Connect with us

Pará

PARÁ: Serra Pelada atrai empresários chineses

Publicado

em

Mais de 28 mil cooperativistas serão beneficiados através de parcerias com empresas internacionais no Brasil, a Shanghai Pengxin Group, nova investidora que este ano chega à Vila Serra Pelada para fortalecer a economia do município de Curionópolis com recursos de alta tecnologia.

Além de aplicar investimentos na implantação de projetos de mineração, o modelo chinês deve contribuir com o desenvolvimento social, através de ações voltadas para um compromisso socioambiental, especialmente dos moradores da vila garimpeira.

O contrato com os chineses foi assinado na última sexta-feira, 8, com Cooperativa de Mineração, Desenvolvimento Social e Agromineral dos Garimpeiros de Serra (Cooperserra), Cooperativa Mista de Produtores, Agricultores e Garimpeiros de Curionópolis (Coompag), Cooperativa de Mineração e Agromineral dos Garimpeiros Proprietários de Catas de Serra Pelada (Coompro) e Cooperativa Mista Agromineral do Rio Sereno (Coomase), que representam 28.145 associados e detêm uma área superior a 1.500 hectares.

Para o fechamento do contrato, um grupo de executivos e um geólogo representando a Pengxing foram até Serra Pelada, onde fizeram uma visita técnica nas áreas das cooperativas, na companhia do prefeito de Curionópolis, Wenderson Chamonzinho, que declarou apoio à parceria.

Para Raimundo Benigno, presidente da Cooperserra, a estrutura financeira dos chineses passa segurança para as cooperativas. “Estivemos na China, conhecemos o presidente do grupo, senhor Jiangzhaobai, e pudemos ver alguns empreendimentos do Pengxin realizados em no máximo dois anos e meio”, informou Benigno, ressaltando que o contrato será honrado à risca, uma vez observados os critérios usados pelos chineses em seus negócios.

Marilene Machado, presidente da Coompag; Otacílio Rodrigues, da Coompro; e Gilberto Amaral, da Coomase, afirmaram que valeu a pena sondar os interessados em investir em suas áreas, pois assim foi possível conhecer a solidez do grupo Pengxin e, sobretudo, fazer um bom negócio para a classe garimpeira.

Das cooperativas, apenas a Coompro não fechou definitivamente o contrato, pois precisa realizar assembleia geral ordinária com os cooperados, para definir detalhes como o quadro social e a diretoria.

Os investidores terão 70% do lucro, ficando responsável por todo investimento de pesquisa e implantação, e as cooperativas 30%. Amortizada a dívida das cooperativas, elas passam a receber 10% de bônus, ou seja, findado o débito das cooperativas, o percentual dividido será de 60% para empresa e 40% para cooperativas.

 “Estávamos acostumados a contratos de parceria onde a divisão era sempre 50% para cada lado, mas, após estudar o mercado financeiro internacional, percebemos que na maioria das vezes os percentuais giram entre 75% e 25% ou 80% e 20%”, explicou Raimundo Benigno.

Segundo Marilene Machado, o grupo chinês agora irá montar um corpo jurídico no Brasil voltado exclusivamente para Serra Pelada, que ficará incumbido de estudar todas as legislações que regem o setor mineral e posteriormente apresentar o estudo à presidência do grupo, que de imediato iniciará as pesquisas. “Acreditamos que no máximo em 60 dias todos os trâmites estarão normalizados e daremos início às atividades em nossas áreas de atuação”, finalizou a presidente.

Investidor

A Shanghai Pengxin Group é um conglomerado de crescimento, com um escopo de negócios diversificado que abrange desenvolvimento imobiliário, agribusiness, indústria de mineração e construção de infra-estrutura e investimento.

Com sede em Xangai, o grupo tem agora mais de 40 subsidiárias em todo o mundo, seja integral ou majoritariamente controlada. A partir de 2010, seus ativos totais atingiram mais de US$ 2 bilhões.

Na mineração, o Grupo Pengxin adquiriu uma participação majoritária em um depósito de cobre na República Democrática do Congo, em 2009, cuja produção está programada para começar em agosto deste ano. (Waldyr Silva, Correio Tocantins, com informações da Agência Bateia)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
5 Comments

Pará

Balanço registra saldo de R$ 1,2 bi em 2020, na relação entre receitas e despesas no Pará

Publicado

em

O Governo do Pará teve resultado orçamentário positivo, em 2020, de R$ 1,279 bilhão, fruto da  receita líquida de R$ 31,952 bilhões e da execução da despesa de R$ 30,673 bilhões. Ou seja, as despesas orçamentárias executadas foram inferiores às receitas orçamentárias arrecadadas no mesmo período.

A arrecadação bruta, sem deduções, em 2020, totalizou R$ 35,799 bilhões, crescimento nominal de 15,90%. Quando se comparam os valores arrecadados entre 2019 e 2020, levando em conta a inflação do período, o  crescimento real foi de 10,89%.

Estas informações constam do Balanço Geral do Estado (BGE) 2020, documento organizado pela Secretaria de Estado da Fazenda, (Sefa), por meio da Secretaria Adjunta do Tesouro, e entregue pelo Governo do Estado do Pará ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) para emissão de parecer prévio.

Em 2020, o Pará teve crescimento nominal de impostos de 12,06%, equivalente a crescimento real de 7,21%. Somando-se outras fontes de receitas do Governo do Estado do Pará, como transferências, serviços, rendimentos de aplicações financeiras e contratação de operações de créditos, a receita bruta somou R$ 35,799 bilhões.

Desse montante deve ser descontado o repasse ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), as restituições aos contribuintes e outras deduções de receita, resultando em receita líquida de R$ 31,952 bilhões.

O Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) é a maior fonte de receita do Estado e representa 38,64% da receita bruta e 76,87% da receita própria estadual. Em 2020, apresentou um crescimento nominal de 13,38% em relação a 2019, encerrando o ano com um montante de R$ 13,834 bilhões, somando-se multas, juros e dívida ativa do imposto. O incremento real, na arrecadação do ICMS, entre 2019 e 2020, foi de 8,48%.

FUNDEB

O Governo do Estado destinou para a manutenção e desenvolvimento do ensino o total de R$ 4,885 bilhões, que correspondem a 26,89% do total das receitas liquidas de impostos, atendendo ao disposto no artigo 212 da Constituição Federal.

Em 2020 o Estado repassou ao Fundeb R$ 3,340 bilhões. De acordo com o número de alunos matriculados na rede pú­blica estadual, o retorno do Fundeb, para o Estado, foi de R$ 1,363 bilhão. Das receitas recebidas oriundas do Fundeb, no montante de R$ 2,318 bilhões (formadas pela soma do Retorno em R$ 1,363 bilhão do Complemento da União, em R$ 954 milhões, e da Aplicação Financeira do Fundeb no total de R$ 1 milhão), foi destinada a quantia de R$ 1,620 bilhão para as despesas com remuneração do magistério do ensino fundamental e médio, que corresponde a 69,89% da receita do Fundeb, acima do limite mínimo de 60% do Fundeb na remuneração do magistério. A complementação da União para o Estado do Pará em 2020 foi de R$ 954 milhões.

SAÚDE

O Governo do Estado do Pará destinou à Saúde R$ 2,806 bilhões, correspondendo a 15,46%, da receita líquida de impostos em 2020. A Constituição Federal assegura recursos mínimos para as Ações e Serviços Públicos de Saúde (ASPS), determinando que os Estados apliquem o mínimo de 12% das receitas de impostos estaduais e transferências da União.

MUNICÍPIOS

Em 2020 foram transferidos para os municípios paraenses R$ 3,890 bilhões, um incremento de 12,36% quando comparado com o total transferido em 2019 em valores nominais, e uma variação positiva de 7,50%. Foram transferidos de ICMS R$ 3,458 bilhões e IPVA R$ 341 milhões; de Cota-Parte do IPI Exportação foram R$ 85 milhões e de Cota-Parte da Cide, R$ 6 milhões.

Do valor de R$ 3,890 bilhões das transferências constitucionais aos municípios, a parcela mais significativa (88,89%) refere-se à arrecadação de ICMS. Em segundo lugar vem o IPVA com 8,77%; em seguida a Cota-Parte do IPI Exportação, com 2,19%, e por último a Cota-Parte da CIDE com 0,15%. As transferências constitucionais aos municípios representam 10,87% da receita bruta e 12,17% da receita líquida do Estado.

INVESTIMENTOS

Os investimentos públicos realizados em 2020 totalizaram R$ 2,721 bilhões, crescimento de 71,35%, 63,94% de crescimento real, na comparação com 2019 e representaram 8,87% da despesa total.

PESSOAL

A despesa com pessoal e encargos sociais foi o maior dispêndio do governo: somou R$ 13,451 bilhões em 2020, crescimento nominal de 5,33% e real de 0,78% em relação a 2019, representando 43,85% da despesa total do Estado.

O segundo maior gasto foi com a manutenção e custeio dos serviços públicos, que totalizou R$ 8,149 bilhões, 28,57% da despesa total.

CORONAVÍRUS

Em 2020, os recursos envolvidos no combate à pandemia de coronavírus totalizaram R$ 3,173 bilhões, entre as ações de custeio, como compra de medicamentos, aquisição de equipamentos etc, e as ações gerais para mitigar os efeitos financeiros da pandemia.

Algumas das ações desenvolvidas: Fundo Esperança, Vale-alimentação digital, implantação de cinco hospitais de campanha, transferência direta de recursos, assistência emergencial a vulneráveis etc. 

O Balanço Geral do Estado (BGE) 2020 apresenta a prestação de contas de governo e abrange, também, o Relatório Anual do Sistema de Controle Interno elaborado pela Auditoria Geral do Estado (AGE) referente ao exercício de 2020, onde estão demonstradas as ações executadas e desenvolvidas, e as providências adotadas para atender às recomendações emanadas da análise das contas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE/PA) referente ao exercício de 2019.

Os Balanços Gerais desde 1996 encontram-se disponíveis no Portal da Transparência do Governo do Estado do Pará, no endereço www.transparencia.pa.gov.br e também no site (www.sefa.pa.gov.br).

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Empresários e advogado são presos suspeitos de prostituição e aliciamento de adolescentes

Publicado

em

Dois empresários e um advogado foram presos na primeira fase da operação “Book Rosa”, da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), da Polícia Civil em Parauapebas, sudeste do Pará, nesta quarta (23). Eles são acusados de participação em um esquema de aliciamento e prostituição de adolescentes. Os presos devem responder por estupro e prostituição de vulneráveis.

Os presos são Mauro de Souza Davi, o Marola, empresário da área de shows; Eduardo Liebert Araújo dos Santos, empresário do ramo de segurança patrimonial e o advogado Antônio Araújo Oliveira foram presos. Três mandados de busca e apreensão também foram cumpridos pela operação.

Uma quarta pessoa com prisão decretada pela 2ª Vara Criminal de Parauapebas está foragida. Segundo as investigações, era quem aliciava as vítimas.

A delegada titular da Deam, Ana Carolina Carneiro, disse que os abusos eram corriqueiros. “Detectamos três alvos que abusavam dessas adolescentes de forma muito corriqueira, então eles estavam sempre incentivando, pedindo para elas levarem outras vítimas, outras meninas, menores, e quanto mais novas, mais dinheiro eles ofereciam”, detalha.

De acordo com a delegada, três adolescentes foram identificadas e encaminhadas para o acolhimento junto aos órgãos responsáveis. Outra adolescente citada em depoimentos ainda não foi localizada.

“Essa é a primeira parte da operação, terão outras onde nós vamos identificar outras pessoas, que exploraram sexualmente dessas adolescentes”, afirma a delegada.

O advogado Antônio Araújo nega todas as acusações. A reportagem ainda não conseguiu contato com a defesa dos outros dois presos.

Continue lendo

Pará

MARABÁ: Polo UAB DA UFPA retoma Processo Seletivo Especial 2021

Publicado

em

A Universidade Federal do Pará (UFPA) torna pública a reabertura dos procedimentos referentes ao primeiro Processo Seletivo Especial de 2021 (PSE 2021-1) destinado ao ingresso de discentes nos cursos de graduação da UFPA na modalidade de Educação a Distância. O processo seletivo teve suas atividades suspensas em virtude das restrições estabelecidas para atividades presenciais na Universidade, a partir da adoção da Bandeira Laranja, em todos os campi, na data de 28 de janeiro, conforme orientação do Grupo de Trabalho da UFPA sobre o Novo Coronavírus. A retomada do novo cronograma iniciará com a aplicação da prova de Conhecimentos Gerais, que ocorrerá em 27 de junho de 2021 (domingo), no horário das 14h às 18h30, respeitando todas as medidas de segurança sanitária exigidas pela OMS, bem como, acatando as orientações do Grupo de Trabalho da UFPA.

Após horário de início das provas, os candidatos deverão permanecer obrigatoriamente, pelo menos, por (1) uma hora na sala de aplicação antes de deixá-la em definitivo. O cronograma atualizado e os locais de prova serão divulgados no dia 21 de junho de 2021, na página de acompanhamento do candidato, no site do Centro de Processos Seletivos.

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze