- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
domingo, 22 / maio / 2022
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img
Array

PARÁ: Vereador de Marabá diz que Vale colocará Alpa à venda

Mais Lidas

No gabinete da Presidência da Câmara Municipal de Marabá, no último dia 16 de setembro, o vereador Nagib Mutran Neto, recebeu repórter do CORREIO DO TOCANTINS para fazer uma revelação que ele considerou bombástica e preocupante: “A Vale parou as obras da Alpa (Aços Laminados do Pará) e não vai mais investir nesse projeto”.

No início deste ano, quando alguns colegas vereadores chegaram de Brasília com a mesma noticia, Nagib foi o primeiro a pedir cautela e entrar em contato com o diretor-presidente da Alpa, José Carlos Soares, que negou a informação e pediu para ir à Câmara esclarecer as etapas de trabalho. “Quero dizer que tive cautela para não passar informação equivocada”.

Caso a notícia seja verdadeira, como garante o presidente da Câmara, o tão sonhado polo metal-mecânico de Marabá não deslancharia tão cedo, o mesmo acontecendo com o projeto Aline, fruto de uma parceria entre a Vale e o grupo Aço Cearense, através da Sinobras. “Nesse caso, a Aço Cearense estaria pronta para transferir o projeto Aline para o Ceará, onde o grupo tem sua base principal”, calcula.

 “Quero passar a minha preocupação como presidente da Câmara, independente de ser político. Eu ouvi de um amigo meu que conversou longamente com um alto executivo da Vale, que revelou que o novo presidente da mineradora, Murilo Ferreira, não é favorável à Alpa, mas sim à implantação da siderúrgica do Pecém, no Ceará. Tanto é que lá as obras estão de vento em popa, bem aceleradas, enquanto aqui em Marabá, estavam sendo desaceleradas naturalmente e agora pararam de vez.

A alegação da Vale para não dar prosseguimento à Alpa, segundo Nagib Mutran, é que Marabá não tem porto marítimo, enquanto Pecém está no litoral cearense e tem facilidade para escoar a produção por navio tanto para o mercado externo quanto ao interno.

Outra informação que Nagib diz ter obtido com a fonte que ele considera fidedigna é de que a atual presidência da Vale já colocou o Projeto Alpa à venda. “Isso mostra que a Vale não tem interesse em implantar a Alpa em Marabá, pela cabeça da nova diretoria”.

Sobre a derrocagem do pedral do Lourenção, no Rio Tocantins, para viabilização da hidrovia, a fim de escoar a produção da Alpa, Nagib informou que a presidenta Dilma Rousseff teria dito ao presidente da Vale para que a mineradora mesmo construa a hidrovia, estimada em R$ 560 milhões. “Quero conclamar a população, a classe empresarial e a política, para que nós não aceitemos isso. Vamos nos unir mais ainda para que consigamos nosso objetivo e a Alpa se instale em Marabá, que se crie o Polo Metal-Mecânico para gerar mais empregos e melhore a qualidade de vida da nossa população”.

Na sugestão de Nagib, a primeira medida a ser adotada é procurar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que veio a Marabá no lançamento das obras da Alpa, para que este faça pressão tanto com a direção da Vale quanto com o atual governo, para viabilizar as obras da hidrovia e pedir a manutenção da Alpa em Marabá. “Se for necessário, em último caso, sou a favor até mesmo de fecharmos a ferrovia para pressionar a presidência da Vale a manter a siderúrgica em Marabá”.

Questionado pela Reportagem sobre como o governador Simão Jatene se manifestou recentemente sobre a Alpa, em conversa reservada em um hotel da cidade com os vereadores, Nagib revelou que estranhou que o governador tenha pedido cautela quanto às cobranças à Vale em relação às condicionantes da Alpa. “Não pressionem que eles podem vazar”, teria dito o governador.

Para Nagib, a posição de Simão Jatene já demonstrava que este temia que a Vale de não implantasse mais a Alpa aqui. “Se ele está com essa preocupação é porque também está em dúvida se a Vale pode tirar a Alpa daqui ou não. No meu raciocínio, ele também tem dúvida, tanto é que no encontro que houve na Sinobras, o governador perguntou: ‘Vocês sabem de alguma coisa que eu não sei?”.

Segundo Nagib, o governador pediu para realizarem as cobranças das condicionantes no varejo, começando pela saúde. “Dessa forma eu ajudo vocês, porque no atacado podemos ter problemas”, teria dito o governador.

Segundo Nagib, o governo federal está sendo pressionado pela Gerdau para que a Alpa não se instale em Marabá, o que estabeleceria uma concorrência forte para as demais empresas do setor. (Correio Tocantins)

- Publicidade -spot_img

1 Comentário

Assinar
Notificar-me
guest
1 Comentário
Mais antigo
Mais recente Mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
deivid

eu particulamente estou achando isso muito ridiculo! como mais uma vez nos marabaençe estamos sendo tridos enganado,ridicularizados,e espostos a tal situação… eu como morador e eleitor marabaense peço mais enterçe e responsabilidade da partes de nossos politicos… deivid

- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias