhando no aporte ordinário que já existe na capital e região metropolitana de Belém”, explicou o Tenente Coronel Marcelo Siqueira, Comandante do 20º Batalhão de Policiamento. 

As viaturas e os policiais estarão posicionados em pontos estratégicos nos principais corredores da RMB, aumentando a ostensividade do policiamento e contribuindo para a prevenção de crimes como roubo, furto e homicídios até o próximo sábado (28). Já a base da operação funcionará no Centro Integrado de Operações (CIOP), onde estará concentrado o comando das ações, além do monitoramento, em tempo real, por meio de câmeras e também o acionamento das viaturas para dar mais suporte onde houver uma ocorrência.

Participam da operação, militares dos Comandos de Policiamento da Capital I e II (CPC I e CPC II), Comando de Policiamento da Região Metropolitana (CPRM), Comando de Policiamento Especializado (CPE), Comando de Missões Especiais (CME) e Comando de Policiamento Ambiental (CPA).

Depois de uma temporada morando em outro estado, o paraense Herrison Nascimento, que é empresário, retornou e acredita que a questão da segurança melhorou no Pará. “Estou de volta há três semanas e me sinto mais seguro. Fiquei 10 anos longe e agora voltei, estou me sentindo mais seguro do que quando fui. Acredito que quanto mais polícia nas ruas, melhor para a população, para os negócios, para todo mundo ficar tranquilo. Se tem mais policiamento na rua, se estão trabalhando para deixar a população mais tranquila, acredito que o Governo está fazendo um bom trabalho”, disse. 

Morador do bairro do Jurunas, seu Luis Brito também sente que está mais seguro morar no Pará. “Ultimamente, está bem melhor. Antes, tinha muito assalto aqui, no final da orla. Eu acho que a segurança está muito melhor, eu moro no bairro do Jurunas e percebo que tem mais policiamento nas ruas e, com isso, tem mais segurança, sim”, declarou o autônomo. 

A Operação Impacto foi lançada hoje no Portal da Amazônia com a presença de todas as viaturas e policiais militares que irão trabalhar no reforço da segurança durante este período. Quem esteve no local e acompanhou a concentração e saída das viaturas, aprovou a medida.

“A segurança tem melhorado sim, eu vejo bastante polícia na rua. Me sinto mais segurança porque vejo os policiais”, disse a empresária e moradora do bairro do Marco, Nazaré Costa. 

Continue lendo

Pará

MARABÁ: Sefa apreende mais de 10 mil garrafas de bebidas alcoólicas

Publicado

em

Fiscalização realizada neste domingo (22), pela unidade fazendária de controle de mercadorias em trânsito de Carajás, da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefa), no km 9 da rodovia Transamazônica, em Marabá, localizou e apreendeu mais de 10 mil garrafas de bebidas alcoólicas, que viajavam sem a emissão da nota fiscal.

A mercadoria, cujo valor foi estimado em R$ 85 mil, foi encontrada em um caminhão, escondida atrás de produtos hortifrutigranjeiros oriundos do estado de Goiás. A fiscalização localizou 6.048 garrafas de cerveja do tipo long neck; 2.688 garrafas de vodka com limão e 1.728 garrafas de whisky.

Foram emitidos dois Termos de Apreensão e Depósito no valor total de R$ 45.700 mil, referente ao ICMS mais multa. O pagamento do tributo foi realizado ainda neste domingo e as mercadorias foram liberadas.

Segundo o coordenador de Mercadorias em Trânsito de Carajás, Volnandes Pereira, é uma prática comum tentar esconder bebidas junto a produtos hortifrutigranjeiros, item que é isento do imposto, buscando evitar o recolhimento do imposto estadual. “As equipes de fiscalização estão atentas a este fato”, destacou.

Continue lendo
publicidade Bronze