Connect with us

Pará

PARÁ: Técnicos do BNDES e Ministério visitam cooperativas de reciclagem

Publicado

em

Representantes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) fizeram nesta semana, em Belém, uma visita técnica a duas instituições que integram a cadeia produtiva de materiais sólidos recicláveis, uma das seis beneficiadas pelo Projeto de Inclusão Sócioprodutiva, implementado pelo governo do Pará, por meio da  Secretaria de Estado de Assistência e Desenvolvimento Social (Sedes).

Na Cooperativa dos Catadores de Materiais Recicláveis (Concaves), no bairro da Terra Firme, os representantes do Ministério e da instituição financeira conversaram com as famílias que trabalham no local, e há anos esperavam por recursos para desenvolver e ampliar o trabalho. “Isso levanta a autoestima do catador. Com um projeto desses, quem sabe a gente pode atingir uma coleta maior e beneficiar todo o bairro da Terra Firme, além de mais catadores”, declarou Jonas de Jesus Fernandes da Silva, presidente da Concaves.

Na Associação de Recicladores de Águas Lindas (Aral), os técnicos conheceram a antiga área de despejo de materiais sólidos e o novo terreno, comprado pela entidade para montar sua central de triagem. Marcelo Rocha da Silva, presidente da Aral, ressaltou a contribuição dos catadores para a recuperação de áreas degradadas pela exploração de barro, piçarra e outros minerais.

Créditos

Ele acredita que, além da proteção ao meio ambiente, os catadores e recicladores dão uma grande contribuição para o país conquistar créditos de carbono (certificados emitidos para um agente que reduziu a emissão de gases causadores do efeito estufa). A Aral está se estruturando para receber os benefícios do Projeto de Inclusão Sócioprodutiva.

A secretária de Estado de Assistência e Desenvolvimento Social, Eutália Barbosa Rodrigues, recebeu e acompanhou nas visitas o secretário-adjunto de Articulação Institucional e Parcerias do MDS, Milton Marques, a coordenadora Nacional de Inclusão Produtiva do MDS, Leslie Ursine, e Valdenira Lameiras, também do Ministério, juntamente com o gerente do Departamento de Economia Solidaria da área de Inclusão Social do BNDES, Eduardo Carvalho.

Eutália Rodrigues enfatizou que o projeto prevê investimentos na implantação e no fortalecimento de empreendimentos sócioprodutivos coletivos, em áreas urbanas e rurais, envolvendo famílias com atuação em cinco regiões de integração (Marajó, Metropolitana, Rio Caetés, Baixo Amazonas e Tocantins), para potencializar seis cadeias produtivas prioritárias (açaí, pescado, prestação de serviços urbanos, resíduos sólidos, do caranguejo-uçá e produção de bioálcool de amido), com apoio à agricultura familiar, na lógica da economia solidária.

“A meta é beneficiar 11.218 famílias cadastradas no Cadúnico do MDS, com prioridade para as que fazem parte do Programa Bolsa Família”, informou. Entre as cadeias produtivas, a secretária ressaltou a importância de todas elas, como a do açaí, sobretudo por ser um dos alimentos principais para a maioria das famílias ribeirinhas do Pará, e também nas cidades. “Para se ter uma ideia, 60% dele são consumidos apenas na Região Metropolitana de Belém”, destacou a secretária.

Sustentabilidade

O gerente do Departamento de Economia Solidária da área de Inclusão Social do BNDES, Eduardo Carvalho, disse que os governos federal e estadual estão alinhados, para atender o público alvo do projeto. “A meta do BNDES é investir em projetos que, no futuro, possam se auto sustentar, garantindo uma vida tranquila a essas famílias”, destacou.

Eduardo Carvalho avaliou que a Concaves pode ser considerada uma “cooperativa fantástica”, porque já realiza muitas ações, com poucos recursos. Segundo ele, a Aral ainda necessita construir uma perspectiva de sucesso para alcançar os resultados voltados à coleta seletiva, que possibilitem integrar a população de baixa renda e proporcionar benefícios de inclusão social, como trabalho e renda.

O grupo ainda participou de oficinas de planejamento com técnicos das secretarias de Estado de Aquicultura e Pesca (Sepaq), de Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia (Sedect), de Integração Regional (Seir), de Desenvolvimento Urbano e Regional (Sedurb), de Meio Ambiente (Sema), de Governo (Segov) e de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), além de Agência de Defesa Agropecuária (Adepará), Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) e Instituto Saber-ser Amazônia Ribeirinho (Issar), que também participam do projeto. (Bernadete Barroso)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

PARAUAPEBAS: Bairros Tropical e Jardim Ipiranga recebem mutirão de limpeza

Publicado

em

Dando continuidade ao mutirão de limpeza realizado na cidade, as equipes da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (Semurb) estão nesta semana nos bairros Tropical I, II e Jardim Ipiranga. 

Antes de iniciar o mutirão nesses locais, a equipe de educação ambiental juntamente com os fiscais de urbanismo desenvolveram uma ação educativa de porta em porta para comunicar aos moradores sobre o mutirão e também falar a respeito do acondicionamento correto do lixo e ainda sobre limpeza dos lotes.


De acordo com o coordenador de educação urbana da Semurb, Daniel Barros, a ação tem a proposta de intensificar a limpeza geral na cidade, com a colaboração dos moradores. “Estamos nos bairros tropical I e II e Ipiranga. Uma semana antes de iniciar os serviços percorremos os bairros avisando nas residências e também colocamos carro som nas ruas sobre ação”, explicou o coordenador. 

“Também conversamos sobre o lixo domiciliar, pois algumas pessoas ainda colocam pra fora nos dias e horários inadequados, por isso pedimos a colaboração dos moradores para que façam o acondicionamento nos dias e horários corretos. E ainda falamos sobre a limpeza dos lotes”, concluiu Daniel.  

Além da retirada de entulhos e galhadas, as ruas recebem capina e roçagem. O mutirão segue em outros locais do município, conforme cronograma que será divulgado pelo Semurb. (Liliane Diniz / Foto: Oril Lima)

Continue lendo

Pará

MARABÁ: Km7 e Transmangueira recebem serviço de tapa-buraco

Publicado

em

Na manhã desta terça-feira (4), as equipes estavam divididas na Nova Marabá, nas proximidades da UBS Mariana Moraes e no KM 7. Quatro ruas do bairro receberam recuperação da camada de asfalto e também recuperação das sarjetas, melhorando o escoamento da água pluvial.

Do km 7, a equipe seguiu para a Transmangueira, área de divisão entre a Velha Marabá e Nova Marabá. Na programação desta semana, há ainda os bairros de Belo Horizonte e São Félix.

Manoel Penha, responsável pela equipe Tapa-Buraco da Sevop, diz que os serviços seguem uma programação semanal que visa atender todos os bairros.

“Com o serviço melhora o tráfego e vamos fazendo de acordo com a demanda. É uma questão de segurança e agora com o verão vamos aumentando os serviços”, disse Manoel Penha.

Continue lendo

Pará

MARABÁ: Novo Decreto aumenta flexibilização

Publicado

em

O Decreto Municipal n° 195, que entrará em vigor amanhã, dia 6, flexibiliza abertura de bares, comércio de rua, atividades físicas, aulas de danças ao ar livre, a serem realizadas em espaço público, como também das arenas de futebol, academias de ginásticas e escolinhas de todas as modalidades esportivas. Entretanto, as fiscalizações continuam intensas quanto às restrições de limite de público e respeito aos protocolos sanitários estabelecidos pela Divisão de Vigilância Sanitária do município. Essa abertura só ocorreu após a apresentação de um plano de trabalho de protocolos de prevenção e precaução à Covid-19 apresentado pelos donos de bares.

De acordo com o decreto, o funcionamento do comércio de rua deve obedecer o horário de 8 às 18 h, de segunda à sábado. No caso das arenas de futebol, academias de ginásticas e escolinhas de todas as modalidades esportivas ficam restringidas a funcionarem até 22 horas, respeitando o limite de público de 30% da capacidade total. As competições amadoras e amistosos estão proibidos, bem como a presença de torcidas nesses espaços.

 “Assim como as academias e depois as escolinhas de futebol, dessa vez conseguimos incluir as arenas de futebol neste novo decreto. Sempre com muito respeito e cuidado com a saúde pública e cobrando todos os protocolos sanitários. Mais um passo em direção à normalidade”, destaca o secretário municipal de esporte e lazer, Thiago Miranda.

Os cinemas ficam autorizados a funcionar com 30% (trinta por cento) da capacidade total, respeitado o protocolo sanitário estabelecido pela Vigilância Sanitária do Município de Marabá. Desta feita, os bares, restaurantes, lanchonetes, pizzarias e congêneres ficam limitados a funcionar com 30%(trinta por cento) de sua capacidade total, com horário de funcionamento até o limite de 23 (vinte e três) horas, sob pena de cassação de Alvará de Funcionamento, respeitado o devido processo legal. 

Apesar da flexibilização, a Divisão de Vigilância Sanitária de Marabá (Divisa) seguirá com as ações de fiscalização com equipes, em cada núcleo realizando rondas nesses estabelecimentos que já constam nos dados do órgão.

“Nós fazemos fiscalizações que já resultaram, inclusive, em interdições de alguns espaços. Com o novo decreto, nosso monitoramento continua sempre buscando cumprir com as determinações sanitárias e de capacidade máxima desses locais”, ressalta Daniel Soares, coordenador da DIVISA. O decreto municipal n°195 entra em vigor a partir desta quinta-feira, 6 de maio.

O leitor acompanha em anexo o conteúdo completo do decreto, clicando AQUI

(Emilly Coelho e Ronaldo Palheta)

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze